Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Por onde andam

Por onde andam

Categoria: Literatura
Por onde andam

Por onde andam as mentes que foram influências por figuras como Machado de Assis, Mário Quintana, Ferreira Gullar e o mestre Carlos Drummond de Andrade, por onde andam os poetas e suas musas a viverem e inspirarem os nossos grandes romances?

Onde estão aqueles que gostam de expulsar os seus poemas e a sua liberdade por aí? Onde estão as almas livres que necessitam de se expressar? Onde estão todos aqueles que tem algo a dizer pra esse mundo?


Tenho saudade do tempo dos loucos, onde os jovens confrontavam o governo com mensagens inteligentes e tinham como missão se libertarem o máximo possível do padrão imposto pelos opressores, foi assim que surgiam todas as mentes geniais que marcaram nossa cultura e fincaram raiz na nossa história, só os loucos que ousaram conseguiram sobreviver além do tempo com suas ideias.


Mas mesmo assim uma pergunta que não consigo tirar de minha cabeça é, onde foi parar todo nosso tesouro cultural? toda a nossa miscigenação musical, poética e cultural parece estar guardada na mãos de raras mentes que ainda brilham quando escutam as obras primas e psicodélicas de Hermeto Pascoal, ou com os clássicos esquecidos como o primeiro disco de Zé Ramalho, o Peabiru e por termos obras tão raras que sou obrigado a ter a fé de que ainda existem os apreciadores de um instrumental que transborde emoção e sensibilidade para nossos corações aflitos por melodias arrebatadores.


Por pessoas como essas ainda ponho a minha esperança para atuar, tenho em minha mente que somos poucos mas também tenho a certeza de que somos raros, a massa pode estar contaminada por esse vírus que o popular causou, mas nós somos a resistência, nós somos os que dizem NÃO, nós não trocamos a nossa boa e clássica melancolia de um velho Vinicius do lado do compadre Buarque, ou de um atemporal Seixas rasgando o tempo espaço com a sua loucura genial, por um remelexo de quadris ouvindo um refrão chato e repetitivo que ainda nem saiu da universidade, então faço esse apelo, pesquisem a fundo antes de falarem sobre a cultura brasileira, porque ela está muito além do que a mídia nos mostra e do que a massa bate palmas.


Hugo Dantas dos Reis

Título: Por onde andam

Autor: Hugo Dantas Reis (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Por onde andam

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios