Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Detective Lumber

Detective Lumber

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Detective Lumber

Detetive Samuel Lumber tinha acabado tomar o seu suminho de laranja com gás, quando ouve um precipitado bater da porta.
-Pode entrar. E entrando era o seu grande amigo Comissário Sam Mack.
-Boas Samuel, como vai a tua vida?
-Ia melhor se houvesse mais criminosos.
-Não me digas.
-Digo pois, o negócio anda um bocado parado.
-Pois ainda bem, vim aqui trazer-te um caso que provavelmente, tu poderás ajudar.
-Sabes que, prefiro estar num lado e as autoridades do outro.
-Trata-se do caso “As joias de Neptuno”.
-Não pode.
-Pode sim, infelizmente julgávamo-las perdidas, mas uma delas foi recentemente descoberta.
-Então?
-Acontece que “Esguio” Al, morreu recentemente, algo envolvendo disputas por causa de território de gangster. Honestamente a mim pouco me importa, matam se uns aos outros tanto faz, o que é certo que um dos seus maiores compinchas Zeus Berdani foi encontrado com uma das joias, ele pediu auxílio policial para a família dele, em troca deu uma das joias.
-Bem já só faltam quatro. Ele disse o resto?
-Ele suicidou-se com um balázio da cabeça.
-Apanhou-o foi?
-Aparentemente ele sofria de stress e de depressão. A sério algo triste.
-Pena pelo Diabo?
-Mas pelo chapéu dele. Era muito bonito.
-Mais alguma pista?
-Não.
-Então, não sei o que queres de mim.
-Foste sempre um bom farejador de pistas.
-Andas a chamar-me de cão?
-Não, mas eu sei que sabes morder.
-Eu não era muito capaz de te auxiliar desse caso.
-Preferia que sim.
-Pois o que preferes ou não é indiferente para a minha vida.
-Temo que não seja o caso.
-Porque?
-Bem acontece que, a licença de Detetive deve estar prestes a caducar.
-Só lá para ao fim deste ano.
-Acontece que deste caso eu posso revogá-la.
-Não se atreveria!
-Atrevo-me sim. És a única hipótese de podermos resolver este caso.
-Porque eu?
-Tu tiveste experiencia desse caso, podes resolve-lo uma vez por todas, e voltares para a policia.
-Uma coisa de cada vez.
-Tudo bem. Ajudas-nos?
-…Sim.
Detetive Samuel Lumber acompanhou Comissário Sam Mack, este falou alguns duns detalhes mais específicos, como por exemplo Zeus, disse que tinha dado algumas das joias como oferenda de paz para os gangster mas o chefe guardou a maior só para si, infelizmente acontece que isso não resolveu a pacificar os seus rivais. Al era visto como o mais poderoso e ameaçador deles todos, mas constava-se que ele tinha negócios com a policia, em vez de usar o medo como os outros gangsters, ele financiava-os, dava dinheiro para pagar a educação aos filhos de alguns agentes ou ajudar a pagar dividas sem que ele ficassem endividados com ele, mostrava atos generosidade, que fazia os outros suspeitarem dele, também consoante que alguns rivais mais odiados de Al, também foram parar a cadeia, duma maneira deveras suspeita.
-Eu então suponho que Al tinha poucas amizades.
-Certo, Zeus era o seu braço-direito, mas agora com ele morto, será mais difícil procurar o que queremos.
-Ele tinha dito aonde parava o resto das joias?
-Não sabia.
-Achas que Mike English pode estar envolvido?
-Sabes que ele morreu não sabes?
-O corpo dele nunca mais foi achado.
-Duvido que pudesse ter sido ele.
-Porque pararam as buscas?
-O sitio mais credível aonde ele estivesse era do oceano, depois de cinco dias estimamos que ou tinha sido levado pelas àguas ou devorado.
-Como é que o Al morreu novamente, balázio da cabeça.
-Como o Zeus, foi suicídio?
-Bem pode pensar que sim, mas duvido muito.
-Então não é de muito longe pensar que Zeus teve o mesmo destino.
-Al tinha um revolver da mão, mas a gente o conhecia, era obvio que foi causado por um adversário, a bala não combina com o revolver que ele tinha da mão.
-Se calhar, eles não estavam à espera que a balística os descobrisse.
-Eh os bandidos dos dias de hoje têm que ficar cada vez mais espertos.
-E nós também. Então qual é a primeira pessoa que devemos ir fazer perguntas?
-A mulher do Al

-Eu já tinha dito que não sei de nada.
Dizia a viúva de Al “Esguio”, um poderoso chefe de gangster que havia aqui da cidade de Detetive Samuel Lumber e Comissário Sam Mack, Al recentemente tinha sido morto com um tiro da cabeça, em casos normais isto indicaria suicídio, mas isto não era um caso normal, mais joias preciosas de Al, teriam sido roubadas, e o seu antigo braço direito, também morreu, da mesma forma, talvez isto indicando, que poderia haver algo mais. Tinha dito o Comissário
-Ouça minha senhora, saiba que mentir às autoridades geralmente nunca é muito boa ideia.
- Tenho pouco medo, de vocês. Ripostou Lucy, a viúva, ela demonstrava uma frieza deveras forte para alguém que perdeu o marido recentemente, de facto sempre houve rumores que ela estava apenas pelo dinheirinho. Fosse como fosse eles não conseguiram arrancar nada dela.
-Existe possibilidade de ela ser suspeita de alguma coisa? Perguntou Lumber.
-Bem o álibi dela era que estava da casa da prima da hora do suposto crime.
-A prima confere isso?
-A prima parece não existir.
-Como assim?
-Quando foram ter com a prima, aparentemente partiu pouco tempos depois.
-Então ela obviamente mente, é um bocado digamos conveniente não? Devia estar presa.
-Bem tem advogados que estão a impedir isso.
-E agora?
-Resta-nos a família do seu braço direito.
-A família Berdani.
-Exatamente.
-Achas que serão mais cooperativos?
-Honestamente não sei. Bem vem comigo conheço um atalho
Quando chegaram à dita casa de repente descobriram que a casa estava rodeada de um montão de gente, sem falar de que existia policias, da verdade tratava-se duma cena do crime. O comissário encontrou-se com o tenente Louis MacIntosh.
-Comissário Mack, infelizmente a família for morta.
-Como é que isso pode ser possível?
-Bem pensa-se que se trate duma metralhadora.
-Isto está bonito. Disse Lumber.
Lumber via uma mulher, duas crianças, um idoso, sem duvida parecia um trabalho de Mike English.
Mike English era um assassino perverso, com uma sede sangue quase inesgotável, conta-se que se tronou assassino por contrato aos 20 anos, geralmente eles começam uma década mais tarde, poderia talvez vir da sua possivel já vasta experiencia. Mike English nem se calhar seria o seu nome verdadeiro, este trabalhava para Al, houve um certo trabalhinho que Mike tinha que fazer, esse trabalho consistia em roubar as “Jóias de Neptuno” não era necessário assassinar qualquer outro, apenas em extremo caso, mas Mike bem, ele gostava muito de fazer constava-se que centenas de corpos ficaram pela sua autoria, algo que o próprio Al não suportava mais, ele ajudou deste caso a apanhar o Mike, da verdade Mike fugiu de carro a toda a velocidade indo parar à agua. Achou-se o carro, mas nunca a pessoa.
Lumber lembra-se que a maneira de ver se era o tal assassino era quando deixava…
-Tenente, Comissário, achamos isto.
Uma carta de coringa… ou mais conhecido por Joker

Fim

A HISTORIA CONTINUARÁ NA PRÓXIMA SEMANA

Manuel Velez

Título: Detective Lumber

Autor: Manuel Velez (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Comentários - Detective Lumber

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios