Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Um Mundo Reverso

Um Mundo Reverso

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Um Mundo Reverso

Ao acordar vi que o mundo lá fora estava diferente, os carros andavam da esquerda, os cães passeavam as pessoas, os bebés davam de biberão aos adultos, homens vestiam saias, as mulheres deixavam crescer os bigodes. O mundo que eu conhecia partiu, e nem sequer me disse adeus.

Saindo da cama decidi vestir uma saia azul, aparando o meu bigode perguntei-me se hoje comeria brócolos com leite ou esparguete com arroz, retirando-me tirei o meu carro e pus-me andar, bati do poste, agora exigia ter acidentes, o mudava rodava, mas agora da trás para frente, tinha que ser, e todos tinham que obedecer às novas regras, eu decidi ir à loja vender batatas que ontem tinha comprado dessa mesma loja, ao entrar da loja pela porta de saída, olhei para a televisão, aonde mostrava vários locais de protestos para o mundo ficar como era dantes, eles exigiam que as seguradoras voltassem a cobrar, que os pobres voltassem a serem alimentados, que os cães voltassem a caçar os gatos, que a água voltasse a ser uma bebida, que a musica voltasse a ser ouvida e etc.

Eu vendi as minhas cinco batatas por 30 escudos, tenho que admitir que tive saudades de usar os escudos, de repente entrou um ladrão disparou dois tiros, e deu mercearias, bem sempre havia vantagens de viver num mundo ao contrário. Fui novamente para casa, desta vez a pé, já o meu carro continuava espetado da árvore, deliberadamente entrei da minha casa, ai ouvi uma música relaxante, apareceram ladrões a dizerem que cometi o delito, devido ao mundo estar reverso, eu tenho que ir a uma casa que não é minha, assim foi eu fui preso, eles pagaram-me a multa, alguns minutos depois fui solto, afinal é para os prisioneiros andarem livres, fui então informar-me aonde fica a minha casa, recebendo a morada fui então ter a um palacete, era realmente uma casa bonita, quase infinita, mas era só eu.

Decidi ir à procura emprego, mas antes que pudesse ir bater à porta de alguém, vieram à minha casa ofereceram-me emprego, mas não o podiam, sendo tudo de reverso eles tinham que me despedir, chegamos então a um encalce, rapidamente isto espalhou-se e durante muitos dias houve polémicas, discussões, e pelo menos três guerras aconteceram, depois de quase um mês foi decidido que o mundo não estava preparado para viver em reverso, então decidiram voltar tudo ao normal, assim que a noticia foi anunciada, houve novamente protestos, primeiro foi os cães que fizeram várias marchas levando consigo os donos, estes mostravam uma infelicidade de voltar aos tempos antigos, defendendo que os humanos estavam contentes pelos seus novos mestres, as vacas defendiam o leite humano que eram providenciadas a elas, era aliás evidente que a manteiga produzida pelo leite humano materno mostrava um nível de qualidade melhor, mas era altamente viciante.

Os protestos duraram meses mas as coisas foram decididas, o mundo voltou ao normal, os carros andavam da direita, os cães eram passeados pelos humanos. Eu sentia-me triste, até estava a gostar do mundo estar fora do normal. Mas infelizmente não durou por muito tempo. Ao aceder a internet por o meu espanto encontrei vários sites que se dedicavam a preservar antiga cultura reversa, fiquei entusiasmado e decidi ver alguns dos vídeos que representavam esse já mundo antigo e agora completamente esquecido.

Bem pelo menos pelo mundo exterior, acabei por descobrir também que eles se encontravam em pequenos grupos fazendo práticas e até mesmo rituais associados ao mundo antigo, muitos participavam trazendo os animais, estes que mordiam a corda das coleiras, trazidas aos pescoços dos seus donos humanos, por vezes vinha um ou outro pessoal de idade idosa que trazia vestimentas de adolescente, homens e mulheres que consideravam apenas atração pelo sexo oposto, começavam a trazer pares do mesmo sexo, e pessoas que mostravam atração do mesmo género começaram a namoriscar com pessoas de sexo oposto, havia quem exportava carros ingleses só para trazer aquela nostalgia de condução contrária. Lembro-me desses dias, eu trazia uma saia, deixava vir o bigode, e juntava-me á festa. Mas uma dessas festas houve um espião, estas festas organizadas eram da verdade ilegais, foram quase todos presos incluído eu. O tempo passou bastante de pressa enquanto esperava que me soltassem. Vindo cá para fora descobri que havia novamente mais protestos, a defenderem que as pessoas podiam viver dos seus mundos reversos sem que ninguém tivesse alguma coisa haver com isso.

Eu tinha reparado duma coisa então, quer que nos não passeasse-mos os cães, quer que usássemos roupa não adequada, vivêssemos de outra maneira, existia sempre uma forte constante, o protesto.


Manuel Velez

Título: Um Mundo Reverso

Autor: Manuel Velez (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Comentários - Um Mundo Reverso

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios