Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Caçada

Caçada

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Comentários: 2
Caçada

Eu estava a viajar, pelo mundo inteiro, e a viagem que eu tomava, já me tinha exausto completamente, eu estava a dar as últimas, sentia o meu corpo exausto, sem energia nenhuma, quase a dar as últimas. Só me restava um simples pão com manteiga, e um pacote de leite. A fome apertando tive que começar a minha demanda por nutrientes.

Por trás das silvas, vi coelhos a saltitar, deliciosos e gordinhos, prontos para irem à minha pança, e eu mal conseguia aguentar. Passo a passo aproximava, um deles começou a remexer o nariz e alevantou-se, olhando para vários lados, o meu instinto há muito adormecido despertou, e assustei o coelho, atacando-lhe por cima, apanhei-lhe o pescoço.

O dia de ontem tinha sido um belo jantar a carne (mesmo apesar de crua) era deliciosa. Mas eu ansiava por mais, a fome era forte. Mas tive que aguentar, iam comendo umas ervas pelo caminho, continuando a minha viagem, indo por sítios cada vez mais inóspitos, escalando a montanha, via várias cabras e bodes, saltitando, fez-me lembrar novamente os coelhos, os meus olhos arregalaram, e comecei a salivar.

Eu tinha comido um simples e inocente cabrito, o coelho era diferente, era adulto, e havia tantos dele, mas este cabrito tinha-se perdido, e eu da minha inesgotável fome comi-o, eu não sou o seu predador natural, e penso que senti que desviei a fauna deste local. A minha fome continuava a perturbar-me, a carne fazia-me deliciar, eu tinha que continuar a comer cada vez mais e mais, mais, mais, mais, não podia parar.

Encontrava duma região húmida, uma floresta não muito longe encontrava-se ali, de perto havia uma pequena lagoa, garças andavam por ali e a vegetação misturava-se com a agua, fui bebe-la, e comecei olhar para o meu reflexo, eu tinha um ar estranho, tinha-me tornando dum animal sedento de sangue, a lutar pela sobrevivência. Os meus olhos amarelos, a minha pela escamosa, de lábios enormes, de dentes aguçados. O crocodilo queria comer a minha cara, mas desviei-me mesmo a tempo, era isso que tinha visto do reflexo, mas sabia que não era diferente dele. Eu por mim já me tinha transformado em tal coisa.

Pouco tempo depois eu libertei-me das minhas roupas, andava nu, apenas com o pelo em que com o tempo foi-me tapando protegendo-me do inverno, eu fui aumentando os meus músculos, comecei a usar os meus braços como pernas para correr mais depressa, transformei-me duma besta.

Sendo agora mais animal que homem, tinha-me libertando daquilo que em humano não podia fazer, sentir o vento ir contra a minha cara em grandes velocidades, chegar ao fim do dia com satisfação depois duma caçada, enfim a liberdade era me garantida o que a civilização não o fazia, mas por vezes tinha saudades. Não, não tinha.

Um certo dia, vejo um leão macho maduro errante, esta parecia-me ser uma grande hipótese para mostrar os meus dotes de guerreiro. Esperando pacientemente para que ele abaixa-se a guarda, ele deitou-se num vasto arbusto, com intenções de dormir, ai lancei ferozmente, e ele rosnou para cima da mim erguendo-se a grande velocidade, mostrando caninos aguçados, os meus braços do tamanho pedregulhos gigantes, fizeram força a tal criatura, a sua boca era poderosamente musculada, mas eu também era, mandei-lhe ao, levantando-se logo a seguir, apanhei o tronco e saltei para cima dele esmagando-o, mas sem me arranhar a barriga, muito sangue jorrou.

Horas passaram e via vários abutres atras de mim, o sol escadeava, eu precisava de muita agua, tinha ido ao lago, aonde tinha começado a transformação, antes do crocodilo me ter morto, pensava se da civilização teria tal morte?

Manuel Velez

Título: Caçada

Autor: Manuel Velez (todos os textos)

Visitas: 0

601 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    10-09-2012 às 13:46:33

    Ainda estou a reflectir sobre o seu texto/história: interessante, intrigante ou apenas uma história? Pois não sei. Se a história foi imaginada por si, parabéns. Parece realmente uma forma de contar histórias muito vanguardista, se não foi você escrever, parabéns por contá-la mesmo assim. Percebi que faz alusão a uma pequena lição de moral com a pergunta final relativamente à civilização. Já a sua outra história do Diabo tinha esta vertente tão "sei lá".

    ¬ Responder
  • Wallace RandalWallace Randal

    01-09-2012 às 21:47:12

    Escreve muito bem! muito bom o texto

    ¬ Responder

Comentários - Caçada

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios