Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Um Clássico - E Tudo o Vento Levou

Um Clássico - E Tudo o Vento Levou

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Comentários: 6
Um Clássico - E Tudo o Vento Levou

Se nos entusiasmamos por ir ao cinema assistir ao mais novo filme de um determinado realizador ou ator favorito, muitos são os que se mantém fieis aos clássicos de sempre.

Reviver emoções é saudável para qualquer um, e assistir a um filme preferido pela vigésima segunda vez também. Se as experiencias novas são fundamentais para quebrar o tédio, a rotina equilibra-nos e assistir a um clássico é o ideal.

Se não é ainda adepto de filmes clássicos e épicos, vou falar-lhe de um que se ainda não assistiu, não vai perder.

Nos principais papéis encontram-se nomes sonantes do cinema do final dos anos 30, como Vivien Leigh como Scarlet e Clarck Gable como Captain Reth.

Scarlet, uma menina mimada e bonita do Sul da América, vive com o sonho de casar com o grande amor da sua vida - Ashley. Amada e desejada por todos os homens da terra, Scarlet vê o seu sonho desvanecer-se quando Ashley casa com a sua grande amiga. Com o inicio da Guerra Civil, toda a imponência da vida de Scarlet é posta em causa. Viúva, com fome e na tentativa de manter a terra que a viu nascer, é Scarlet quem sustenta toda uma família com a plantação de algodão.

Na tentativa de voltar a viver os luxos de outrora, decide casar-me com o galã do filme - Clarck Gable que interpreta o papel de Captain Reth Butler. Reth, portador de uma grande fortuna ama de verdade Scarlet, mas a agonia de vê-la manter-se apaixonada ao sonho de menina (casar com Ashley), transformam-no num homem sofrido.

Apesar de todos os esforços, Reth não consegue que os caprichos de Scarlet se devaneiem e acaba por abandoná-la. Terá Scarlet de enfrentar a realidade de que nunca terá o seu verdadeiro amor, ou agora sozinha vai perceber que na realidade ama Reth.

Produzido por David O. Selznick, a história é da autoria da vencedora de um prémio Pulitzer, Margaret Mitchell, e o filme foi o vencedor de 10 Óscares da Academia este filme é o retrato perfeito da vida dos Sulistas devastados pela Guerra Civil. Cenários, mansões e todo um guarda-roupa invejável, este filme não passa indiferente.

Considerado por muitos como o melhor filme de todos os tempos, vemo-nos perante vários enredos de sobrevivência que caracterizam uma história da Guerra Civil Americana.

Recheada de emoções, suspense, romance, ternura, força, coragem e caprichos, esta história enaltece-se como uma das obras primas mais bem escritas do mundo. A não perder.


Carla Horta

Título: Um Clássico - E Tudo o Vento Levou

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

773 

Imagem por: iboy_daniel

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 6 )    recentes

  • Daiany Nascimento

    01-10-2012 às 18:32:32

    É verdade que a literatura clássica é muito rica e bela, com vários contos que nos inspiram e que expressam os sentimentos das pessoas que os escrevem. Sem dúvidas por meio de tais obras clássicas podemos achar muitas histórias belíssimas que falam sobre amor ou outros assuntos, que são marcadas pelo sentimentalismo e realismo. Infelizmente ainda não tive a oportunidade de assistir à este grande sucesso do cinema, mas fiquei muito interessada em poder assistir.

    ¬ Responder
  • Nilson EmpreendedorNilson Uemoto

    30-09-2012 às 06:57:33

    Nossa vi esse filme na década de 80, eu ainda era criança ,mas lembro que quando passou na tv, no dia seguinte todos comentavam do filme na minha escola, as meninas suspiravam pela história romântica.Creio que esse foi um dos maiores clássicos do cinema até hoje, com aquela música tema inesquecível, o par romantico se encaixava como uma luva e com certeza esse é um filme para se rever novamente

    ¬ Responder
  • Cristina SousaCristina Sousa

    26-09-2012 às 17:44:14

    Foi, até agora, o melhor filme que vi. Pois tudo é perfeito, sendo contada uma linda história de amor em tempo de guerra, com interpretações perfeitas dos actores e actrizes.

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    26-09-2012 às 13:14:41

    A literatura clássica é sem dúvida muito bela e expressa os sentimentos de quem escreve.Nela podemos encontrar as mais belas histórias de amor ou outros temas, relatados ao pormenor, com grande sentimento e realismo.É o caso do título E tudo o vento levou, que apaixonou multidões, quer pela história em si como pelos atores que fazem o filme.

    ¬ Responder
  • Gabriela TorresGabriela Torres

    26-09-2012 às 02:53:19

    Um dos filmes mais fabulosos já produzidos na história do cinema.Sublime,fantástico,delicioso!São poucos adjetivos para qualificar essa verdadeira obra de arte que é essa produção que retrata a guerra civil americana.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    23-09-2012 às 18:51:25

    Sou uma apreciadora ávida dos grandes clássicos do cinema. Infelizmente e com muita pena minha, ainda não consegui assistir ao icónico e brilhante “E tudo o vento levou”, simplesmente porque nunca ou raramente é transmitido nos canais de televisão e também não é presença dos videoclubes. Conheço as linhas gerais da história e os personagens principais da mesma, estando sem dúvida na minha lista de filmes a conhecer, espero que brevemente. Vivam os clássicos!

    ¬ Responder

Comentários - Um Clássico - E Tudo o Vento Levou

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: iboy_daniel

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios