Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O final feliz de uma história da felicidade

O final feliz de uma história da felicidade

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 2
O final feliz de uma história da felicidade

«Uma História da Felicidade», de Darrin McMahon é um livro que mostra claramente que a ambição de ser feliz não traduz uma moda recente, mas que se trata de uma aspiração intemporal de todo o ser humano. O autor refere-se ao “abstrato” do conceito de felicidade citando Hegel: «A felicidade inscreve-se nas páginas em branco da História». Ao longo de mais de 500 páginas, o professor da Florida State University procura preencher este vazio historiográfico com inúmeras lições da sua preenchida vida.

Definir o indefinível foi, basicamente, a tarefa hercúlea deste estudioso da felicidade. Circunscrever um sentimento como a felicidade a conceitos procedentes de uma Humanidade pouco humanizada, detentora de tradições, vícios e heranças ocidentalizados há de ser um esforço tremendo e, muitas vezes, inglório. Talvez por isto o “arquiteto” desta obra editada em 2006 e incluída pelo «New York Times» numa lista de 100 livros notáveis, defenda que o estudo da felicidade pressupõe uma abordagem multidisciplinar que abarque os domínios social, cultural, textual e mesmo emocional.

Mais do que factos de objetividade, seduzem-no as ideias e a respetiva contextualização. Não se está diante de uma ciência exata, mas de um ensaio de reflexão livre, repleta de genealogias entusiasmantes. É a história intelectual no seu estado mais puro. O herói trágico, as doutrinas de fé, o iluminismo, o liberalismo e toda uma vasta panóplia de vivências clássicas e judaico-cristãs, passando por Nietzsche, Marx e Freud, compõem um interessante conjunto de oito capítulos divididos em duas partes («A Construção de uma Fé Moderna» e «Espalhando a Palavra»), com abundância de notas. A questão da fé surge associada à urgência da investigação daquilo que McMahon acredita ser o credo hodierno: toda a gente considera ter direito à felicidade!

A “busca eterna” da felicidade encontra-se presente em todas as reflexões do escritor, como que numa tentativa de legitimação desta procura incessante. Os exemplos de felicidade escritos são imensos e variados, podendo o leitor encontrar ideais de felicidade como o de Sócrates (o filósofo!), que assentavam no objetivo de uma vida virtuosa, ou os do marketing vigente, que a exploram num âmbito obsessivo universalizado.

O autor pretende transmitir a quem o leia que a história da felicidade é suscetível de integrar, acima de tudo, uma experiência de relativização. Todos sabemos que a absolutização seja do que for é perniciosa e limitativa. Abordada desta maneira, esta será, sem dúvida, uma história com um final feliz, como aliás convém.


Maria Bijóias

Título: O final feliz de uma história da felicidade

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

634 

Imagem por: Javier Pico

Comentários - O final feliz de uma história da felicidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Javier Pico

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios