Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O final feliz de uma história da felicidade

O final feliz de uma história da felicidade

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 2
O final feliz de uma história da felicidade

«Uma História da Felicidade», de Darrin McMahon é um livro que mostra claramente que a ambição de ser feliz não traduz uma moda recente, mas que se trata de uma aspiração intemporal de todo o ser humano. O autor refere-se ao “abstrato” do conceito de felicidade citando Hegel: «A felicidade inscreve-se nas páginas em branco da História». Ao longo de mais de 500 páginas, o professor da Florida State University procura preencher este vazio historiográfico com inúmeras lições da sua preenchida vida.

Definir o indefinível foi, basicamente, a tarefa hercúlea deste estudioso da felicidade. Circunscrever um sentimento como a felicidade a conceitos procedentes de uma Humanidade pouco humanizada, detentora de tradições, vícios e heranças ocidentalizados há de ser um esforço tremendo e, muitas vezes, inglório. Talvez por isto o “arquiteto” desta obra editada em 2006 e incluída pelo «New York Times» numa lista de 100 livros notáveis, defenda que o estudo da felicidade pressupõe uma abordagem multidisciplinar que abarque os domínios social, cultural, textual e mesmo emocional.

Mais do que factos de objetividade, seduzem-no as ideias e a respetiva contextualização. Não se está diante de uma ciência exata, mas de um ensaio de reflexão livre, repleta de genealogias entusiasmantes. É a história intelectual no seu estado mais puro. O herói trágico, as doutrinas de fé, o iluminismo, o liberalismo e toda uma vasta panóplia de vivências clássicas e judaico-cristãs, passando por Nietzsche, Marx e Freud, compõem um interessante conjunto de oito capítulos divididos em duas partes («A Construção de uma Fé Moderna» e «Espalhando a Palavra»), com abundância de notas. A questão da fé surge associada à urgência da investigação daquilo que McMahon acredita ser o credo hodierno: toda a gente considera ter direito à felicidade!

A “busca eterna” da felicidade encontra-se presente em todas as reflexões do escritor, como que numa tentativa de legitimação desta procura incessante. Os exemplos de felicidade escritos são imensos e variados, podendo o leitor encontrar ideais de felicidade como o de Sócrates (o filósofo!), que assentavam no objetivo de uma vida virtuosa, ou os do marketing vigente, que a exploram num âmbito obsessivo universalizado.

O autor pretende transmitir a quem o leia que a história da felicidade é suscetível de integrar, acima de tudo, uma experiência de relativização. Todos sabemos que a absolutização seja do que for é perniciosa e limitativa. Abordada desta maneira, esta será, sem dúvida, uma história com um final feliz, como aliás convém.


Maria Bijóias

Título: O final feliz de uma história da felicidade

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

634 

Imagem por: Javier Pico

Comentários - O final feliz de uma história da felicidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Receptores digitais

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: TV HIFI
Receptores digitais\"Rua
Os receptores digitais são instrumentos que têm a função de receber sinal por via de canais digitais.

De acordo com a sua função, estes canais poderão ser satélite ou por cabo. Actualmente, já existem bastantes serviços de televisão por cabo que funcionam apenas com estes receptores, uma vez que é através deles que se consegue ter acesso não só aos canais de serviço, mas também a pacotes codificados.

O serviço de recepção de canais por satélite é um sistema independente para o qual é necessário ter um disco receptor satélite de modo a poder ter canais digitais fora dos serviços prestados pelos operadores de televisão digital.

Este instrumento permite que os próprios ecrãs sem tecnologia digital passem a usufruir desta através destes receptores. No entanto, a melhor qualidade só é garantida com um ecrã já com esta tecnologia.

Os receptores digitais permitem também aceder a uma multiplicidade de serviços, desde que devidamente configurados. Por exemplo, com estes receptores, é possível aceder a menus específicos de pausa de emissão para depois ser continuada, de serviços on-demand ou acesso a portais específicos, entre outros.

Esta pequena caixinha permite ao seu utilizador usufruir da televisão a um novo nível, de modo a que possa ter todas as comodidades no conforto do lar. 

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Receptores digitais

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Javier Pico

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    04-06-2014 às 06:53:28

    Gostei dos receptores digitais. Bom texto abordando isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios