Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Não entre em pânico, pegue uma toalha e conheça a obra "O guia do Mochileiro das Galáxias".

Não entre em pânico, pegue uma toalha e conheça a obra "O guia do Mochileiro das Galáxias".

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Comentários: 1
Não entre em pânico, pegue uma toalha e conheça a obra "O guia do Mochileiro das Galáxias".

Olá! No artigo de hoje vamos falar sobre a série de livros “O Guia do Mochileiro das Galáxias”.

Essa obra pode ser considerada um dos maiores clássicos da literatura Nerd do mundo.

Eu disse série, pois para quem não sabe o Guia do Mochileiro é apenas a primeira obra de cinco livros escritos por Douglas Adams. Nesse artigo vamos nos focar apenas no primeiro livro."
O guia do Mochileiro das galáxias". Segue-se a ele: "O restaurante no fim do Universo", "A vida, o universo e tudo mais", "Até mais e obrigado pelos peixes" e "Praticamente inofensiva"

Então a primeira história gira entorno do personagem Arthur Dent, que tenta evitar que sua casa seja demolida devido à uma construção de uma nova rodovia, ao mesmo tempo que seu amigo Ford Prefect, revela-se um alienígena disfarçado que quer salvá-lo da destruição de sua outra casa o planeta Terra, que ironicamente será destruído para a construção de uma nova via espacial.

Quando conseguem escapar da destruição do planeta Ford e Arthur, juntam-se a Zaphod Beeblebrox conhecido amigo de Ford e atualmente presidente auto-sequestrado da Galáxia e Trillian que Arthur já havia conhecido em uma festa, mas achara que nunca mais a veria, e também o robô Marvin que sofre por sua imensa inteligência artificial. Partem então em busca da questão fundamental e acabam se envolvendo em “muitas confusões”!

Além de seu bom humor o livro ainda demonstra o brilhantismo de Douglas Adams quando se trata das ironias do mundo e sua crítica à burocracia exagerada, representada pelos vilões os Vogons, que são metódicos e burocratas natos.

O livro ainda conta com situações absurdas onde autor tem soluções tecnológicas muito criativas como: as portas das naves que ficam satisfeitas ao se abrirem, ou o sistema de navegação que é extremamente animado.

Sem contar no próprio Guia do Mochileiro das Galáxias que é um personagem a parte tanto no filme quanto nos livros. Se tudo isso ainda não o convenceu começar a ler agora, vou falar da minha invenção favorita: que é o Gerador de Improbabilidade Infinita.

Esse dispositivo colocado na nave Coração de ouro cria situações inesperadas ao ponto de transformar dois mísseis que os atacam em uma Baleia e um vaso de Petúnias.

Mas ainda não acabou...

A série foi escrita com um programa de radio e ganhou adaptações para a TV e para o cinema num filme lançado em 2006.

O filme é dirigido por Garth Jennings e conta com a participação de John Malkovich, no papel de Humma Kavula.
Não é preciso dizer que o filme é divertidíssimo e principalmente para quem ainda não conhece os livros é um ótimo ponto de partida.

O Autor Douglas Adams inclusive chegou a escrever alguns roteiros e foi considerado como produtor honorário do filme, mas infelizmente morreu antes do lançamento do mesmo.

No filme há uma outra invenção criativa que eu particularmente procurava nos livros, mas deve ter sido feita posteriormente pelo autor no roteiro, que é a arma de perspectiva.

Quando alguém a usa a arma passa o seu ponto de vista para a pessoa alvo fazendo com que a mesma a compreenda, seus usos podem ser infinitos.

Está aí uma ótima obra para ser lida e que não é somente uma aventura pelas galáxias, mas sim uma grande homenagem à ficção científica.

PS: A resposta é 42.


Jhon Erik Voese

Título: Não entre em pânico, pegue uma toalha e conheça a obra "O guia do Mochileiro das Galáxias".

Autor: Jhon Erik Voese (todos os textos)

Visitas: 2

169 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • W.MENEZES

    20-11-2015 às 21:41:15

    O guia do mochileiro das galáxias é sensacional mesmo. O autor tem umas sacadas massa, bastante filosófica. Curti pra caralho a série. Tá bacana Jhon...

    ¬ Responder

Comentários - Não entre em pânico, pegue uma toalha e conheça a obra "O guia do Mochileiro das Galáxias".

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios