Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Capítulo 5 – Augusto o cara que atropelou Eduardo.

Capítulo 5 – Augusto o cara que atropelou Eduardo.

Categoria: Literatura
Capítulo 5 – Augusto o cara que atropelou Eduardo.

Já fazia três dias que Augusto tinha encontrado o bilhete em seu carro. Desde lá dormir era um grande problema.
No primeiro dia de insônia tentou se embebedar. Estava em seu apartamento no centro da cidade e tomou sozinho, uma garrafa de Jack Deniels. Com isso conseguiu ficar tonto, vomitou toda a pizza que comera em sua janta, cambaleou por todos os cômodos, mas não apagou em definitivo. Com o raiar do sol teve um apagão, pois não pode considerar sono um período que não se descansa absolutamente nada.

O segundo dia que já começou com uma ressaca infernal, seguiu lerdo e doloroso. Como Augusto trabalha em casa sentiu-se gratificado por não ter que enfrentar o mundo naquele estado. A noite resolveu que iria se comportar então não bebeu nada alcoólico. Arriscou uns comprimidos que tinha em casa e nem sabia por quê. O resultado foi parecido com o da noite anterior, exceto pela ausência de náuseas, vômitos e a melhor de todas: a ressaca de manhã. Ainda assim, sono e descanso de verdade nada.

Como precisava fazer compras no terceiro dia, optou por enfrentar o medo do dia e resolveu que lutaria contra o próprio cansaço com mais cansaço físico. Foi ao mercado que ficava próximo ao seu apartamento a pé mesmo. Comprou coisas para comer, coisas para beber, coisas para limpar e coisas para diversão. Dentre essas últimas algumas cervejas, uma nova garrafa de uísque e alguns cigarros, mesmo assim não chegaria a usar nenhuma delas.

A preocupação com o que dizia no bilhete só retornou nessa terceira tarde quando o reencontrou junto de algumas contas na beira da porta, logo que voltava do mercado.
“O que você acha que aconteceu é o que realmente está certo, não se deixe confundir pelas aparências, menos ainda pelas opiniões dos outros.”

E nem um remetente, ou qualquer identificação que seja.
Na primeira vez que leu achou que pudesse ser algum tipo de corrente, ou alguma brincadeira de mau gosto dos amigos, mas agora tinha um sentimento diferente. Parecia mais otimista. Afinal a frase dizia que ele estava certo, então era só confiar em si mesmo.

- Se for uma mensagem do além, tudo bem já entendi! – exclamou em voz alta para a porta a sua frente que permaneceu calada.
O tom era de zombaria, mas no fundo Augusto tinha mesmo uma impressão de que se algo ruim fosse acontecer ele, e somente ele estaria certo.

Augusto não tinha estabelecido uma relação entre o bilhete misterioso e sua insônia, pois estava no começo de sua vida adulta, fazia pouco tempo que estava morando sozinho e o trabalho andava exigindo bastante dele ultimamente. Vender coisas que não são suas por um preço maior do que os donos pedem para pessoas que nem sabiam que queriam comprar alguma coisa, não parecia e nem era um negócio fácil.

Quando o sol finalmente deixou de iluminar essa parte do globo, Augusto já estava debaixo das cobertas. Tinha comido apenas o necessário, não bebera nada além de água e uma caneca de chocolate quente. Não trabalhou. E como estava confiante resolveu que hoje seria o último dia seguido que passaria acordado.
Rodou várias vezes na cama, antes de tentar a técnica da imobilização corpórea, que consiste basicamente de ficar parado e aproveitar-se do adormecimento dos músculos para tentar dormir. Horas e horas passando e nada. O corpo estava adormecido, mas a cabeça saltava de pensamentos em pensamentos voltado às vezes para o tal bilhete.

Dessa vez não tinha o jogado fora. Guardou numa gaveta na estante da sala. Próximo das cinco da manhã levantou-se e foi pegar o bilhete para tentar obter alguma informação nova.
Encarou. Leu em voz baixa. Leu em voz alta. Amassou. Desamassou. Dobrou de várias formas. Fez até um avião de papel com ele.
Quando o sol ascendeu Augusto finalmente apagou.

Dormiu enquanto o dia durou. Parecia ser o melhor sono de sua vida. Quando acordou estava revigorado, forte, corado, podia até dizer que engordou, mas não chegou a pensar nisso. Resolveu sair um pouco para aproveitar seu novo ânimo.
Desta vez queria ir além do mercado. Queria dar uma volta na cidade. Se pudesse faria uma viagem, mas não queria decidir nada agora. Queria simplesmente dirigir e mais nada.

Saiu no seu carro preto. Cortando as ruas de forma muito responsável, mas com uma dose pequena de ousadia. Fez algumas ultrapassagens arriscadas, mas tudo dentro da lei.
Sua felicidade e disposição eram tanta que mal pode ver o homem atravessando a rua na frente de uma escola. Quando freou era tarde de mais. O corpo do sujeito estava voando e se Augusto não estivesse assustado e confuso demais poderia jurar que viu um sorriso de tranquilidade no rosto do corpo voador.

O som dos freios foi abafado pelos vidros grossos que permaneciam fechados. Ou seu carro era muito resistente, ou a vítima do acidente era feita de papel, pois o carro estava intacto, não fosse o movimento do corpo subindo tal alto e o fato de ter sido ele próprio quem bateu quase não acreditava que o atropelamento realmente havia acontecido.

Já estava próximo do homem, que estava esticado no chão, quando o mesmo se mexeu. É interessante com o simples respirar de um desconhecido pode trazer tanto alívio para alguém. Além do fato de saber que não havia matado o mesmo e consequentemente não precisaria conviver com a ideia de ser um assassino.

- Você está bem? – perguntou Augusto.
- Acho que sim, mas não aguento mais ficar acordado. – respondeu Eduardo.
- Puxa, que bom, quer dizer, acho que sei pelo que está passando acabei de enfrentar quase três dias de insônia. Você quer que eu chame uma ambulância ou algum conhecido? – inquiriu o motorista.
- Se puder ligar pro meu pai, já estaria bom. Acho que ele esta no trabalho então tente ligar do meu telefone esta aqui. – respondeu o atropelado estendendo a mão com o celular engatilhado na chamada.
Augusto concluiu a ligação e enquanto esperava descreveu uns círculos pequenos na frente do moço que agora estava sentado. Entre uma careta e outra, Augusto finalmente disse:
- Acho que ele não pode atender. Posso ficar aqui com você e tentar mais algumas vezes. Como é o seu nome?
- Eu sou Eduardo. E você?
- Augusto.

O motorista confuso esboçou um aperto de mão, mas ao perceber que não seria correspondido, pois Eduardo não fazia contato visual e estava ocupado examinando possíveis ferimentos.
- Quer tentar do seu celular, talvez uma ligação logo em seguida com um número diferente indique a meu pai que preciso dele. – falou o acidentado sonolento.
- Não quer mandar uma mensagem de texto ou um recado pela internet? – sugeriu Augusto.
- Acho, que não, meu pai é meio ignorante nesse tipo de comunicação.

- Tudo bem, então ligaremos para ele do meu telefone.
E fizeram isso por mais algumas vezes até que Augusto decidiu que deveria tomar outro tipo de postura. Achou que era melhor que o acidentado fosse levado ao médico então ele poderia voltar pra casa com a consciência mais tranquila.
Sugeriu que Eduardo se levantasse e fosse com ele até o carro, mas este se encontrava num sono profundo. Então Augusto foi até o carro para pegar uma garrafa de água e ver se estava tudo realmente em ordem com o funcionamento do carro e depois levaria Eduardo até alguma unidade médica.
Achou que era melhor assim do que chamar uma ambulância ou a polícia.

Quando se sentou no banco do carro e verificou o que o funcionamento esta tudo em ordem com exceção do relógio interno do carro que parecia não ter se mexido desde a hora que saiu, logo após o acidente. Ele tinha reparado na hora antes de descer, pois caso precisasse chamar algum amigo para busca-lo queria ter certeza de que não era muito tarde. E realmente não era.
Apenas 20h e 30min. Quando foi pegar a água que estava no porta-luvas esbarrou no bilhete misterioso. E quando ia levantar-se para ir à busca de Eduardo, simplesmente apagou ainda no banco do motorista. Assim sem mais nem menos.

Continua...


Jhon Erik Voese

Título: Capítulo 5 – Augusto o cara que atropelou Eduardo.

Autor: Jhon Erik Voese (todos os textos)

Visitas: 0

3 

Comentários - Capítulo 5 – Augusto o cara que atropelou Eduardo.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios