Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Milionários Acidentais

Milionários Acidentais

Categoria: Literatura
Milionários Acidentais

«Milionários Acidentais» é um livro de Ben Mezrich, editado em 2010 pela Lua de Papel, que conta a história da criação do Facebook. Ao contrário do que se possa pensar, o Facebook nasceu de um crime praticado por dois génios, estudantes universitários, que buscavam a aceitação social. Um deles, Mark Zuckerberg, procurava ser reconhecido através de tentativas comuns, ditas “normais”; o outro, o seu inseparável amigo Eduardo Saverin, pelo contrário, isolava-se no seu mundo informático.

Um dia, Mark Zuckerberg invadiu os servidores da universidade de Harvard e deste pirateio surgiu a concretização da ideia de criar uma rede social na universidade (a ConnectU). O know-how de Mark foi decisivo e o “embrião” do Facebok estava criado, estendendo-se rapidamente a outras universidades. Era o início de um negócio de milhões, originado a partir de uma ideia genial e de um pequeno crime.

«Milionários Acidentais» é uma narração impressionante do momento mágico do nascimento de uma ideia e descreve a feliz sucessão de acasos que ocasionaram uma das maiores fortunas do mundo (actualmente o Facebook tem uma média de 300 milhões de utilizadores e a empresa está avaliada em 15 mil milhões de dólares).

O sonho de sucesso dos jovens empreendedores parecia estar a materializar-se, mas como «não há bela sem senão», as desavenças começaram e foram abrindo caminho ao que havia de constituir a ruptura total, acabando a sua grande amizade na barra dos tribunais.

O Facebook surgiu da necessidade que os seus autores tinham de conhecer outras pessoas, nomeadamente raparigas. Portanto, a história da criação do Facebook engloba genialidade, sexo, dinheiro e traição. Inicialmente, era quase como um concurso de “misses”, cujas fotos eram colocadas on-line e sujeitas a votações por parte dos colegas. Mark pôde perceber a curiosidade e o interesse que os alunos tinham em saber coisas dos colegas e o conceito da rede social nascida em 2004 foi ganhando forma. Os pedidos de amizade sucederam-se e, em 2006, esta comunidade de amigos na Internet estendeu-se aos quatro cantos do globo, mudando a vida dos seus muitos utilizadores.

A trama de «Milionários Acidentais» desenrola-se, ao longo das suas 232 páginas, com ritmo de thriller e está a ser adaptada para cinema, com produção de Kevin Spacey (produtor de «Beleza Americana»), argumento de Aaron Sorkin (que se destacou no filme «Os Homens do Presidente») e realização de David Fincher (cujo trabalho em «Seven» e «Clube de Combate» foi notável).


Maria Bijóias

Título: Milionários Acidentais

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

626 

Imagem por: boite-en-valise

Comentários - Milionários Acidentais

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Imagem por: boite-en-valise

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios