Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Crítica ao livro: “A viagem do elefante”.

Crítica ao livro: “A viagem do elefante”.

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 14
Comentários: 2
Crítica ao livro: “A viagem do elefante”.

Foi em meados do Mês de novembro que recebi o convite mais extraordinário de sempre. O convite era da Editorial Caminho para a apresentação do livro: “A viagem do Elefante” de José Saramago.

Assim, no dia 3 de nezembro de 2008 dirigi-me portanto ao edifício do Centro cultural de Belém. Lembro-me que estava a chover a cântaros e já era quase noite. Entrei no CCB sem saber muito bem para onde me dirigir. No local já se encontrava muita gente mas nem sinais de Saramago. Ele ainda não tinha chegado. Fui encaminhada para o auditório principal onde me instalei no centro de uma fila de cadeiras vermelhas bastante confortaveis por sinal.

Enquanto aguardava a apresentação começar, reparei que até a televisão estava lá, entre figuras publicas e anónimos que passeavam pelo auditório descontraidos e que pareciam estar tão felizes quanto eu. E foi nesse espírito alegre que apareceu Saramago. Vinha com um ar um pouco abatido, um pouco mais magro do que o habitual mas vinha também ele com uma espressão feliz.

Começou a falar calmamente com aquela voz que tanto o caracterizava. Agradeceu a presença de todos os que ali estavam e eu senti subir no meu peito um orgulho imenso de estar ali. Apesar da chuva foram muitos os que estiveram lá presentes. Depois explicou em que consistia o livro. Trata-se de uma viagem que um Elefante Indiano fez desde que fora comprado pela familia Real Portuguesa, mais propriamente pelo Rei D. João III. Há dois anos o animal encontrava-se em Belém e em breve seria oferecido de presente ao primo do rei, o Arquiduque maximiliano da Áustria, em meados do século XVI. A história é interessantíssima do começo ao fim. Apesar de ser uma história bastante simples, guarda grandes questões humanas. Na capa do livro Saramago até escreveu: “Sempre chegamos ao sítio onde nos esperam”. Essas palavras ganham realmente vida depois de conhecer a história de vida de um paquiderme Indiano de nome Salomão, que se tornou Português e que mais tarde viajou para a Áustria para cumprir a sua missão na terra.




Claro que como não podia deixar de ser, tinha de comprar o livro. Este, tem um valor sentimental pelo facto de que Saramago sempre foi para mim uma referência. E continua a sê-lo apesar de não estar por cá em corpo. Apenas as palavras perduram no tempo. Neste momento quero deixar aqui a minha homenagem a este Grande Senhor da língua Portuguesa. Até sempre Saramago, com saudades!


Jovita Capitão

Título: Crítica ao livro: “A viagem do elefante”.

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 14

651 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    21-09-2012 às 20:11:37

    Obrigada pelo seu comentário Daniela Vicente. A mim também me acontece o mesmo. ÀS vezes Penso que vou ler determinado livro e de repente aparece outro com um tema ou assunto mais sugestivo, e o primeiro fica para próximas leituras...

    Cumprimentos,
    Jovita Capitão

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    12-09-2012 às 20:10:18

    bem, tal como com moby dick, eu também ainda não li a viagem do elefante, de José Saramago, mas adorava. conheço a história, pois sem quis ler este livro. mas ainda não tive a oportunidade. surge sempre algum livro mais em voga ou como se costuma dizer, mais na berlinda, e acaba por ficar para trás. eu gosto imenso de José Saramago e quero muito ler mais este livro dele. parabéns pelo tema.

    ¬ Responder

Comentários - Crítica ao livro: “A viagem do elefante”.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Contador de moedas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Material Escritório
Contador de moedas\"Rua
O mundo dos negócios exige um grande dispêndio de energia e muitas horas de trabalho. No entanto hoje já é possível fazer recurso da alta tecnologia para poupar tempo e dinheiro. O recurso às funções do computador para o comércio facilita e atrai muitos clientes para empresas e comerciantes. No que diz respeito a contas é possível fazer uma contagem rápida e eficaz do dinheiro, sem passar horas a contar e com o risco de engano. É por isso que cada vez mais pessoas ligadas a negócios e serviços optam por adquirir um contador de moedas. Deste modo sabem que poupam tempo e não falham na sua contagem.

Dos inúmeros equipamentos que a alta tecnologia põe ao dispor, este é sem dúvida um equipamento que beneficia em muito o trabalho de muita gente. Por ser pequeno é muito cómodo e exige pouco espaço, ou melhor pode ser colocado em qualquer lugar.

Torna-se evidente que as novas tecnologias vieram para simplificar a vida e trazem muitas vantagens, rentabilizam e poupam tempo. No caso do contador de moedas, sem enganos, falhas e complicações. É o ideal para ter num escritório de uma empresa, em escolas, cafés, pastelarias, salões de jogos, bancos, cinema, serviços financeiros e de tesouraria e outros ligados a serviços públicos e privados.

Em resumo, se está ligado a qualquer trabalho de comércio ou serviços pode poupar muto tempo e problemas apenas colocando um equipamento destes no seu espaço de trabalho. As suas vantagens são inúmeras, em especial: permite realizar uma contagem rápida das moedas dividindo-as e fazendo a sua soma, conta o total das moedas, o valor total em cada tipo de moedas e a quantidade de todas as moedas.

Contem e separa no mínimo duzentas e vinte moedas por minuto, sem erro, conta e separa tudo no mesmo equipamento, permite alimentar o aparelho com quantidades entre as trezentas e quinhentas moedas de cada vez e continuar a adicionar mais moedas enquanto está a contar. Além disso o aparelho pode ser programado para separar um número de moedas predeterminado.

O seu design é bastante inovador e resistente. Os materiais de elevada qualidade, de fácil ligação e paragem automática.

Possui uma elevada funcionalidade, baixo consumo (70W), pouco peso, aproximadamente quatro kg, velocidade ultra rápida, pequena dimensão e estão todos certificados pela EU. Deste modo também possuem garantia, são fáceis de usar e de arrumar.

As suas funções práticas permitem que o contador de moedas possa estar em qualquer lugar.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Contador de moedas

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios