Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Capítulo 1 – Em busca de uma história.

Capítulo 1 – Em busca de uma história.

Categoria: Literatura
Capítulo 1 – Em busca de uma história.

Bem [email protected] ao projeto experiência textual diária!
Você está prestes a acompanhar uma saga épica, com muitos originais, que irão enfrentar as mais absurdas e provocantes aventuras.

A ideia é escrever ao menos um capítulo dessa história por dia. Eles estarão indicados pela data no topo do texto. (Está sem barras, mas é dia, mês e ano).
Sem mais linguiças para encher, vamos nessa!

Capítulo 1 – Em busca de uma história.
Eduardo está com muito sono durante a reunião preparatória para o conselho de classe. Estavam sentados em volta de uma mesa grande dentro de uma sala pequena. Ele podia ouvir as pessoas debatendo, mas era difícil manter os olhos abertos.

“Acho que vou fechá-los só um pouco para lubrificação, mas mantenho a atenção com os ouvidos, para não dormir, talvez ninguém perceba.”
A voz do professor de matemática ficou mais clara e Eduardo pode até acompanhar a frase toda:
“Eu acredito que os alunos vão ficar perdidos no meio de tantos professores. Temos que cuidar para que não se assustem.”

A cabeça de Eduardo começou a baixar. E sua respiração ficava lenta e alta.
“É, temos que cuidar para que não vejam nossa bagunça, é isso que o senhor quer dizer, não é? De outra forma como poderíamos cobrar deles o que nem nós conseguimos fazer, que manter uma conversa de adulto, sem ficar de conversas paralelas e risadinhas?”
A voz era da professora de artes, uma jovem recém-formada que se irritava com frequência devido aos comentários desnecessários por vezes machistas, de seus colegas mais velhos.

A cabeça de Eduardo moveu-se rapidamente para baixo e para cima fazendo com que seu corpo liberasse uma leve descarga de adrenalina que o deixou assustado.
“Ohmeudeus! Será que eu apaguei?” pensou.

Observou por um instante que os colegas de trabalho continuavam as conversas, como se nada tivesse ocorrido. Varreu a sala com o olhar e todos pareciam manter suas posições originais de antes da “pescada” que dera o pobre professor de história.

A vice-diretora da escola, responsável pela escola no período noturno, no qual estavam agora, tentava em vão manter o foco da reunião.
“Gente, nós temos que estruturar melhor esse projeto do conselho, senão não adianta nem convocar os alunos.”
“Por mim podia deixar do jeito que tá, nós vemos que merece passar e passamos, não sei por que ficar inventando moda desse jeito”. O comentário veio da boca velha e debochada da professora de Química.

Eduardo quis comentar alguma coisa com relação a isso, pois ele tinha sido um dos apoiadores da ideia de ter alunos participando do conselho de classe, desde o início. Nada mais justo que o professor de História fosse a favor de trazer um pouco mais de democracia para seus pequenos gafanhotos.

“Professora, a senhora está equivocada com esse pensamento” rompeu a voz da vice-diretora atropelando qualquer fala de Eduardo.
“A ideia é trazer os alunos para participar, pois estamos mudando a forma como a escola se posiciona com relação ao ensino de forma geral. Não podemos ficar pensando apenas nos mesmos métodos. Foi pra isso que convocamos essa reunião. Temos que pensar um método diferente, pois se ficarmos reafirmando velhos costumes, nós só vamos perder tempo.”

“Tudo bem Diretora, eu sou estou expondo o meu ponto de vista, não quero me abster desse direito. Cada um pode dizer o que pensa não é?”
A cabeça de Eduardo queria explodir nesse momento e, por incrível que pareça, não era pelo comentário maluco da professora de Química.

“Sim, mas nós como educadores temos que rever o nosso modo de pensar, se queremos viver numa sociedade mais justa.” Finalizou a vice.
As vozes dos outros professores iam misturando-se umas às outras e se tornavam a cada segundo mais graves. Parecia que Eduardo tinha enfiado a cabeça num balde de água.
“Preciso sair daqui. E tem que ser agora.”
A mesa grande não comportava todos os professores que participavam da tentativa de reunião, por isso havia uma segunda roda de cadeiras espalhadas atrás das cadeiras que rodeavam a mesa. Também havia alguns professores em pé, próximo às garrafas de chá e café.

O professor sonolento esgueirou-se pelos joelhos e pernas dos seus colegas e avançou para a rodinha do chá e café.
Passou por eles também e quase esbarrou no professor de geografia que ocupava muito espaço na sala e ainda por cima vestia uma jaqueta de couro com fivelas e outros adereços, fazendo dele um obstáculo nível hard para o professor zumbi.

As vozes ficaram para trás quando ele finalmente deixou a sala dos professores. Teve que sair pela biblioteca que era anexa, pois queria evitar passar pela secretaria. Era um dia sem aula então não havia alunos por ali.
Deu a volta no bloco administrativo e em poucos passos estava no portão.

Saiu cambaleante pela rua e não conseguiu ver o carro preto que avançava em alta velocidade jogando para o alto. No momento em que alçava voo um último pensamento ainda passou pela sua cabeça.
“Acho que ninguém vai reparar se eu dormir um pouquinho agora...”

Continua...


Jhon Erik Voese

Título: Capítulo 1 – Em busca de uma história.

Autor: Jhon Erik Voese (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Capítulo 1 – Em busca de uma história.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios