Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > Mini Cabrio o carro ideal

Mini Cabrio o carro ideal

Categoria: Automóveis
Comentários: 2
Mini Cabrio o carro ideal

No vasto mercado automóvel, a escolha constitui, por vezes, um problema de resolução complexa e demorada… ou não, se for o caso do novo Mini Cabrio. Se é uma pessoa dinâmica, bem-disposta e que gosta de aproveitar ao máximo aqueles dias ensolarados e passear por locais turísticos de Portugal, usufruindo tanto quanto possa da Natureza, dos sons, dos cheiros, da luz, então a melhor solução é mesmo o Mini Cabrio.

E porquê este automóvel, esta marca e não outra qualquer? Fique, para já, sabendo que o actual Mini, fabricado pela BMW, é inspirado nos antigos modelos produzidos pela BMC, cuja produção teve início há mais de cinco décadas (1958, mais precisamente). Os primeiros Minis surgiram como resposta ao primeiro choque petrolífero ocorrido em 1956, com Nasser a encerrar o Canal do Suez e a impedir a exportação de petróleo para a Europa. O que chegava era escasso e importado através da Síria, que o remetia em navios ao longo da costa africana. Era, pois, necessário economizar, e daí até ao Mini foi só um passo. Escusado será dizer que as vendas foram um sucesso por toda a Europa e o pico foi atingido em 1971, com mais de trezentos mil veículos fabricados e vendidos.

Ora, o modelo actual, apesar de fabricado por outra marca, a BMW (de qualquer forma, sinónimo de elevados padrões de qualidade e exigência), segue ainda a mesma linha economicista, aliada a uma potência, segurança e aerodinamismo nunca antes vistos. O novo motor, 1.6, permite um consumo de 4 litros aos 100, o que, no mercado actual, é altamente competitivo; estes consumos são também auxiliados pela flexível caixa de velocidades (com seis mudanças) e pela retirada de peso do carro – é agora mais leve 10 quilos. A juntar a isto, o sistema Stop&Start permite que o motor se desligue automaticamente durante congestionamentos de trânsito ou em sinais luminosos. De lembrar ainda que este simpático carrinho atinge velocidades de 222 kms/h. O habitáculo vem equipado com barras laterais (recolhidas) que, em caso de capotamento, se elevam em milésimos de segundo, protegendo os ocupantes do carro. Em termos de segurança, este modelo vem ainda equipado com freios regenerativos. O modelo é aerodinâmico e permite uma condução a 120 kms/h sem que haja lugar a sacudidelas, bem como permite conversar ou ouvir rádio sem que haja necessidade de altos berros. O novo modelo alargou ainda a bagageira e a capota, quando recolhida, desaparece completamente na traseira, o que aumenta a visibilidade do condutor.

Portanto, já sabe: em dias de sol – e mesmo de neve (a BMW é alemã) – aventure-se a abrir a capota (que recolhe em 15 segundos) e desfrute da Natureza com todo o conforto.

Isabel Rodrigues

Título: Mini Cabrio o carro ideal

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 0

640 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 03:57:40

    Esse mini cabrio deve ser bem legal, além de um charme de carro.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • portugaltopcarsportugaltopcars

    15-06-2012 às 00:00:27

    temos disponivel mini cooper s cabrio para aluguer no Porto e em Lisboa
    reserve ja
    www.portugaltopcars.com

    ¬ Responder

Comentários - Mini Cabrio o carro ideal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios