Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > Como saber se o combustível foi adulterado

Como saber se o combustível foi adulterado

Categoria: Automóveis
Visitas: 16
Comentários: 2
Como saber se o combustível foi adulterado

A gasolina ou álcool adulterado representa lucratividade para o vendedor, prejuízo para o consumidor e traz várias consequências negativas para o veículo. Entende-se por combustível adulterado todo aquele combustível que não se enquadra nos padrões legais, possuindo mais solventes ou álcool do que a lei permite. Muitos postos de combustíveis não respeitam a lei e isso garante aos donos uma boa rentabilidade. Contudo a adulteração de combustível é crime e deve ser denunciada. Para detectar a adulteração são necessários fiscais e laboratórios especializados visto que especificamente a adulteração de gasolina é difícil de ser verificada. A demanda de postos de combustíveis é muito grande em determinados locais o que gera maior dificuldade no controle e na fiscalização. O mais indicado ao consumidor é procurar as grandes redes que são mais confiáveis e mais comumente vistoriadas.

Diante desse contexto é bastante relevante saber sobre os “sintomas” do uso de combustíveis adulterados. Um dos fatores mais facilmente detectados quando combustíveis adulterados são utilizados é o consumo aumentado n o veículo sem motivos. Além disso, um indicativo forte de que algo está errado é o desempenho do motor, que piora principalmente em subidas. Outras características de automóveis que estão usando combustível adulterado são: a dificuldade de dar partida e as paradas do carro em sinaleiras ou no trânsito. A médio e longo prazo há um desgaste do motor, ocasionando prejuízo no desempenho e na vida útil de suas peças. Motor falhando e perda na potência do carro são, também, grandes indícios de combustível adulterado. A aceleração do carro fica mais lenta, há irregularidade na marcha lenta entre outros sintomas.

Utilizando esse tipo de combustível o consumidor se prejudica de várias maneiras, pois além de gastar mais em combustível devido ao aumento no consumo do automóvel, provavelmente também gastará mais na manutenção do carro, visto que é provável que o uso contínuo desse tipo de combustível ocasione problemas no automóvel tendo este que ir à conserto. Isso sem mencionar o risco de possíveis acidentes em virtude dos vários defeitos que esse uso pode ocasionar.

Dentre esses defeitos estão: o entupimento da bomba de gasolina, o derretimento das mangueiras de combustível, carburador entupido, a poluição do óleo lubrificante, o aumento da carbonização das velas e válvulas, a corrosão do sistema de injeção eletrônica e o acúmulo de resíduos na parte interna do motor. Em carros especificamente movidos à álcool, os prejuízos ainda podem ser maiores com o derretimento além das velas e válvulas, também da cabeça dos pistões. Para acabar com o problema é preciso limpar o tanque, os bicos injetores e trocar as mangueiras e os filtros de combustível.

Diante do exposto, fica claro que cuidados devem ser tomados na hora de abastecer. Preços muito baixos, assim como grandes diferenças em relação à preço em locais diferentes de uma mesma região devem gerar certa desconfiança no consumidor. Abastecer sempre no mesmo posto é uma dica para se ter maior confiança. Pedir a nota fiscal também é um bom procedimento para garantir a prova da procedência do combustível. Também é importante observar o consumo do carro no mesmo trajeto em momentos diferentes para verificar se não há nenhum aumento repentino de consumo.

Em caso de desconfiança o indicado é denunciar para as devidas fiscalizações legais. Há serviços de atendimento ao consumidor via telefone ou internet em que se pode saber dos preços do combustível em diferentes localidades. É possível também saber que postos já tiveram reclamações quanto à adulteração de combustíveis. Verificar o controle de qualidade do estabelecimento é bastante relevante. No próprio local, caso desconfie, o consumidor pode pedir um teste do combustível. Pela lei o posto deve disponibilizar e realizar esse teste. Caso se negue a fazê-lo, também deve ser denunciado.


Rosana Fernandes

Título: Como saber se o combustível foi adulterado

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 16

780 

Imagem por: crabchick

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Pedro HP

    26-11-2012 às 18:18:46

    Boa orientação! Vale constar uma coisa: não é garantia de que grandes redes de postos são seguras. Uma amiga teve o motor do seu carro fundido devido a combustível adulterado e segundo ela só abastecia nos postos Ale. Sugiro que sempre ao abastecer guardar o comprovante.

    ¬ Responder
  • José Ataliba SilvaJosé Ataliba Silva

    23-06-2012 às 21:13:54

    Semana passada a Unicamp, uma das maiores universidade da america latina, divulgou o lançamento de um aparelho para uso em postos, realiza o teste de qualidade em menos de um minuto, abastecer onde tem o aparelho é uma saída. http://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2012/06/13/empresa-graduada-na-incamp-lanca-tecnologia-no-inovacampinas

    ¬ Responder

Comentários - Como saber se o combustível foi adulterado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Imagem por: crabchick

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios