Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > O carro que vive do ar

O carro que vive do ar

Categoria: Automóveis
Visitas: 2
Comentários: 1
O carro que vive do ar

Ter automóvel próprio e utilizá-lo nas deslocações diárias, não só é prático como bastante cómodo. O pior, é a dolorosa conta a pagar cada vez que se abastece o depósito. Quer seja movido a gasóleo ou a gasolina, nos dias de hoje, ter carro é quase considerado um luxo! Já para não falar em termos ecológicos e da degradação que vamos provocando no nosso planeta pelo recurso constante às fontes energéticas naturais. O ideal era possuir um carro que poluísse pouco, que fosse igualmente prático e bastante económico!

O AirCar está muito próximo dessa utopia! É pequeno, não polui e, principalmente, não utiliza qualquer derivado do petróleo… espante-se, apenas utiliza Ar comprimido! O AirCar é produzido pela Tata Motors e o seu funcionamento nada tem de especial. Na realidade, é bastante simples: continua a utilizar pistons, como os actuais carros a explosão.

O projecto prevê a produção de apenas 10 000 unidades anuais, estimando-se que o seu preço ronde os 17 800 doláres americanos. O abastecimento de 340L de ar comprimido custará dois dólares, permitindo percorrer 1000Km a uma média de 100Km/h.

São diversas as vantagens que apresenta face a um carro comum:
- os custos envolvidos na produção de ar comprimindo são inferiores aos praticados pela actual indústria de combustíveis;
- o ar é abundante, económico, transportável, armazenável e, acima de tudo, não poluente;
- a tecnologia envolvida na utilização de ar comprimido reduz os custos da produção de veículos em 20%, por não ser necessário a instalação de um tanque de combustível, sistema de refrigeração e silenciadores;
- o ar não é inflamável;
- o design mecânico do motor é simples e robusto;
- os carros não vão desenvolver danos de corrosão resultantes do envelhecimento da bateria;
- menores custos de manutenção e mão-de-obra;
- os tanques utilizados num motor a ar comprimido são descartáveis, reutilizáveis, menos contaminantes e mais douradouros que as baterias.

Bastantes vantagens, não é? Conseguir ter um veículo em tudo semelhante ao nosso actual, mas mais económico e menos poluente? Dá imensa vontade de adquirir um, depois de conhecer tantas e tão boas vantagens.

Os avanços tecnológicos prosseguem, cada vez mais céleres e sempre mais económicos e ecológicos. Só temos de estar atentos e mentalizados que o futuro está próximo e rapidamente será presente!



Cláudia Bandeira

Título: O carro que vive do ar

Autor: Cláudia Bandeira (todos os textos)

Visitas: 2

639 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 06:06:33

    Genial! O carro que vive no ar...bárbaro!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - O carro que vive do ar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios