Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > TV HIFI > Os filmes de Charlie Chaplin

Os filmes de Charlie Chaplin

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: TV HIFI
Visitas: 4
Comentários: 1
Os filmes de Charlie Chaplin

Todos o conhecemos e estamos de acordo que este extraordinário ator Inglês revolucionou o cinema mudo a nível mundial. Charlie Chaplin marcou a era do Ouro do Cinema Mudo e depois dele só o termo do cinema mudo alterou a forma como se viam filmes.

Sir Charles Spencer Chaplin, Jr nasceu em Londres a 16 de abril de 1889 e conheceu de perto a pobreza que assombrou a sua infância. Filho de pais separados, confrontou-se muito precocemente com a instabilidade emocional da sua mãe que acabou por falecer em 1928 internada num manicómio.

Ainda criança, com apenas 7 anos, Charlie via-se a braços com o desemprego da sua mãe e consequentemente a fome.

Aos 11 anos consegue um papel na peça Cinderela no “London Hippodrome” e conhece a sua maior ambição. Ser ator. Se o chamado bichinho tinha nascido com apenas 5 anos quando a sua mãe o ensinava a representar e a cantar em casa, foi aos 11 que conquistou as suas próprias certezas.

Muitas outras peças se seguiram e em 1912 viajou com os seus sonhos até aos Estados Unidos da América onde lutava para se destacar num papel que o lançasse para o estrelato Americano.

Com dificuldades na adaptação aos filmes “made in América”, Charlie Chaplin foi apresentado a Mack Sennet, que o contratou para os seus estúdios “keystone film company”.

Com todo o carisma que lhe era característico, Chaplin criou a maior personagem cinematográfica de todos os tempos. O Charlot! De chapéu de coco, bengala e pés arremessados para os lados, este personagem aparentemente trapalhão, mostrava uma inteligência e esperteza invejáveis. Com um ar apalermado, este personagem demonstrava na perfeição o quanto iludem as aparências.

Os filmes de Charlot fazem rir até à exaustão e malandrice que acompanha este tão extraordinário personagem tornam-no único.

Para uma tarde chuvosa de Domingo ou até mesmo para uma noite entre amigos, aconselha-se “O Vagabundo”, onde mais uma vez Charlie Chaplin nos oferece a perícia de um mendigo que consegue ultrapassar muitas e muitas barreiras, inclusive as do amor.

Morreu no dia de Natal do ano 1977, depois de ter criado uma fortuna extraordinária, ter casado por 5 vezes, ter criado o seu próprio estúdio cinematográfico (United Studios), e ter partilhado as suas obras com o grande público.

Vencedor de centenas de prémios, obras como “O Grande ditador” (uma afronta a Adolf Hitler), “Tempos Modernos” (demonstra os seus ideias Marxistas), “Luzes da Cidade”, “The Circus”, entre muitos, muitos outros.

Morreu aos 88 anos na Suiça, deixando não só um dos mais fantásticos personagens de todo o sempre (Charlot), mas também uma das melhores frases de todos os tempos:
“A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.” Charlie Chaplin


Carla Horta

Título: Os filmes de Charlie Chaplin

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 4

806 

Imagem por: Matti Mattila

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    04-06-2014 às 06:33:05

    São boas lembranças que tenho de Charlie Chaplin, ele sempre foi muito engraçado e divertido. Nunca esqueço também uma de suas frases, que diz: "Um dia sem sorrir, é um dia desperdiçado"
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Os filmes de Charlie Chaplin

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Matti Mattila

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios