Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Conheça A Diversidade Cultural De São Paulo

Conheça A Diversidade Cultural De São Paulo

Categoria: Viagens
Visitas: 16
Comentários: 5
Conheça A Diversidade Cultural De São Paulo

O Estado de São Paulo é o centro financeiro do Brasil. Tudo passa pela cidade que, por sinal, é a quinta maior do mundo.

Com cerca de 12 milhões de habitantes, a diversidade corre solta por todos os lados. São dezenas de museus, parques, shoppings, feiras e PUBs de diferentes estilos em toda a cidade.

Dentre os museus é possível encontrar aqueles destinados a contar a história do país, do estado ou de municípios. Outros são mais específicos, como o Museu da Arte e do Som, que mostra a evolução da vitrola e dos filmes em preto e branco até as mais modernas tecnologias; o Museu do Futebol, que conta a história da paixão nacional e o Museu da cultura judia.

A cidade conta com um reduto de italianos e seus descendentes na zona oeste e um bairro só de japoneses na região central. Além disso, a cultura paulista é influenciada também por famílias portuguesas que vieram para o país ainda no período colonial.

Quem passa pelas ruas de sampa não pode deixar de notar o clima dinâmico entre seus moradores, algo bem parecido com as ruas de Nova York. Como as pessoas estão sempre com pressa, as refeições rápidas são um grande sucesso.

Não deixe de experimentar o melhor Hot Dog do país, onde você encontrará no recheio: queijo, bacon, salshichas vinagrete, cheddar, maionese, katchup, mostarda, batata palha, purê e muito mais.

Com uma população apaixonada pela gastronomia árabe, diversos restaurantes investem em pão sírios, esfihas e muito mais. Alguns estabelecimentos são especializados em culinária de países específicos, como os de comida libanesa ao som de música pop libanesa.

Quase todos os finais de semana existem apresentações culturais de diversos países. Essas apresentações se dividem entre música, teatro, mostra de cinema, work shops e muito mais. Alguns possuem realização oficial patrocinada pela prefeitura ou estado e outras são de caráter independente, onde os artistas escolhem um lugar e fazem suas apresentações.

Essa mistura de culturas é vista também nas universidades públicas, que recebem centenas de intercambistas todos os anos. Destaque especial para a USP - Universidade de São Paulo - que possui diversos programas culturais para os alunos e também aberto ao público em geral, dependendo do tema e duração dos eventos.

Ao viajar para São Paulo, se prepare, pois encontrará uma diversidade fantástica de culturas, gastronomia e lazer.


Syl Polanski

Título: Conheça A Diversidade Cultural De São Paulo

Autor: Syl Polanski (todos os textos)

Visitas: 16

442 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Kizua UriasKizua

    29-09-2014 às 14:31:43

    São Paulo é bem agitado devido a essa diversidade não apenas cultural, mas porque é possível fazer compras, participar de eventos grandes e ir a negócios.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMayra

    26-09-2014 às 21:23:50

    São Paulo, a terra da garoa.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãorita

    23-09-2014 às 22:34:36

    Conheça A Diversidade Cultural De São Paulo muito bom, pode me informar de portugal para ir visitar são paulo qual a melhor altura do ano?

    ¬ Responder
  • Syl PolanskiSyl Polanski

    24-09-2014 às 14:17:43

    Rita, só complementando meu comentário anterior, se quiser obter mais informações sobre as datas comemorativas no Brasil e demais assuntos relacionados a cultura brasileira, indico o site mybrazilianculture.tk
    Abraços.

    ¬ Responder
  • Syl PolanskiSyl Polanski

    24-09-2014 às 14:11:45

    Olá, Rita.
    Visitar São Paulo vai mais da sua preferência. Entre fevereiro e março (cada ano ocorre em um dia diferente) ocorre o carnaval. Se você não gosta de badalação, gente alcoolizada e semi nua nas ruas (muitas saem nuas nos blocos de carnaval), então essa não é uma boa época. Mas tem o carnaval de Salvador, que é mais comportado, mas é mais caro também, porque você precisa comprar um abada para assistir os blocos do camarote. Nas ruas fica só o povão e acaba sendo perigoso porque alguns meliantes se aproveitam para fazer arrastão em meio à multidão.

    No mês de junho ocorrem as festas juninas. Elas são influenciadas pelos portugueses por conta do catolicismo. O Brasil é um país laico, onde o protestantismo é a religião que mais cresce todos os anos, mas no âmbito cultural a influência envolvendo nomes de santos é grande. Durante essas festas, as pessoas se vestem de caipira, ocorrem quadrilhas nas escolas e quermesses. Shows de música sertaneja estão presentes nas festas de maior repercussão. As comidas são típicas e bem brasileiras, como pé de moleque, milho assado, quentão (é tipo cachaça só que feita com gengibre, o que a torna ainda mais forte), pinhão, entre outros.
    Entre maio e junho ocorre uma festa gastronômica portuguesa no país. Geralmente sua maior repercussão é no estado de Minas Gerais, mas o cronograma de onde haverá a festa fica disponível na internet.

    Em junho também ocorre a Marejada, que é uma festa tradicional portuguesa que costuma ocorrer no sul do país e que tem o melhor da gastronomia de pescados.

    Se gosta de futebol, entre a segunda quinzena de janeiro e primeira de dezembro ocorrem diversos campeonatos com os principais times brasileiros.

    Em novembro, ocorre a última corrida da Fórmula 1 em São Paulo. De novembro a fevereiro o clima é muito quente em quase todo o país. Nessa época ocorrem às chuvas de verão, as mais fortes. O verão dura de dezembro a fevereiro. No inverno é que dá para conhecer melhor a diversidade climática, pois no sul chega a nevar, enquanto no sudeste e nordeste costuma estar um calor muito forte com clima seco e no norte o clima úmido se reveza entre calor e muita chuva.

    ¬ Responder

Comentários - Conheça A Diversidade Cultural De São Paulo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios