Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Guia de Viagem a Maldivas

Guia de Viagem a Maldivas

Categoria: Viagens
Comentários: 5
Guia de Viagem a Maldivas

Um dos mais atraentes pontos turísticos no Oceano Índico é Maldivas. Está bem localizado ao sul do continente asiático, na linha do Equador e com mais de 1.100 ilhas. Sempre com belas paisagens, um mar azul cristalino, com um clima tropical e úmido.

Um lugar exótico, diferenciado e que permite muitos passeios inesquecíveis para os turistas. Para quem adoraria saber como é a sensação de comer num restaurante embaixo d’água, vai poder usufruir dessa experiência sensacional no restaurante Ithaa na companhia dos peixes, arraias e até tubarões.

O turismo em Maldivas é bem expressivo e não faltam lugares para passar os melhores momentos com amigos, familiares, namorados e inclusive, passar a Lua de Mel.

O que fazer
Maldivas é um lugar encantador! Tem os mais belos lugares para visitar e conhecer para períodos curtos ou longos. Não faltam opções de lazer, entretenimento e relaxamento em toda a viagem, seja para quem vai a dois ou com um grupo de pessoas. Há opções de mergulho, muita areia e praia de águas azuis e cristalinas. Conheça alguns dos locais bem interessantes e que não podem faltar nesse roteiro turístico!

História e cultura
A história de Maldivas bem como sua cultura tem como influência o continente asiático como o Sri Lanka e também com os africanos. Tanto que a música africana ficou registrada dentro desse povo até hoje. O que mais predomina em todo o país é a religião islâmica, que fica visível nos grandes monumentos e são repletos de tradições. É um país menos populoso de toda a Ásia e que tem 26 atóis espalhados por toda a região.

Bares e vida noturna
Aproveitar a vida noturna agitadíssima e os bares em Maldivas é algo bem convidativo. Afinal, toda essa linda paisagem vista e sentida do fundo do oceano é o que ele oferece a todos: uma experiência única e inesquecível! Sem dúvida, vale a pena conhecer a primeira casa noturna subaquática por nome de Subsix localizado nas Ilhas Maldivas. Também é possível desfrutar de outros lugares na capital de Maldivas que se chama Malé. Tem ótimos restaurantes, Spas e bares com muita gente e com toda segurança pelas ilhas e atóis.

Onde comer
Tem vários lugares que os turistas podem usufruir de uma boa gastronomia em Maldivas. Aqueles restaurantes no fundo mar são excelentes, mas para quem não tem como ir, pode degustar da culinária e do ambiente sensacional pelos lugares do centro da cidade e aos redores também das ilhas.

Onde fazer compras
Um paraíso de compras que cada pessoa tem nos centros de Maldivas. Desde eletrodomésticos, joias, relógios, itens de muito luxo e uma infinidade de produtos com preços que merece levar para casa. Nada melhor que aproveitar as compras em Malé.

Quando viajar para Maldivas
Maldivas tem um período bem quente com aproximadamente 30° C e 31° C onde o ar é úmido, mas devido a brisa do mar, o lugar acaba ficando bem refrescante. A melhor época para uma viagem em Maldivas compreende entre os meses de dezembro a abril.


Rua Direita

Título: Guia de Viagem a Maldivas

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoHugo

    19-04-2014 às 11:54:35

    Gostei muito de saber sobre a história e a cultura das Maldivas, nossa família foi lá há 2 anos e adoramos. É um lugar de sonhos fazer uma viagem dessas, recomendo definitivamente - viagem a Maldivas

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    19-04-2014 às 19:14:35

    A Rua Direita agradece a sua colaboração no comentário. Volte mais vezes!!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoJunina

    19-04-2014 às 11:26:19

    Adorei o Guia de Viagem a Maldivas , eu quero ir, muito atrativo, depois de ler agora adorava ver um vídeo , existe algum vídeo das Maldivas que vocês sugerem?

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    19-04-2014 às 19:13:15

    A Rua Direita agradece e sugere que acesse este link para ver o vídeo sobre Maldivas, um lugar muito bonito e encantador:





    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoJunina

    20-04-2014 às 01:45:43

    Obrigado. Agora Vou marcar viagem Maldivas.

    ¬ Responder

Comentários - Guia de Viagem a Maldivas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios