Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > O que precisa saber para viajar para Taiwan

O que precisa saber para viajar para Taiwan

Categoria: Viagens
Comentários: 1
O que precisa saber para viajar para Taiwan

Vai viajar para Taiwan? Então está no sítio certo. A seguir listamos tudo o que precisa saber.


Documentação necessária?

Passaporte – Se ainda não tiver deverá apresentar-se junto do SEF, IRN ou, nos Governos das Regiões Autónomas dos Açores e Madeira. Se reside no estrangeiro, deverá solicitá-lo junto da autoridade consular portuguesa da área de residência. Só precisa de apresentar o Bilhete de Identidade ou o Cartão de cidadão. Para os menores, além do BI/CC, é também necessária a comparência do representante com o respetivo Bilhete de Identidade/ Cartão de Cidadão/ Passaporte/ outro documento identificativo oficial, com nome completo e fotografia, de quem exerce as responsabilidades parentais ou tutela e, um documento comprovativo do exercício das responsabilidades parentais ou tutela, emitido há menos de seis meses, quando aplicável.

Mais informações em http://www.pep.pt/PagesPT/Passaportes/PEP/PEP2.aspx

Com o passaporte válido, o visto de turista é grátis por 90 dias.


Custos?

Comparando com o Japão, Taiwan é um país barato para viajar, especialmente no transporte e nas entradas para locais de lazer. Pode-se dizer que que viajar para Taiwan não sai muito caro.

A moeda oficial é o Taiwan New Dollar (TWD). A conversão é EUR 1 = TWD 34,50. Podem verificar aqui o câmbio ao dia.



Transporte?

Metro – O preço do bilhete varia entre os TWD 15 e os TWD 50.

Autocarro – O preço do bilhete custa TWD 15 e as estações estão bem sinalizadas.

Comboio - O preço do bilhete varia entre os TWD 68 e os TWD 650. Esta é a melhor opção pois a linha circunda a ilha quase por completo. Mais informações aqui http://www.railway.gov.tw/en/

Tanto para o metro como para os transportes coletivos existe um cartão, o easy card, que dá descontos e pode ser pedido nas principais estações de metro.


Alojamento?

A dormida em pensões anda à volta de TWD 500 por pessoa. Um quarto duplo sobe para os TWD 1500, mais ou menos. Num resort o preço pode subir até aos 6500 dólares taiwaneses por noite.


Comida?

Pode comer num take-away a partir de TWD 40. Não espere um almoço/jantar de honra mas para quem tem um orçamento apertado é a melhor solução. Também há restaurantes luxuosos de cozinha tradicional chinesa. Se preferir pode ir a um restaurante de cozinha americana, francesa, alemã, italiana, entre outros, ou então às cadeias de fast-food internacionais como o McDonalds, Kentucky, etc. Estão por todo o lado. Atenção que o hábito ocidental da gorjeta é totalmente desconhecido em Taiwan. Se não sabe usar os pauzinhos chineses para comer é melhor habituar-se, tirando a sopa, praticamente toda a comida se come assim. De todas as maneiras pode sempre pedir um garfo e uma colher, nunca uma faca pois é considerada uma arma.

Segurança?

Assaltos e roubos são muito raros, as pessoas andam nas ruas descontraídas, de mochilas abertas, com as carteiras visíveis e não acontece nada. Claro que existem as exceções. Os sítios mais propícios a assaltos são os mercados noturnos e mesmo assim são muitíssimo raros.

O maior perigo encontrado em Taiwan é a mota. São muitas, estão por todos os lados e além disso estacionam nos passeios, local que deveria ser só para peões. Olha sempre para os lados e se vir uma mota em contra mão não se assuste, é muito recorrente acontecer.


Vacinação?

Não há nenhuma vacina obrigatória, nem mesmo a da febre amarela.


Comunicação?

O inglês é a língua estrangeira mais utilizada a seguir à sua língua nativa. Quase toda a gente tem um nível alto de inglês. Nas pequenas aldeias a comunicação torna-se mais difícil mas encontra-se sempre um jeito de dar a volta.

Internet?

Todos os hotéis têm rede wireless e nas grandes cidades existem locais com wi-fi gratuita. Para aceder à rede gratuita deverá dirigir-se a um Centro de Informação ao Visitante e pedir o nome de usuário e a senha. Aqui pode ver todos os locais com wi-fi gratuita.


Taiwan é um país fácil para viajar, onde a hospitalidade e a simpatia não faltam, por isso, com certeza, será uma viagem que ficará na memória para sempre. Boa viagem!


Samanta Pires

Título: O que precisa saber para viajar para Taiwan

Autor: Samanta Pires (todos os textos)

Visitas: 0

2 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Adriana SantosAdriana Santos

    03-08-2015 às 18:09:16

    Gostei demais das opções de dicas pra viajar a Taiwan. Certamente, o lugar deve ser inesquecível! Valeeeuuu!
    www.escritoraadriana.com

    ¬ Responder

Comentários - O que precisa saber para viajar para Taiwan

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios