Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > Um presidente que não queria luxos.

Um presidente que não queria luxos.

Categoria: Biografias
Visitas: 8
Um presidente que não queria luxos.

José Alberto Mujica Cordano, mais conhecido como Pepe Mujica, foi o presidente do Uruguai de 2010 até março de 2015, e se tornou extremamente famoso em seu mandato, pelo seu modo diferente de governar o país.

Mujica sempre se mostrou crítico à sociedade consumista que domina a maior parte do mundo, buscando uma vida simples. No lugar da morada luxuosa destinada aos presidente uruguaios, Mujica decidiu morar em uma chácara bem simples, dando continuidade à sua vida de agricultor.

Além disso, o ex-presidente uruguaio doava de 70% a 90% de seu salário para instituições de caridade e brincava, dizendo que a sua esposa que sustentava os dois. Desta forma, Pepe Mujica manteve a coerência de seu discurso, mantendo até mesmo um fusca como seu meio de transporte.

Mas a polêmica em torno de Mujica não para por aí. O ex-presidente também aprovou leis que despertaram o amor de uns e o ódio de outros, como a legalização da maconha, a descriminalização do aborto e aprovou o casamento igualitário, se tornando odiado pelos conservadores e religiosos e, ao mesmo tempo, um herói, para aqueles que idealizavam essas medidas há tempos.

Chamado por outros líderes internacionais de "o presidente mais pobre do mundo", Mujica discorda. Para ele, ele apenas vive de uma maneira que "as coisas não consigam roubar sua liberdade", como ele mesmo diz. Ex-guerrilheiro na época da ditadura que o Uruguai viveu e declaradamente contra o capitalismo, ele defende um modo de viver desprendido das coisas materiais, simples e livre.

"Ou você é feliz com pouco, com pouca bagagem, porque a felicidade está dentro de você, ou você não consegue nada. Isso não é uma apologia da pobreza, mas da sobriedade. Só que inventamos uma sociedade de consumo, e a economia tem que crescer, porque senão acontece uma tragédia. Inventamos uma montanha de consumo supérfluo. Compra-se e descarta-se. Mas o que se gasta é tempo de vida. Porque quando você compra algo, você não paga com dinheiro. Você paga com o tempo de vida que teve que gastar para ter este dinheiro. O argumento é diferente. A única coisa que não se pode comprar é a vida. A vida só se pode gastar. E é lamentável desperdiçar a vida." - Pepe Mujica


Cleiton Lopes Pereira

Título: Um presidente que não queria luxos.

Autor: Cleiton Lopes Pereira (todos os textos)

Visitas: 8

0 

Comentários - Um presidente que não queria luxos.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios