Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > Um presidente que não queria luxos.

Um presidente que não queria luxos.

Categoria: Biografias
Visitas: 8
Um presidente que não queria luxos.

José Alberto Mujica Cordano, mais conhecido como Pepe Mujica, foi o presidente do Uruguai de 2010 até março de 2015, e se tornou extremamente famoso em seu mandato, pelo seu modo diferente de governar o país.

Mujica sempre se mostrou crítico à sociedade consumista que domina a maior parte do mundo, buscando uma vida simples. No lugar da morada luxuosa destinada aos presidente uruguaios, Mujica decidiu morar em uma chácara bem simples, dando continuidade à sua vida de agricultor.

Além disso, o ex-presidente uruguaio doava de 70% a 90% de seu salário para instituições de caridade e brincava, dizendo que a sua esposa que sustentava os dois. Desta forma, Pepe Mujica manteve a coerência de seu discurso, mantendo até mesmo um fusca como seu meio de transporte.

Mas a polêmica em torno de Mujica não para por aí. O ex-presidente também aprovou leis que despertaram o amor de uns e o ódio de outros, como a legalização da maconha, a descriminalização do aborto e aprovou o casamento igualitário, se tornando odiado pelos conservadores e religiosos e, ao mesmo tempo, um herói, para aqueles que idealizavam essas medidas há tempos.

Chamado por outros líderes internacionais de "o presidente mais pobre do mundo", Mujica discorda. Para ele, ele apenas vive de uma maneira que "as coisas não consigam roubar sua liberdade", como ele mesmo diz. Ex-guerrilheiro na época da ditadura que o Uruguai viveu e declaradamente contra o capitalismo, ele defende um modo de viver desprendido das coisas materiais, simples e livre.

"Ou você é feliz com pouco, com pouca bagagem, porque a felicidade está dentro de você, ou você não consegue nada. Isso não é uma apologia da pobreza, mas da sobriedade. Só que inventamos uma sociedade de consumo, e a economia tem que crescer, porque senão acontece uma tragédia. Inventamos uma montanha de consumo supérfluo. Compra-se e descarta-se. Mas o que se gasta é tempo de vida. Porque quando você compra algo, você não paga com dinheiro. Você paga com o tempo de vida que teve que gastar para ter este dinheiro. O argumento é diferente. A única coisa que não se pode comprar é a vida. A vida só se pode gastar. E é lamentável desperdiçar a vida." - Pepe Mujica


Cleiton Lopes Pereira

Título: Um presidente que não queria luxos.

Autor: Cleiton Lopes Pereira (todos os textos)

Visitas: 8

0 

Comentários - Um presidente que não queria luxos.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios