Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

Categoria: Viagens
Comentários: 2
Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

É muito cómodo e prático lançar mão do automóvel quando é preciso ir a algum lado, sobretudo quando as alternativas de transportes escasseiam, há cargas a levar ou o tempo não está convidativo. Contudo, se não se passar revista ao veículo, bem como a outros itens a ele associados, corre-se o risco de ser pior «a emenda que o soneto» e de arranjar problemas sérios.

Para se defender de situações de embaraço e desconforto, antes de qualquer viagem, mormente se for longa, o melhor é confirmar a presença e condições de todos os equipamentos de segurança: o macaco, o triângulo e a chave de rodas, a pressão do pneu suplente e a validade do extintor (se tiver).

O estado dos pneus, constituindo estes o contacto do carro com o chão, assume particular relevância. O grau de desgaste, o alinhamento e a calibragem (inclusive do de socorro) são factores de avaliação. Os pneus mais velhos devem ir à frente, uma vez que, em caso de derrapagem, as rodas traseiras podem revelar-se decisivas em fazer com que o automóvel saia ou não da estrada, pelo que convém que tenham capacidade de aderência. A falta de calibragem dos pneus não favorece o deslizamento do carro, desgasta os próprios pneus e faz consumir mais cerca de cinco por cento de combustível. Rodas desalinhadas desgastam os pneus mais de um lado, diminuindo a sua segurança, e incrementam o gasto de combustível em dois por cento. Para além da despesa extra, o Ambiente também se ressente…

Paralelamente, há que ter atenção a possíveis rachadelas nos vidros. A par das multas, vem a sujeição a outros dissabores. É, de igual modo, aconselhável mudar as escovas do pára-brisas que apresentem sinais de estar ressequidas (pois desta forma não cumprem a sua função, podendo comprometer a visibilidade) e encher o depósito da água do esguicho.

As luzes num automóvel são importantíssimas, para se ver e ser visto. É sempre útil conferir a funcionalidade de todas as lâmpadas e respectivo alinhamento (para não encandear os demais condutores).

A lubrificação e a refrigeração (nível do óleo do motor – cuja falta é susceptível de induzir danos irreparáveis -, da transmissão, da direcção e dos travões) devem constar do rol de preocupações. Os filtros do motor sujos diminuem o rendimento do mesmo e as velas em mau estado conduzem, eventualmente, a desperdícios de combustível na ordem dos 15 por cento! Sugere-se averiguar, com a vareta de controlo, o nível de óleo do motor a cada 500 quilómetros. Para melhor aferição, o carro deve estar em locais planos e com o motor frio.

É ainda recomendável controlar o nível de água do radiador, a fim de acautelar o aquecimento do motor, muito comum em viagem. A suspensão deve ser avaliada, pois se não estiver em ordem fará com que o carro perca estabilidade ao atingir altas velocidades.

É sempre bom munir-se (embora não seja, naturalmente, obrigatório) de uma lanterna, um guia das vias principais, com restaurantes, hotéis, postos de polícia, comboios, camionagem, etc., assim como de números de telefone a contactar numa emergência.

A documentação válida (do condutor e da viatura) e o seguro em dia não necessitam de justificações. O cartão de assistência 24 horas pode revelar-se, identicamente, útil.

O que não tem qualquer utilidade, nem benefício, é atafulhar o carro com coisas a mais. Além de estorvar o desempenho do motor, o excesso de bagagem pode comprometer a integridade dos ocupantes. Objectos pesados e soltos são passíveis de se soltar e provocar contusões, já para não falar do incremento do desgaste e até de acidentes! Tudo o que estiver na parte de trás do veículo, ante uma travagem brusca, pode projectar-se sobre a cabeça dos ocupantes, com consequências imprevisíveis. A parte superior do encosto de cabeça deve ficar à altura dos olhos do ocupante do banco, para ser protegido contra lesões na coluna cervical e no pescoço. O cinto de segurança não pode passar por cima do pescoço. E uma lotação acima da permitida para os diferentes tipos de veículos consubstancia um acto ilegal e perigoso para todos.

Ah! A parte de baixo do automóvel apenas deve ser limpa com água e sabão neutro, visto que produtos de outras naturezas originam ressequimento das borrachas, partindo-as.
As crianças têm, por lei e por bom senso, de ser transportadas em dispositivos apropriados e homologados, com o intuito de minimizar os efeitos de um hipotético embate e evitar o evitável.

O motorista, porventura a pessoa mais importante que segue na viatura, mas, sem dúvida, aquela sobre quem pesa a maior responsabilidade, necessita de descansar bem antes de encetar qualquer viagem, dado que o cansaço reduz os reflexos e eleva a probabilidade de desastres. Dormir seis a oito horas é o mínimo. Tomar bebidas alcoólicas ou medicamentos antes de viajar não é boa ideia. Optando por fazê-lo, é melhor passar o volante a outro(a) companheiro(a) encartado(a). Em acréscimo, a alimentação do dia da viagem deve ser leve, a fim de facilitar a digestão, afastando a sonolência, transtornos intestinais e outros possíveis. Já sabe: «quem vai para o mar, avia-se em terra!»



Maria Bijóias

Título: Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

632 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    20-04-2014 às 17:46:46

    A Rua Direita aconselha a todos fazerem essa revisão como meio de segurança e proteção.

    ¬ Responder
  • paulopaulo

    19-10-2009 às 13:51:21

    Vou viajar no final de ano,e essas dicas foram de fundamentais importancias!Valeu!!

    ¬ Responder

Comentários - Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios