Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

Categoria: Viagens
Comentários: 2
Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

É muito cómodo e prático lançar mão do automóvel quando é preciso ir a algum lado, sobretudo quando as alternativas de transportes escasseiam, há cargas a levar ou o tempo não está convidativo. Contudo, se não se passar revista ao veículo, bem como a outros itens a ele associados, corre-se o risco de ser pior «a emenda que o soneto» e de arranjar problemas sérios.

Para se defender de situações de embaraço e desconforto, antes de qualquer viagem, mormente se for longa, o melhor é confirmar a presença e condições de todos os equipamentos de segurança: o macaco, o triângulo e a chave de rodas, a pressão do pneu suplente e a validade do extintor (se tiver).

O estado dos pneus, constituindo estes o contacto do carro com o chão, assume particular relevância. O grau de desgaste, o alinhamento e a calibragem (inclusive do de socorro) são factores de avaliação. Os pneus mais velhos devem ir à frente, uma vez que, em caso de derrapagem, as rodas traseiras podem revelar-se decisivas em fazer com que o automóvel saia ou não da estrada, pelo que convém que tenham capacidade de aderência. A falta de calibragem dos pneus não favorece o deslizamento do carro, desgasta os próprios pneus e faz consumir mais cerca de cinco por cento de combustível. Rodas desalinhadas desgastam os pneus mais de um lado, diminuindo a sua segurança, e incrementam o gasto de combustível em dois por cento. Para além da despesa extra, o Ambiente também se ressente…

Paralelamente, há que ter atenção a possíveis rachadelas nos vidros. A par das multas, vem a sujeição a outros dissabores. É, de igual modo, aconselhável mudar as escovas do pára-brisas que apresentem sinais de estar ressequidas (pois desta forma não cumprem a sua função, podendo comprometer a visibilidade) e encher o depósito da água do esguicho.

As luzes num automóvel são importantíssimas, para se ver e ser visto. É sempre útil conferir a funcionalidade de todas as lâmpadas e respectivo alinhamento (para não encandear os demais condutores).

A lubrificação e a refrigeração (nível do óleo do motor – cuja falta é susceptível de induzir danos irreparáveis -, da transmissão, da direcção e dos travões) devem constar do rol de preocupações. Os filtros do motor sujos diminuem o rendimento do mesmo e as velas em mau estado conduzem, eventualmente, a desperdícios de combustível na ordem dos 15 por cento! Sugere-se averiguar, com a vareta de controlo, o nível de óleo do motor a cada 500 quilómetros. Para melhor aferição, o carro deve estar em locais planos e com o motor frio.

É ainda recomendável controlar o nível de água do radiador, a fim de acautelar o aquecimento do motor, muito comum em viagem. A suspensão deve ser avaliada, pois se não estiver em ordem fará com que o carro perca estabilidade ao atingir altas velocidades.

É sempre bom munir-se (embora não seja, naturalmente, obrigatório) de uma lanterna, um guia das vias principais, com restaurantes, hotéis, postos de polícia, comboios, camionagem, etc., assim como de números de telefone a contactar numa emergência.

A documentação válida (do condutor e da viatura) e o seguro em dia não necessitam de justificações. O cartão de assistência 24 horas pode revelar-se, identicamente, útil.

O que não tem qualquer utilidade, nem benefício, é atafulhar o carro com coisas a mais. Além de estorvar o desempenho do motor, o excesso de bagagem pode comprometer a integridade dos ocupantes. Objectos pesados e soltos são passíveis de se soltar e provocar contusões, já para não falar do incremento do desgaste e até de acidentes! Tudo o que estiver na parte de trás do veículo, ante uma travagem brusca, pode projectar-se sobre a cabeça dos ocupantes, com consequências imprevisíveis. A parte superior do encosto de cabeça deve ficar à altura dos olhos do ocupante do banco, para ser protegido contra lesões na coluna cervical e no pescoço. O cinto de segurança não pode passar por cima do pescoço. E uma lotação acima da permitida para os diferentes tipos de veículos consubstancia um acto ilegal e perigoso para todos.

Ah! A parte de baixo do automóvel apenas deve ser limpa com água e sabão neutro, visto que produtos de outras naturezas originam ressequimento das borrachas, partindo-as.
As crianças têm, por lei e por bom senso, de ser transportadas em dispositivos apropriados e homologados, com o intuito de minimizar os efeitos de um hipotético embate e evitar o evitável.

O motorista, porventura a pessoa mais importante que segue na viatura, mas, sem dúvida, aquela sobre quem pesa a maior responsabilidade, necessita de descansar bem antes de encetar qualquer viagem, dado que o cansaço reduz os reflexos e eleva a probabilidade de desastres. Dormir seis a oito horas é o mínimo. Tomar bebidas alcoólicas ou medicamentos antes de viajar não é boa ideia. Optando por fazê-lo, é melhor passar o volante a outro(a) companheiro(a) encartado(a). Em acréscimo, a alimentação do dia da viagem deve ser leve, a fim de facilitar a digestão, afastando a sonolência, transtornos intestinais e outros possíveis. Já sabe: «quem vai para o mar, avia-se em terra!»



Maria Bijóias

Título: Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

632 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    20-04-2014 às 17:46:46

    A Rua Direita aconselha a todos fazerem essa revisão como meio de segurança e proteção.

    ¬ Responder
  • paulopaulo

    19-10-2009 às 13:51:21

    Vou viajar no final de ano,e essas dicas foram de fundamentais importancias!Valeu!!

    ¬ Responder

Comentários - Faça uma revisão ao seu automóvel antes de viajar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios