Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Dicas para escolher e comprar o seu pacote na agência de viagens

Dicas para escolher e comprar o seu pacote na agência de viagens

Categoria: Viagens
Comentários: 1
Dicas para escolher e comprar o seu pacote na agência de viagens

Viajar com satisfação e regressar com a certeza de ter passado uns dias maravilhosos é tudo aquilo que muitas agências de viagens prometem na altura em oficializam o contrato com o cliente. Geralmente, os objectivos cumprem-se e a viagem realiza-se sem problemas de maior, mas também existe a situação inversa: clientes insatisfeitos com as condições do alojamento, clientes que se deparam com hotéis com capacidade esgotada, ausência de guias turísticos quando o pacote os incluía, problemas com o aluguer do carro, etc., etc.

Para que tal não suceda, saiba então que atitudes tomar antes de se comprometer com uma agência de viagens. Em primeiro lugar, faça pesquisas detalhadas em várias agências, de forma a comparar vantagens e preços. De seguida, procure seleccionar pacotes promocionais (que apresentam preços muito mais em conta); tente também marcar as suas férias para as chamadas «épocas baixas», ou seja, alturas em que não é habitual viajar-se para um certo destino – mas, atenção: faça-o apenas se as condições meteorológicas no local de destino não sejam de tal forma adversas que o impeçam, sequer, de sair do hotel. Procure também os chamados pacotes com «Tudo Incluído». Estas tarifas são muitíssimo mais baratas e práticas, pois o viajante não tem mesmo de se preocupar com mais nada, a não ser desfrutar do passeio. Ao escolher o pacote, lembre-se ainda de que não deverá fazê-lo apenas porque a fotografia ilustrativa e promotora do destino turístico é apelativa – as desilusões são frequentes quando se compram viagens apenas com base nestes critérios. Depois, e imediatamente antes de se decidir por um pacote e por uma agência de viagens específicos, deverá perder algum tempo a procurar referências (positivas e negativas), seja na internet, em fóruns e blogues, ou mesmo junto de amigos e familiares que já tenham adquirido serviços na agência que tem em vista.

Ao celebrar contrato com a agência de viagens eleita, é esperável que o mesmo se concretize em papel, de modo a ficar com um registo das condições acordadas. Este pormenor ganha maior relevância, sobretudo nos casos em que existe lugar a reclamações. Leia atentamente antes de assinar, recuse quaisquer contratos abusivos, que lhe imputem responsabilidades que, naturalmente, cabem à agência de viagens e verifique se não existem espaços em branco onde facilmente se poderia incluir mais informação. Celebrado e pago o contrato, a agência dever-lhe-á entregar as passagens e os comprovativos de reservas no hotel.

Tomadas todas as precauções e assegurados todos os direitos, só lhe resta mesmo partir numa belíssima viagem!

Isabel Rodrigues

Título: Dicas para escolher e comprar o seu pacote na agência de viagens

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 0

643 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    14-06-2014 às 21:42:40

    Boas dicas! A escolha dos pacotes de viagens nas agências devem ser compradas em tempos de baixa temporada, até porque são mais baratas.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Dicas para escolher e comprar o seu pacote na agência de viagens

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios