Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Transportes públicos em Lisboa – Sobre carris

Transportes públicos em Lisboa – Sobre carris

Categoria: Viagens
Comentários: 1
Transportes públicos em Lisboa – Sobre carris

Quem circula por Lisboa, não necessita de andar a pé. Na verdade, esta cidade está coberta por uma extensa rede de transportes públicos, sejam eles comboio ou metro, em geral com ligações entre si.

O METRO

O metro de Lisboa foi inaugurado a 29 de Dezembro de 1959, tornando-se na primeira rede de metropolitano do país. Possui quatro linhas divididas por cores, num total de 58 estações (três delas inauguradas recentemente na Linha Vermelha) e uma extenção total de 45,5km.
Neste momento o metro tem uma grande acessibilidade e encontra ligações com a maioria das redes de transportes.

:::Como usar o Metro?:::

O metro é simples de usar. Para começar, deve possuir um cartão de transportes ou um passe. Estes podem ser adquiridos nas máquinas, como os cartões Viva Viagem, ou nos balcões de informação, como os passes Navegante.

Ao possuir o cartão ou passe, este deve ser carregado, no mesmo local onde foi adquirido.
A partir daí, basta passar o cartão nas cancelas para as fazer abrir. Nesse momento será cobrada uma viagem no seu cartão.

As viagens cobradas permitem ir para qualquer estação de metro, sem limite de mudança de linhas, pois só volta a passar o cartão ao sair do metro.

Para utilizadores esporádicos, o cartão Viva Viagem é uma boa opção. Tem um custo de 0.50€ por cartão e 1.25€ por viagem. O cartão é válido por um ano e pode ser usado em vários locais, como metro, CP e sub-urbanos. No entanto, só pode acumular um tipo de transporte.

Para mais informação acerca do Metro e para planeamento de viagens, consulte http://www.metrolisboa.pt/

O COMBOIO

Os comboios que servem Lisboa pertencem à CP.
Neste momento os comboios dispõem de quatro estações em Lisboa: Oriente, Santa Apolónia, Entrecampos e Rossio.

:::Como utilizar os comboios?:::

Os comboios da CP requerem compra prévia do bilhete. Esta compra pode ser efectuada na bilheteira disponível na estação ou no website, com alguma antecedência.
Também neste website pode consultar preços e horários.

Após isso, basta escolher o comboio que mais lhe convier, dando prioridade à qualidade (Alfa Pendular, por exemplo) ou à economia (Regional).

Dentro do comboio, o revisor vai pedir-lhe o bilhete. Basta apenas dar-lho.
Para mais informações, consulte o site http://www.cp.pt.

Espero que fiquem mais informados acerca de como se deslocarem de transportes públicos em Lisboa.

Boas leituras e, sobretudo, boas viagens!


Patrícia Carvalho

Título: Transportes públicos em Lisboa – Sobre carris

Autor: Patrícia Carvalho (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-06-2014 às 16:37:25

    Muito boa as dicas, assim já saberei como me locomover para conhecer Lisboa. O transporte público é muito importante nessas horas em que somos os turistas!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Transportes públicos em Lisboa – Sobre carris

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios