Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Macau – chegar a casa do outro lado do mundo

Macau – chegar a casa do outro lado do mundo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Viagens
Comentários: 1
Macau – chegar a casa do outro lado do mundo

Jorge Álvares, o explorador português que chefiava a armada que chegou a Macau entre 1554 e 1557, cuja estátua se ergue no centro da cidade, jamais imaginaria ter o apoio dos mandarins locais para o seu estabelecimento naquelas paragens e a transformação da península num buliçoso empório comercial entre a China, o Japão e a Europa.

Com ruas assaz movimentadas e barulhentas e templos e jardins onde impera o silêncio (que não traduz, contudo, ociosidade ou momentos de paragem), Macau haveria de ficar para sempre marcada por algo que se entranhou na sua própria alma: a multiculturalidade.

A presença portuguesa mistura-se com a cultura chinesa e o resultado é uma mescla de sabores a todos os níveis: texturas ocidentais com especiarias do Oriente; igualdade entre religiões como o Budismo, o Confucionismo, o Taoísmo, o Catolicismo, o Protestantismo, o Islamismo, a fé Bahá’í e as práticas ancestrais chinesas; preservação de património que inclui fortalezas, palácios, moradias coloniais, igrejas dos séculos xvi a xviii, templos com mais de 800 anos e, inclusive, um centro histórico que a UNESCO decretou Património Mundial.

O Largo do Senado (pavimentado com calçada portuguesa), os Largos de Camões, de S. Domingos e da Sé, as ruínas de S. Paulo, as igrejas de Santo António, de S. Lourenço e de S. Domingos, a Fortaleza do Monte (que ainda ostenta os 22 canhões com que os Portugueses derrotaram a marinha holandesa, disposta a conquistar Macau, a Fortaleza da Guia, com o farol e a capela de Nossa Senhora da Guia, para além do cheirinho a pastéis de nata na rua denotam ainda uma forte presença portuguesa no território. De facto, numa terra que nem sequer é cristã veem-se iluminações de Natal e presépios espalhados por todo o lado, o que designa tolerância, respeito, abertura, visão universal, reconhecimento de pertença assente numa determinada cultura: a portuguesa.

As ilhas, que distam a poucos minutos de autocarro da cidade não são exceção, estando repletas de templos, edifícios históricos, miradouros e restaurantes de cozinha chinesa, macaense, portuguesa e tailandesa. Existe uma vida noturna intensa e os apreciadores de corridas de cavalos estão como “peixes na água”.

Coloane, outrora um esconderijo de piratas prontos a pilhar os navios, transformou-se num espaço campestre perfeitamente apetrechado para a realização de desportos aquáticos, pedestres e outras alternativas de lazer em família.

No Jardim de Lou Lim Ieoc (provavelmente o mais chinês de todos), pratica-se tai-chi, faz-se a dança dos leques e observa-se a ponte de nove curvas e as diversas farras que vão tendo lugar.

Se mal se ouve falar português fora da administração, muitas são as formas de não deixar morrer um povo e uma cultura completamente arreigados na natureza dos macaenses. E todas estas disposições coabitam com exemplar harmonia em Macau, sem admirações nem desconfianças, porque cada um sabe quem é, vive as suas tradições e respeita o ser e os costumes dos outros.


Maria Bijóias

Título: Macau – chegar a casa do outro lado do mundo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

608 

Imagem por: BckWht

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    14-06-2014 às 06:32:43

    Que povo esplêndido! Macau realmente é um destino de viagem que vale muito a pena!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Macau – chegar a casa do outro lado do mundo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Contador de moedas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Material Escritório
Contador de moedas\"Rua
O mundo dos negócios exige um grande dispêndio de energia e muitas horas de trabalho. No entanto hoje já é possível fazer recurso da alta tecnologia para poupar tempo e dinheiro. O recurso às funções do computador para o comércio facilita e atrai muitos clientes para empresas e comerciantes. No que diz respeito a contas é possível fazer uma contagem rápida e eficaz do dinheiro, sem passar horas a contar e com o risco de engano. É por isso que cada vez mais pessoas ligadas a negócios e serviços optam por adquirir um contador de moedas. Deste modo sabem que poupam tempo e não falham na sua contagem.

Dos inúmeros equipamentos que a alta tecnologia põe ao dispor, este é sem dúvida um equipamento que beneficia em muito o trabalho de muita gente. Por ser pequeno é muito cómodo e exige pouco espaço, ou melhor pode ser colocado em qualquer lugar.

Torna-se evidente que as novas tecnologias vieram para simplificar a vida e trazem muitas vantagens, rentabilizam e poupam tempo. No caso do contador de moedas, sem enganos, falhas e complicações. É o ideal para ter num escritório de uma empresa, em escolas, cafés, pastelarias, salões de jogos, bancos, cinema, serviços financeiros e de tesouraria e outros ligados a serviços públicos e privados.

Em resumo, se está ligado a qualquer trabalho de comércio ou serviços pode poupar muto tempo e problemas apenas colocando um equipamento destes no seu espaço de trabalho. As suas vantagens são inúmeras, em especial: permite realizar uma contagem rápida das moedas dividindo-as e fazendo a sua soma, conta o total das moedas, o valor total em cada tipo de moedas e a quantidade de todas as moedas.

Contem e separa no mínimo duzentas e vinte moedas por minuto, sem erro, conta e separa tudo no mesmo equipamento, permite alimentar o aparelho com quantidades entre as trezentas e quinhentas moedas de cada vez e continuar a adicionar mais moedas enquanto está a contar. Além disso o aparelho pode ser programado para separar um número de moedas predeterminado.

O seu design é bastante inovador e resistente. Os materiais de elevada qualidade, de fácil ligação e paragem automática.

Possui uma elevada funcionalidade, baixo consumo (70W), pouco peso, aproximadamente quatro kg, velocidade ultra rápida, pequena dimensão e estão todos certificados pela EU. Deste modo também possuem garantia, são fáceis de usar e de arrumar.

As suas funções práticas permitem que o contador de moedas possa estar em qualquer lugar.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Contador de moedas

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Imagem por: BckWht

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios