Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Castro Verde – o dourado da planície alentejana

Castro Verde – o dourado da planície alentejana

Categoria: Viagens
Visitas: 4
Comentários: 1
Castro Verde – o dourado da planície alentejana

Dotada de um interessante património e de uma calma e uma luminosidade singulares, a vila de Castro Verde tem revelado interesse num turismo de cultura e ambiente, ou não fossem as paisagens uma das suas principais atracções.

Castro Verde é uma típica vila alentejana à qual nem os “compadres” sentados à conversa faltam. Paralelamente, a arte pública e as esculturas patentes nas rotundas dão bem conta do valor que esta vila confere às suas actividades e tradições. Alguns destes motivos referem-se a monumentos evocativos do ambiente rural, à feira suína e à riqueza do subsolo.

O Largo da Feira, próximo da rotunda alusiva à feira porcina, acolhe uma das razões de orgulho de Castro Verde: o moinho de vento, recuperado há poucos anos. Trata-se de um moinho de torre que “ressuscitou” volvidos 60 anos. Na actualidade, tem um moleiro residente e vai moendo sempre que o vento e a disponibilidade humana o fautorizem.

O património natural pode ser contemplado com a ajuda de um vasto leque de actividades didácticas e percursos temáticos na zona de protecção especial para aves de Castro Verde. De facto, a preocupação pelos assuntos ambientais é uma realidade materializada na criação do Centro de Educação Ambiental do Vale Gonçalinho (CEAVG).

A Basílica Real de Nossa Senhora, na Praça do Município, é absolutamente marcante no panorama do núcleo urbano da vila. No interior deste templo, o destaque vai para os magníficos retábulos de azulejos do século xviii que retratam a batalha de Ourique, também avocada num outro monumento perto da basílica. Algumas das peças mais importantes de arte sacra do concelho (como a cabeça relicário de São Fabião) encontram-se nesta basílica, cuja custódia integra também este rol.

A gastronomia e o artesanato são outros aspectos de preservação das tradições castrenses e, portanto, boas vias para conhecer a cultura deste povo. Há de tudo, desde tecedeiras a produzir mantas de lã, a ceramistas que continuam a dar manualmente formas e cor ao barro, e a valores intemporais. E é claro que não podiam faltar os costumeiros cantos alentejanos. Estes cantos, outrora associados ao trabalho, são agora mais de lazer e de convívio, mas, acima de tudo, de afirmação cultural. O canto alentejano leva o Alentejo a todo o lado onde seja entoado, com aquela voz e aquela postura que transportam aquém e além fronteiras as cores de um Alentejo profunda e definitivamente entranhado na alma de quem nele nasce. E que tal vir sentir o pulsar desta paixão pela terra alentejana ao vivo?


Maria Bijóias

Título: Castro Verde – o dourado da planície alentejana

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

633 

Imagem por: PhillipC

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-06-2014 às 17:22:42

    Adoro os trabalhos artesanais, provavelmente, iria gostar muito de conhecer Castro Verde. Além de toda sua beleza natural e suas mais ricas culturas!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Castro Verde – o dourado da planície alentejana

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: PhillipC

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios