Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Monsaraz – a magia do Alentejo

Monsaraz – a magia do Alentejo

Categoria: Viagens
Comentários: 1
Monsaraz – a magia do Alentejo

Embora o recente lago do Alqueva contraste com a tradicional planície dourada do interior alentejano, a fisionomia medieval ainda intacta da vila de Monsaraz revela um pouco da História da Península Ibérica. Trata-se de uma das mais antigas e pitorescas vilas portuguesas, preservando, no alto do morro, o seu carácter medievo.

O acesso ao interior da muralha pode fazer-se através de quatro portas talhadas em granito: a Porta da Vila e a Porta de Évora, em arco gótico, e a Porta da Cisterna e a Porta de Alcoba, em arco pleno. Xisto regional, granito, argamassa de barro vermelho e cal compõem a cerca da vila.

Mandado construir por D. Dinis em 1310, o castelo de Monsaraz constitui um exemplo da arquitectura militar do princípio do século xiv. Subindo ao alto da torre, tem-se uma magnífica vista circundante.

Partindo da Porta da Vila, a principal, é possível apreciar as típicas casas de xisto e embrenhar-se na pacatez que ali, como aliás em todo o Alentejo, se experimenta. Mais do que um vasto conjunto de locais a visitar, Monsaraz desafia a um passeio descontraído, onde não faltarão motivos de atenção e de surpresa. As casas com escadarias exteriores e varandas com grades de ferro forjado do século xvii, o branco que cobre estas mesmas casas, o invulgar património civil e religioso, patenteando estilos tão distintos como o gótico, o barroco e o manuelino, são apenas mostras da imensa riqueza que Monsaraz detém.

A igreja matriz de Santa Maria da Lagoa encontra-se no centro da Praça Velha e foi desde sempre o templo mais importante da vila. A construção primitiva remonta à segunda metade do século xiii, datando a contemporânea do século xvi. No interior desta igreja, que é do tipo igreja-salão, manifestamente renascentista, o monumento de destaque é o túmulo de Gomes Martins Silvestre, cavaleiro templário e povoador de Monsaraz.

Os Paços da Audiência estão num edifício erigido na transição do século xiv para o xv, sendo de realçar a exposição de arte sacra e um fresco do século xv que evoca a justiça, único do género em Portugal. Ainda no largo principal é possível contemplar o pelourinho, o hospital e a Igreja da Misericórdia, fundada em 1525, que ostenta um retábulo de pintura primitiva portuguesa.

Chegar a Monsaraz é muito fácil: apanha-se a A2 em direcção ao Sul, e depois a A6 para Évora. Seguem-se as orientações para Reguengos de Monsaraz e aqui toma-se a estrada que vai para Mourão, encontrando a cerca de nove quilómetros um desvio conducente à vila de Monsaraz. Apareça!


Maria Bijóias

Título: Monsaraz – a magia do Alentejo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

625 

Imagem por: EDARF

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-06-2014 às 18:38:17

    Que linda paisagem! Monsaraz é pura magia e sua vila pitoresca realmente é encantadora.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Monsaraz – a magia do Alentejo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Imagem por: EDARF

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios