Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > A Iconografia Religiosa Na Idade Média

A Iconografia Religiosa Na Idade Média

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 12
A Iconografia Religiosa Na Idade Média

A Abadia de S. Pedro é uma filiação de Cluny, situada na rota de Santiago de Compostela.
Iconograficamente, no portal sul do nártex da Abadia, vemos Cristo no centro do tímpano numa escala superior, rodeado pelo Tetramorfo, 24 ancião e 2 anjos. Não é uma narrativa, pois não conta uma história, pois não conta uma história. O leão e o touro alado, o anjo e as figuras de pernas cruzadas perto do lintel, reforçam a centralidade de Cristo, porque estão a olha na sua direção. O lintel é composto por florões classicistas.

No mainel estão representados São Paulo, careca, e Jeremias, de olhar meigo. Os corpos de São Paulo e Jeremias acompanham as formas do mainel. Leões e leoas entrelaçadas em «X» mostram os órgãos genitais e as mamas, que remetem para a fecundidade.

No suporte do tímpano, no lado direito, está Isaías, e no lado esquerdo, S. Pedro.

Nas jambas, no lado esquerdo, a Parábola de Lázaro e o rico avarento. O avarento come enquanto ao lado São Lázaro vomita a sua lama e os cães lambem as suas feridas. Um anjo recebe a sua alma. Na cena ao lado, vemos Lázaro no abraço de Abraão, no paraíso. Em baixo, a mesa farta do avarento contrasta com a mesa de altar, no lado direito. As mulheres pecadoras estão representadas pela mulher que está com o avarento. Esta é comparada com Jezebel, uma promíscua rainha fenícia. No lado direito, estão as mulheres virtuosas, Maria e Isabel. Maria engravida virgem e Isabel engravida já idosa, enquanto a mulher do avarento não consegue ter filhos. No lado esquerdo, o avarento morre materialmente confortável, mas com muito sofrimento, ao contrário de São Lázaro, que morre de forma apaziguadora. O avarento vomita a sua alma e esta é apanhada pelo diabo. A mulher do avarento é castigada. Vemos uma cena em que ela está a ser devorada sapos e cobras, que comem os seus seios e os órgãos genitais. No lado direito, temos ainda cenas como a Aforação dos Magos e a Visitação e a Anunciação.
É fantástico perceber através da arte a mensagem da Igreja na Idade Média.

Daniela Vicente

Título: A Iconografia Religiosa Na Idade Média

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 12

787 

Comentários - A Iconografia Religiosa Na Idade Média

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios