Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > A Iconografia Religiosa Na Idade Média

A Iconografia Religiosa Na Idade Média

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 12
A Iconografia Religiosa Na Idade Média

A Abadia de S. Pedro é uma filiação de Cluny, situada na rota de Santiago de Compostela.
Iconograficamente, no portal sul do nártex da Abadia, vemos Cristo no centro do tímpano numa escala superior, rodeado pelo Tetramorfo, 24 ancião e 2 anjos. Não é uma narrativa, pois não conta uma história, pois não conta uma história. O leão e o touro alado, o anjo e as figuras de pernas cruzadas perto do lintel, reforçam a centralidade de Cristo, porque estão a olha na sua direção. O lintel é composto por florões classicistas.

No mainel estão representados São Paulo, careca, e Jeremias, de olhar meigo. Os corpos de São Paulo e Jeremias acompanham as formas do mainel. Leões e leoas entrelaçadas em «X» mostram os órgãos genitais e as mamas, que remetem para a fecundidade.

No suporte do tímpano, no lado direito, está Isaías, e no lado esquerdo, S. Pedro.

Nas jambas, no lado esquerdo, a Parábola de Lázaro e o rico avarento. O avarento come enquanto ao lado São Lázaro vomita a sua lama e os cães lambem as suas feridas. Um anjo recebe a sua alma. Na cena ao lado, vemos Lázaro no abraço de Abraão, no paraíso. Em baixo, a mesa farta do avarento contrasta com a mesa de altar, no lado direito. As mulheres pecadoras estão representadas pela mulher que está com o avarento. Esta é comparada com Jezebel, uma promíscua rainha fenícia. No lado direito, estão as mulheres virtuosas, Maria e Isabel. Maria engravida virgem e Isabel engravida já idosa, enquanto a mulher do avarento não consegue ter filhos. No lado esquerdo, o avarento morre materialmente confortável, mas com muito sofrimento, ao contrário de São Lázaro, que morre de forma apaziguadora. O avarento vomita a sua alma e esta é apanhada pelo diabo. A mulher do avarento é castigada. Vemos uma cena em que ela está a ser devorada sapos e cobras, que comem os seus seios e os órgãos genitais. No lado direito, temos ainda cenas como a Aforação dos Magos e a Visitação e a Anunciação.
É fantástico perceber através da arte a mensagem da Igreja na Idade Média.

Daniela Vicente

Título: A Iconografia Religiosa Na Idade Média

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 12

787 

Comentários - A Iconografia Religiosa Na Idade Média

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios