Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 22
Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

A Igreja do Convento de Jesus de Setúbal situa-se tal como o próprio nome indica em Setúbal, região de Lisboa, e é considerado como o primeiro edifício associado ao estilo designado como manuelino em Portugal. Está classificado como Monumento Nacional. Conhecido como convento, este era um edifício pertencente às monjas franciscanas capuchas e “segundo os anais da ordem, deva designar-se por mosteiro, pois convento é casa de frades”.

No Convento funciona hoje como Museu de Setúbal e hospeda diferentes núcleos como a “Casa Bocage”, “Casa do Corpo Santo / Museu do Barroco” e o “Museu Sebastião da Gama”, apresentando colecções na área da arte, história, arqueologia, numismática e arte contemporânea.

A fundadora deste mosteiro foi D. Justa Rodrigues Pereira, ama do último filho de D. Fernando. Sabe-se que teve duas irmãs, Isabel Rodrigues e Beatriz Rodrigues, e um irmão, Nuno Cardoso Pereira. O irmão de Justa Rodrigues era criado de D. Fernando, pelo que se julga que foi através dele que Justa se tornou ama de D. Manuel. D. Fernando foi Grão-mestre da Ordem de Santiago e pai de D. Manuel que viria a ser Rei de Portugal.

A construção do mosteiro de Jesus de Setúbal denota a importância nas funções que desempenhava e a influência que a mesma exercia para estes nobres. À época apenas as ordens religiosas e os reis ou grandes fidalgos se podiam propor à construção de um mosteiro. O facto de ser uma mulher e não ter em seu poder qualquer título de nobreza demonstra sobretudo uma postura arrojada.

D. Justa decidiu erguer, um mosteiro de freiras franciscanas capuchas.

A mentalidade da época evocava uma necessidade extrema da salvação após a morte, Justa Rodrigues iria com a construção deste edifício conseguir a salvação da sua alma, através da comunidade religiosa que oraria pela sua fundadora. Ao mesmo tempo que criava condições para o salvamento da sua alma, criou também um panteão, em 1505 é-lhe concedida uma autorização papal para que a capela sob o altar-mor (já edificada) fosse destinada a panteão do seu filho mais velho e descendentes e para a construção de uma outra capela sobre o coro da comunidade destinada ao seu segundo filho.

Na casa do capítulo D. Justa Rodrigues colocou o corpo de sua mãe, prioresa do mosteiro de Abrantes, onde fora inicialmente sepultada, ela própria ficara sepultada na mesma campa rasa.
Segundo José Vieira da Silva existiram “diversos factores” para a construção do mosteiro em Setúbal, “em primeiro lugar, o conhecimento de Setúbal, onde várias vezes teria Justa permanecido, acompanhando as deslocações do infante D. Fernando, mestre da ordem de Santiago de Espada, a quem esta vila pertencia.

Existindo nela apenas um convento masculino, e por sinal de franciscanos, parecia local certo, como segunda razão, para a existência de uma casa religiosa que teria de viver de esmolas dos fiéis, outro factor terá sido, sem dúvida, a proximidade de Lisboa, o que significava o acesso rápido ao rei e à corte, para obtenção de rendas permanentes que garantissem a subsistência do convento.

Finalmente, uma razão mais terá de ser aduzida: Setúbal encontrava-se ao longo do século XV, em fase de desenvolvimento, pela importância decisiva que a abundância de pescado e a excelência do sal proporcionavam a uma sociedade mergulhada em plena época dos Descobrimentos.
D. Justa também poderá ter optado pela edificação deste mosteiro em Setúbal por já ser dona de um terreno oferecido por D. Fernando. Este era um terreno situado fora das muralhas, de reduzidas dimensões pelo que Justa adquiriu um terreno à Confraria de Nossa Senhora da Anunciada.

Para conseguir o foro das terras Justa Rodrigues teve que pedir o apoio da rainha D. Leonor. Mais tarde através de ofertas, o património do mosteiro vai crescendo. O cirurgião-mor do reino mestre Gil e D. Jorge fizeram ofertas de terrenos ao mosteiro. Um dos terrenos, oferecido por D. Jorge mestre de Santiago, passou a integrar o adro, onde mandou colocar um cruzeiro.

D. Justa faleceu no ano de 1514 muito antes da conclusão da obra. A construção do mosteiro foi de longa duração, tendo sido terminado apenas no reinado de D. João III, com verbas que D. Manuel deixou em testamento.

O mosteiro foi transformado no Museu de Setúbal, nele é possível observar as inúmeras peças que pertencem ao mesmo.


Sónia Henriques

Título: Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 22

644 

Comentários - Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios