Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 22
Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

A Igreja do Convento de Jesus de Setúbal situa-se tal como o próprio nome indica em Setúbal, região de Lisboa, e é considerado como o primeiro edifício associado ao estilo designado como manuelino em Portugal. Está classificado como Monumento Nacional. Conhecido como convento, este era um edifício pertencente às monjas franciscanas capuchas e “segundo os anais da ordem, deva designar-se por mosteiro, pois convento é casa de frades”.

No Convento funciona hoje como Museu de Setúbal e hospeda diferentes núcleos como a “Casa Bocage”, “Casa do Corpo Santo / Museu do Barroco” e o “Museu Sebastião da Gama”, apresentando colecções na área da arte, história, arqueologia, numismática e arte contemporânea.

A fundadora deste mosteiro foi D. Justa Rodrigues Pereira, ama do último filho de D. Fernando. Sabe-se que teve duas irmãs, Isabel Rodrigues e Beatriz Rodrigues, e um irmão, Nuno Cardoso Pereira. O irmão de Justa Rodrigues era criado de D. Fernando, pelo que se julga que foi através dele que Justa se tornou ama de D. Manuel. D. Fernando foi Grão-mestre da Ordem de Santiago e pai de D. Manuel que viria a ser Rei de Portugal.

A construção do mosteiro de Jesus de Setúbal denota a importância nas funções que desempenhava e a influência que a mesma exercia para estes nobres. À época apenas as ordens religiosas e os reis ou grandes fidalgos se podiam propor à construção de um mosteiro. O facto de ser uma mulher e não ter em seu poder qualquer título de nobreza demonstra sobretudo uma postura arrojada.

D. Justa decidiu erguer, um mosteiro de freiras franciscanas capuchas.

A mentalidade da época evocava uma necessidade extrema da salvação após a morte, Justa Rodrigues iria com a construção deste edifício conseguir a salvação da sua alma, através da comunidade religiosa que oraria pela sua fundadora. Ao mesmo tempo que criava condições para o salvamento da sua alma, criou também um panteão, em 1505 é-lhe concedida uma autorização papal para que a capela sob o altar-mor (já edificada) fosse destinada a panteão do seu filho mais velho e descendentes e para a construção de uma outra capela sobre o coro da comunidade destinada ao seu segundo filho.

Na casa do capítulo D. Justa Rodrigues colocou o corpo de sua mãe, prioresa do mosteiro de Abrantes, onde fora inicialmente sepultada, ela própria ficara sepultada na mesma campa rasa.
Segundo José Vieira da Silva existiram “diversos factores” para a construção do mosteiro em Setúbal, “em primeiro lugar, o conhecimento de Setúbal, onde várias vezes teria Justa permanecido, acompanhando as deslocações do infante D. Fernando, mestre da ordem de Santiago de Espada, a quem esta vila pertencia.

Existindo nela apenas um convento masculino, e por sinal de franciscanos, parecia local certo, como segunda razão, para a existência de uma casa religiosa que teria de viver de esmolas dos fiéis, outro factor terá sido, sem dúvida, a proximidade de Lisboa, o que significava o acesso rápido ao rei e à corte, para obtenção de rendas permanentes que garantissem a subsistência do convento.

Finalmente, uma razão mais terá de ser aduzida: Setúbal encontrava-se ao longo do século XV, em fase de desenvolvimento, pela importância decisiva que a abundância de pescado e a excelência do sal proporcionavam a uma sociedade mergulhada em plena época dos Descobrimentos.
D. Justa também poderá ter optado pela edificação deste mosteiro em Setúbal por já ser dona de um terreno oferecido por D. Fernando. Este era um terreno situado fora das muralhas, de reduzidas dimensões pelo que Justa adquiriu um terreno à Confraria de Nossa Senhora da Anunciada.

Para conseguir o foro das terras Justa Rodrigues teve que pedir o apoio da rainha D. Leonor. Mais tarde através de ofertas, o património do mosteiro vai crescendo. O cirurgião-mor do reino mestre Gil e D. Jorge fizeram ofertas de terrenos ao mosteiro. Um dos terrenos, oferecido por D. Jorge mestre de Santiago, passou a integrar o adro, onde mandou colocar um cruzeiro.

D. Justa faleceu no ano de 1514 muito antes da conclusão da obra. A construção do mosteiro foi de longa duração, tendo sido terminado apenas no reinado de D. João III, com verbas que D. Manuel deixou em testamento.

O mosteiro foi transformado no Museu de Setúbal, nele é possível observar as inúmeras peças que pertencem ao mesmo.


Sónia Henriques

Título: Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 22

644 

Comentários - Igreja do Convento de Jesus de Setúbal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Saúde
Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento\"Rua
A pneumonia é uma infecção bacteriana ou viral dos pulmões. Os sintomas podem incluir febre, calafrios, falta de ar, tosse que produz fleuma e dor no peito. Geralmente, a pneumonia pode ser tratada com sucesso em casa com antibióticos, mas alguns casos podem exigir hospitalização e podem resultar em morte. Vacinas estão disponíveis contra alguns dos agentes infecciosos mais comuns que causam pneumonia.

Causas de pneumonia
A pneumonia é uma infecção das bolsas de ar nos pulmões, sendo causada por bactérias, vírus ou, raramente, fungos. A maioria dos casos de pneumonia são causados por bactérias, mais comumente Streptococcus (doença pneumocócica), mas a pneumonia viral é mais comum em crianças.
 
Qualquer pessoa pode desenvolver pneumonia, mas alguns grupos estão em maior risco. Estes incluem:
- Bebês e crianças pequenas, particularmente aqueles nascidos prematuramente
- Pessoas que tiveram uma infecção viral recente, como um resfriado ou gripe
- Fumantes
- Pessoas com condições pulmonares crônicas, como asma, bronquite ou bronquiectasias
- Pessoas com sistema imunológico enfraquecido
- Pessoas que bebem álcool em excesso
- Pacientes hospitalizados
- Pessoas que tiveram problemas de deglutição ou tosse após um acidente vascular cerebral ou outra lesão cerebral
- Pessoas com 65 anos ou mais.
A pneumonia pode desenvolver-se quando uma pessoa respira as pequenas gotículas que contêm pneumonia, mas também pode ocorrer quando bactérias ou vírus que estão normalmente presentes na boca, nariz e garganta, entram nos pulmões.

sinais e sintomas de pneumonia
A pneumonia viral tende a desenvolver-se lentamente ao longo de vários dias, enquanto que, geralmente, a pneumonia bacteriana desenvolve-se rapidamente, muitas vezes ao longo de um dia.
A maioria das pessoas que desenvolvem pneumonia, inicialmente, têm uma infecção viral, como um resfriado ou gripe, que produz sintomas como dor de cabeça, dores musculares e febre. Se uma pneumonia se desenvolver, geralmente, os sintomas incluem:
- Febre alta
- Calafrios
- Falta de ar
Aumento da frequência respiratória
- Uma tosse que piora e que pode produzir escarro descolorido ou sangrento (fleuma)
- Dores no peito causadas pela inflamação da membrana que reveste os pulmões.

Em bebês e crianças, os sintomas podem ser menos específicos e podem não mostrar sinais claros de uma infecção no peito. Comumente eles terão uma febre alta, podendo parecer muito indispostos e tornarem-se letárgicos, mas eles também podem produzir uma respiração barulhenta e apresentar dificuldade para se alimentarem.
 
Também é possível que a pele, lábios e unhas se possam tornar-se azulados. Este é um sinal de que os pulmões são incapazes de fornecer oxigênio suficiente para o corpo. Se isso ocorrer, é vital procurar assistência médica imediatamente.

Diagnóstico para pneumonia
Se houver suspeita de pneumonia, é importante procurar atendimento médico com prontidão para que um diagnóstico preciso e um tratamento adequado possam ser implementados.

O médico poderá obter um histórico médico e realizar um exame físico. Durante o exame, o médico ouvirá o tórax com um estetoscópio. Respiração grosseira, sons crepitantes, sibilos e sons respiratórios reduzidos numa determinada parte dos pulmões podem indicar pneumonia.
Geralmente, para confirmar o diagnóstico, realiza-se uma radiografia de tórax. O raio-X mostrará a área do pulmão afetada pela pneumonia. Também podem ser efectuadas análises ao sangue e uma amostra do escarro pode ser enviada para um laboratório para realização de testes.

Tratamento de pneumonia
A maioria dos casos de pneumonia podem ser tratados em casa. Entretanto, bebês, crianças e pessoas com pneumonia grave podem precisar de ser internados num hospital para tratamento.
Geralmente, a pneumonia é tratada com antibióticos, mesmo que exista suspeita de pneumonia viral, já que também pode haver um grau de infecção bacteriana. O tipo de antibiótico utilizado e a forma como será administrado serão determinados pela gravidade e causa da pneumonia.
Se a pneumonia puder ser tratada em casa, geralmente, o tratamento inclui:
- Antibióticos, administrados por via oral sob a forma de comprimidos ou líquidos
- Medicamentos para alívio da dor
- Paracetamol para reduzir a febre
- Descansar

Se for necessário tratamento hospitalar, gerlamente, o tratamento inclui:
- Antibióticos administrados por via intravenosa
- Terapia de oxigênio, para garantir que o corpo receba o oxigênio de que precisa
- Fluidos intravenosos, para corrigir a desidratação ou se a pessoa estiver muito indisposta para comer ou beber
- Fisioterapia, para ajudar a limpar o escarro dos pulmões.

Pesquisar mais textos:

José Antunes

Título:Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento

Autor:José Antunes(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios