Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Mar de Papoilas

Mar de Papoilas

Categoria: Literatura
Comentários: 2
Mar de Papoilas

Índia, século xix. Íbis, um navio de escravos que recruta indianos para as plantações de cana-de-açúcar, mas que transporta sobretudo ópio para os consumidores chineses, navega pelas águas do oceano Índico com uma população bastante variada a bordo composta por marinheiros de diversas proveniências, passageiros clandestinos, prisioneiros condenados e operários asiáticos, numa viagem que virá a revelar-se longa e tumultuosa.

«Mar de Papoilas» é um romance histórico de Amitav Ghosh, reimpresso em 2009 pela Editorial Presença, que descreve de forma soberba comidas, paisagens e as linguagens, o que dá um toque de profundo realismo à narrativa, proporcionando uma maior aproximação à cultura indiana. Em acréscimo, esta obra é copiosa em informação histórica, o que elabora um retrato da época e propicia um entrosamento na cultura e nos costumes do país.

Num ambiente de violência motivado pelas diferenças étnicas e culturais e por aquilo que já se adivinhava ser a Guerra do Ópio, os passageiros aniquilarão as barreiras que os separam para se passarem a considerar como jaházbahai, isto é, irmãos de navio. Este e outros termos em línguas nativas (mormente o bhojpuri), embora exijam, em muitos casos, a consulta do glossário, acabam por transportar o leitor para o interior da trama. Marta Mendonça prima pela tradução que executou, a qual é rica em notas de extrema relevância para a leitura.

«Mar de Papoilas» traduz os tempos difíceis em que os agricultores se viram na iminência de abdicar dos plantios tradicionais para se dedicarem à monocultura do ópio. Estamos numa época em que o Governo chinês proibiu a importação de ópio (extraído das papoilas e originador de excepcional dependência) por parte da Grã-Bretanha. Sendo este negócio o fulcro do lucro das exportações da Grã-Bretanha para China, o conflito estava latente.

As célebres Guerras do Ópio conduzem-nos a meados do século xix e a uma Índia de extremos, ainda sob o domínio da Grã-Bretanha, pronta para também entrar nestas contendas. O ópio constitui, de algum modo, o sustentáculo principal do livro, uma vez que exerce influência sobre uma fatia considerável das personagens. Fora destas, constata-se o aparecimento de outras, seguramente designadas a influir reciprocamente na vida umas das outras.

Quer se goste mais ou menos de narrações épicas e coloridas, uma coisa é irrefutável nesta produção literária: a magnitude da investigação desenvolvida por Amitav Ghosh Amitav Ghosh, que é notória ao longo das 460 páginas de «Mar de Papoilas». Não será por acaso que esta obra foi bastante bem considerada por publicações de renome internacional (que não lhe pouparam atributos como «avassalador») e, inclusive, o trabalho mais bem conseguido de Ghosh. Efectivamente, trata-se de um romance notável, onde coabitam aventura, profundidade e sentimento.


Maria Bijóias

Título: Mar de Papoilas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

643 

Imagem por: david.nikonvscanon

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • jacyrajacyra

    21-05-2012 às 20:59:46

    Este texto, dexou-me com água na boca! Quero ler este livro!

    ¬ Responder
  • Marta MendonçaMarta Mendonça

    23-11-2010 às 21:40:35

    Obrigada pelas suas palavras.
    Foi um prazer enorme traduzir este livro. Espero, ansiosa, pelo resto da trilogia. :-)

    ¬ Responder

Comentários - Mar de Papoilas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: david.nikonvscanon

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios