Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Cirque du Soleil: uma referência mundial!

Cirque du Soleil: uma referência mundial!

Categoria: Arte
Visitas: 8
Comentários: 1
Cirque du Soleil: uma referência mundial!

O Cirque du Soleil é uma companhia de arte circense natural do Quebec, no Canadá. Em 1982 um grupo de jovens artistas de rua conhecido por “Club des Talons Hauts” organiza um festival.

Dois anos depois, em 1984 este grupo começa a oferecer um conceito completamente inovador, fazendo uma combinação perfeita e dramática das artes circenses e de rua.

De início o grupo apresentou-se em onze cidades do Quebec, só que nem tudo foi um mar de rosas. Logo no primeiro espectáculo, enfrentaram diversas dificuldades. Usaram uma tenda emprestada e o fundador, Laliberté, teve que lidar com a insatisfação dos artistas europeus, que achavam o conceito pouco enriquecedor. A verdade é que os problemas lá se resolveram e foi um sucesso estrondoso. Sem fundos para continuar o projecto, Laliberté pediu ajuda financeira ao governo canadense, que ofereceu resistência, mas acabou por ceder. Com este dinheiro, Laliberté pensou em renovar alguns aspectos.

Com a ajuda de Guy Caron, do National Circus School, apostaram numa música forte e emocionante para acompanhar o espectáculo e decidiram que durante a apresentação deveria haver um fio condutor de uma história. Desde início que ficou assente que não iriam utilizar animais, pretendendo ter uma maior proximidade com o espectador. Os primeiros anos foram muito complicados em termos financeiros, porque não conseguiam esgotar as sessões e o dinheiro escasseava. Não atingiram a falência porque arranjaram instituições que os financiavam.

Entretanto, em 1988 diferenças de opinião entre Laliberté e Caron, fizeram com que este segundo deixasse a companhia. É que Caron queria economizar as verbas que aos poucos começavam a ganhar e Laliberté queria usar esse dinheiro para expandir o Cirque e iniciar uma segundo espectáculo.

Com a saída de Caron entrou Franco Dragone, que logo introduziu novas ideias, tais como: reirar a cortina que separava actores e plateia e criou um ambiente em que o artista matinha uma personagem ao longo de toda a apresentação. Assim, Nouvelle Expérience tornou-se o espectáculo mais popular do Cirque do Soleil. Em 1990, o Cirque tornou-se lucrativo.

Hoje em dia, não há quem conheça o tão afamado Cirque do Soleil. É um circo moderno, com diversas histórias e perfomances, havendo diversos espectáculos em todo o mundo, alguns fixos outros em regime rotativo. O elenco conta com artistas de mais de 40 nacionalidades e já são cerca de 3800 pessoas a trabalhar para esta empresa. O espectáculo centra-se numa história e desenvolve-se de forma criativa à volta disso. São sempre bem abrilhantados por música escolhida criteriosamente, e com influências do teatro mambembe, da ópera, do balé e do rock. As actuações já estão disponíveis em DVD.

É certo que os preços dos bilhetes para o espectáculo são acima da média, dando-lhe uma conotação elitista, mas também é certo que está sempre esgotado. Acredite que é dinheiro bem empregue e que não se vai arrepender…



Catarina Guedes Duarte

Título: Cirque du Soleil: uma referência mundial!

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 8

799 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    17-09-2012 às 21:33:08

    eu nunca gostei de circo, confesso que é algo que me chateia imenso. contudo, quando vi gravações de ensaio do cirque du soleil e até pequenas amostras do espectáculo fiquei apaixonada. adorava ver um espectáculo ao vivo, mas nunca tive oportunidade disso. o meu companheiro já foi ver e adorou, por isso acredito mesmo que seja espectacular. é um mundo cheio de fantasia para miúdos e graúdos. algo fantástico para apreciar numa bela noite.

    ¬ Responder

Comentários - Cirque du Soleil: uma referência mundial!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios