Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > O Cubismo

O Cubismo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 10
O Cubismo

O Cubismo é um movimento do século XX fundado por Pablo Picasso e Georges Braque, que pode dividir-se em duas vertentes igualmente interessantes: Cubismo Analítico e Cubismo Sintético. O geometrismo de Cézanne, assim como a arte africana, foram um ponto de partida para os cubistas. Tudo pode ser fragmentado segundo as formas geométricas. A impressão de ótica deixa de ter tanta importância. Destacamos na pintura artistas como Pablo Picasso, Georges Braque e Juan Gris, e na escultura, Jacques Lipchitz, Duchamp-Villon e Pablo Picasso.

O Cubismo Analítico é o mais simples, onde os artistas geometrizaram e simplificaram as formas. Ignoraram a perspetiva e a visão parcial, adotando a visão total dos objetos. Ao longo do tempo, os objetos iam fragmentando-se cada vez mais até ficarem irreconhecíveis. Conjugavam-se e intercetavam-se as formas geométricas. Apoiam o volume aberto e o restringimento das cores. Os cubistas são quase uns futuristas, pois não pintam o qe v~e, mas o que sabem que existe para além do que é visível. Deve-se a Ruy Blas, um crítico, o nome desta corrente artística: o Cubismo.

O Cubismo Sintético é levar ao extremo o Cubismo e tudo o que ele implica. Os objetos ficam irreconhecíveis de uma forma maravilhosa e aprazível. É uma confusão geométrica boa. A cor volta a estar presente. Usam materiais para criar relevo, tonalidades interessantes, novos plano, acentuar a verdade (objetivo do Cubismo). Esses materiais podem ser o papel, o cartão, os tecidos, a madeira e a corda.

O Cubismo conseguiu atrair muitos artistas: Albert Gleizes, Jean Metzinger, Fernand Ledger, Robert Delaunay e Jacques Lipchitz.

Podemos contextualizar o Cubismo de 1907 a 1925 e, dentro deste movimento, destacamos o Cubismo Analitco, que sobreviveu nos primeiros anos, de 1907 a 1911, e o Cubismo Sintético, persistiu de 1912 a 1925. Consta-se que durante a 1ª Guerra Mundial (1914-1918), o estilo já estava gasto.

Destacamos a pintura As meninas de Avinhão, Pablo Picasso, um quadro desconcertante, onde vemos cinco mulheres nuas num bordel em Barcelona. Causa alguma perturbação, mas ganhou grande reputação. “Cinco figuras peculiares (…) os espaços e os objetos foram totalmente distorcidos (…) A da esquerda parece prestes a transformar-se no tecido que a envolve; o corpo está pintado com vários tons de terra e a perna que avança delineada a azul; a cabeça, de perfil, tem o olho de frente (…) As duas mulheres do centro olham-nos bem de frente mas tem os narizes de lado (…) é a figura agachada que nos mostra, simultaneamente, as costas, uma perna de lado e a face de frente com o nariz visto de perfil.”


Daniela Vicente

Título: O Cubismo

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 10

761 

Comentários - O Cubismo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios