Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > O Cubismo

O Cubismo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 10
O Cubismo

O Cubismo é um movimento do século XX fundado por Pablo Picasso e Georges Braque, que pode dividir-se em duas vertentes igualmente interessantes: Cubismo Analítico e Cubismo Sintético. O geometrismo de Cézanne, assim como a arte africana, foram um ponto de partida para os cubistas. Tudo pode ser fragmentado segundo as formas geométricas. A impressão de ótica deixa de ter tanta importância. Destacamos na pintura artistas como Pablo Picasso, Georges Braque e Juan Gris, e na escultura, Jacques Lipchitz, Duchamp-Villon e Pablo Picasso.

O Cubismo Analítico é o mais simples, onde os artistas geometrizaram e simplificaram as formas. Ignoraram a perspetiva e a visão parcial, adotando a visão total dos objetos. Ao longo do tempo, os objetos iam fragmentando-se cada vez mais até ficarem irreconhecíveis. Conjugavam-se e intercetavam-se as formas geométricas. Apoiam o volume aberto e o restringimento das cores. Os cubistas são quase uns futuristas, pois não pintam o qe v~e, mas o que sabem que existe para além do que é visível. Deve-se a Ruy Blas, um crítico, o nome desta corrente artística: o Cubismo.

O Cubismo Sintético é levar ao extremo o Cubismo e tudo o que ele implica. Os objetos ficam irreconhecíveis de uma forma maravilhosa e aprazível. É uma confusão geométrica boa. A cor volta a estar presente. Usam materiais para criar relevo, tonalidades interessantes, novos plano, acentuar a verdade (objetivo do Cubismo). Esses materiais podem ser o papel, o cartão, os tecidos, a madeira e a corda.

O Cubismo conseguiu atrair muitos artistas: Albert Gleizes, Jean Metzinger, Fernand Ledger, Robert Delaunay e Jacques Lipchitz.

Podemos contextualizar o Cubismo de 1907 a 1925 e, dentro deste movimento, destacamos o Cubismo Analitco, que sobreviveu nos primeiros anos, de 1907 a 1911, e o Cubismo Sintético, persistiu de 1912 a 1925. Consta-se que durante a 1ª Guerra Mundial (1914-1918), o estilo já estava gasto.

Destacamos a pintura As meninas de Avinhão, Pablo Picasso, um quadro desconcertante, onde vemos cinco mulheres nuas num bordel em Barcelona. Causa alguma perturbação, mas ganhou grande reputação. “Cinco figuras peculiares (…) os espaços e os objetos foram totalmente distorcidos (…) A da esquerda parece prestes a transformar-se no tecido que a envolve; o corpo está pintado com vários tons de terra e a perna que avança delineada a azul; a cabeça, de perfil, tem o olho de frente (…) As duas mulheres do centro olham-nos bem de frente mas tem os narizes de lado (…) é a figura agachada que nos mostra, simultaneamente, as costas, uma perna de lado e a face de frente com o nariz visto de perfil.”


Daniela Vicente

Título: O Cubismo

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 10

761 

Comentários - O Cubismo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios