Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Arte e ciência – que relação?

Arte e ciência – que relação?

Categoria: Arte
Visitas: 527
Comentários: 4
Arte e ciência – que relação?

A arte, definida pela nossa língua ancestral, o Latim, como «ars» (técnica ou habilidade), define todas as manifestações de natureza estética que são produzidas por funcionários muito especiais, os artistas. E por que razão são eles tão únicos, tão singulares? Precisamente porque são os trabalhadores da emoção, das ideias, são os que conseguem exportá-las de si e impregná-las no receptor, no espectador, no apreciador. A ciência, por seu lado, surge-nos como um conceito estreitamente relacionado com investigação, com a conquista do conhecimento, com o domínio esmagador da razão sobre a emoção.

Todavia, dois conceitos aparentemente tão antagónicos e distantes poderão, efectivamente, andar de mãos dadas. E como? Através, por exemplo, da organização de exposições científicas em que a arte tenha também um papel preponderante a desempenhar, nem que seja na disposição e organização dos espaços, na combinação das luzes ou na colocação de música que, por algum motivo, se associe ao tema científico exposto e tratado. Poder-se-ão também propor intercâmbios de ordem financeira e publicitária (como já foi sugerido pelo físico Brian Schwartz): os artistas conquistam mais público, mas carecem de fontes de financiamento; os cientistas deparam-se com maiores dificuldades em chegar ao público, mas, por outro lado, obtêm incentivos pecuniários com muito maior facilidade. Uma relação de mútuo auxílio é, portanto, também possível. Organizem-se exposições, sessões de esclarecimento científicas, debates em torno de problemáticas científicas, todos eles coadjuvados pelo irresistível apelo da arte, que poderá estar presente através de exposições simultâneas, passivas ou não.

Pensemos agora no aspecto educativo desta relação simbiótica. É sabido, em termos de senso comum, que as crianças, enquanto tais, apreciam experiências científicas, mas que, ao crescerem e se tornarem em adolescentes, acabam por se desinteressar do tema, talvez pela sua complexidade se ir adensando. Ora, a intervenção da arte é, nesta fase, providencial. As cores, sons, texturas, aromas e sabores de várias experiências científicas, tratados de uma forma artística, ou seja, esteticamente apelativa aos sentidos, funcionará como alavanca para o mundo da ciência para o adolescente demasiado absorvido pelas facilidades da tecnologia – que mais não é do que «ciência digerida».

Conclua-se, pois, que a arte atrai um público possivelmente diverso daquele que irá assistir a uma palestra científica. Conjuguem-se ambos os gostos, ambos os interesses, ambas as formas de ver e estar na vida e consiga-se uma maior e mais vasta audiência, tanto para as exposições de índole científica, como para as outras, de pendor artístico. O público ficará surpreendido e tenderá a aderir ao conceito com prazer, permitindo que a torrente de conhecimento o invada de forma indelével, até porque os opostos se atraem e a arte e a ciência são, definitivamente, opostos que, atraindo-se, augura-se que se dêem às mil maravilhas.

Isabel Rodrigues

Título: Arte e ciência – que relação?

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 527

777 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Arus Wood Conceptsbrunelly

    10-05-2011 às 14:30:18

    eu como estudante concordo prenamente com está resposta

    ¬ Responder
  • mdhgytsmdhgyts

    19-04-2011 às 19:04:51

    jjjçkntertdhijihh

    ¬ Responder
  • mataburrosmataburros

    30-05-2012 às 14:21:29

    burro do caralho

    ¬ Responder
  • Regina Maris Barbosa de SiqueiraRegina Maris Barbosa de Siqueira

    29-08-2009 às 02:33:11

    Gostei muito, concordo plenamente com o texto sobre Relaçao Arte-Ciência. Tenho formação em Artes Visuais e acho que a Arte sobre todas suas formas de expressão deve ser valorizada, incentivada cada vez mais nas escolas, interligada as ciências p/ benificio maior de todos.

    ¬ Responder

Comentários - Arte e ciência – que relação?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios