Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Arte e ciência – que relação?

Arte e ciência – que relação?

Categoria: Arte
Visitas: 527
Comentários: 4
Arte e ciência – que relação?

A arte, definida pela nossa língua ancestral, o Latim, como «ars» (técnica ou habilidade), define todas as manifestações de natureza estética que são produzidas por funcionários muito especiais, os artistas. E por que razão são eles tão únicos, tão singulares? Precisamente porque são os trabalhadores da emoção, das ideias, são os que conseguem exportá-las de si e impregná-las no receptor, no espectador, no apreciador. A ciência, por seu lado, surge-nos como um conceito estreitamente relacionado com investigação, com a conquista do conhecimento, com o domínio esmagador da razão sobre a emoção.

Todavia, dois conceitos aparentemente tão antagónicos e distantes poderão, efectivamente, andar de mãos dadas. E como? Através, por exemplo, da organização de exposições científicas em que a arte tenha também um papel preponderante a desempenhar, nem que seja na disposição e organização dos espaços, na combinação das luzes ou na colocação de música que, por algum motivo, se associe ao tema científico exposto e tratado. Poder-se-ão também propor intercâmbios de ordem financeira e publicitária (como já foi sugerido pelo físico Brian Schwartz): os artistas conquistam mais público, mas carecem de fontes de financiamento; os cientistas deparam-se com maiores dificuldades em chegar ao público, mas, por outro lado, obtêm incentivos pecuniários com muito maior facilidade. Uma relação de mútuo auxílio é, portanto, também possível. Organizem-se exposições, sessões de esclarecimento científicas, debates em torno de problemáticas científicas, todos eles coadjuvados pelo irresistível apelo da arte, que poderá estar presente através de exposições simultâneas, passivas ou não.

Pensemos agora no aspecto educativo desta relação simbiótica. É sabido, em termos de senso comum, que as crianças, enquanto tais, apreciam experiências científicas, mas que, ao crescerem e se tornarem em adolescentes, acabam por se desinteressar do tema, talvez pela sua complexidade se ir adensando. Ora, a intervenção da arte é, nesta fase, providencial. As cores, sons, texturas, aromas e sabores de várias experiências científicas, tratados de uma forma artística, ou seja, esteticamente apelativa aos sentidos, funcionará como alavanca para o mundo da ciência para o adolescente demasiado absorvido pelas facilidades da tecnologia – que mais não é do que «ciência digerida».

Conclua-se, pois, que a arte atrai um público possivelmente diverso daquele que irá assistir a uma palestra científica. Conjuguem-se ambos os gostos, ambos os interesses, ambas as formas de ver e estar na vida e consiga-se uma maior e mais vasta audiência, tanto para as exposições de índole científica, como para as outras, de pendor artístico. O público ficará surpreendido e tenderá a aderir ao conceito com prazer, permitindo que a torrente de conhecimento o invada de forma indelével, até porque os opostos se atraem e a arte e a ciência são, definitivamente, opostos que, atraindo-se, augura-se que se dêem às mil maravilhas.

Isabel Rodrigues

Título: Arte e ciência – que relação?

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 527

777 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Arus Wood Conceptsbrunelly

    10-05-2011 às 14:30:18

    eu como estudante concordo prenamente com está resposta

    ¬ Responder
  • mdhgytsmdhgyts

    19-04-2011 às 19:04:51

    jjjçkntertdhijihh

    ¬ Responder
  • mataburrosmataburros

    30-05-2012 às 14:21:29

    burro do caralho

    ¬ Responder
  • Regina Maris Barbosa de SiqueiraRegina Maris Barbosa de Siqueira

    29-08-2009 às 02:33:11

    Gostei muito, concordo plenamente com o texto sobre Relaçao Arte-Ciência. Tenho formação em Artes Visuais e acho que a Arte sobre todas suas formas de expressão deve ser valorizada, incentivada cada vez mais nas escolas, interligada as ciências p/ benificio maior de todos.

    ¬ Responder

Comentários - Arte e ciência – que relação?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios