Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Arte da Babilónia

Arte da Babilónia

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 56
Arte da Babilónia

A Babilónia dominou durante 300 anos. O mais famoso governante foi Hammurabi (1792-1750). A cidade de Babilónia assumiu o papel dominante anteriormente desempenhado por Acad e Ur. Hammurabi designava-se como o servo de Shamash, afirmando como missão fazer justiça prevalecer na terra e que os fortes não oprimiam os fracos.

A Babilónia amorita engloba um enorme testemunho, o Código de Hammurabi. Este ficou conhecido principalmente pelo seu código de leis. Gravado numa estela negra de basalto com mais de 2 metros de altura. No topo da estela, Hammurabi é representada em relevo, de pé, com a mão na boca. Tem um gorro de lã, o Rei Babilónico, e uma túnica grande até aos pés. Os reis e os governadores são os únicos que usam um gorro de lã. Sentado está Samash e tem chamas a sair dos ombros. Tem uma sai de folhos, uma cornamenta com 4 par de cornos (um deus muito importante), os pés do deus não assentam diretamente no chão, mas numa base que representa simbolicamente a terra. O deus-Sol estende a mão, que segura o anel de corda e bastão de medição – atributos da realeza. Hammurabi e Samash fitam-se num olha intenso.

Também na Babilónia produzem-se os cilindros-selos, que já vimos na Suméria. Temos como exemplo, o cilindro-selo com árvore da vida ladeada por animais, e o cilindro-selo com alguém a interceder por outra pessoa.

O Palácio de Mari tem uma arquitetura labiríntica e aparentemente desordenada.
A cena de ilibação, o deus está sentado, os pés não assentam diretamente no chão. O rei faz uma libação. A água jorra pelo vaso para o altar. O Rei é de Mari, tem barba e um gorro de lã. Para além do deus e do rei está uma deusa atrás com a cornamenta, saia com folhas e colar.
Águia Imdugud é uma águia com cabeça de leoa.

Esta época é marcada pela debilidade da produção artística, pois mantem-se o uso do gorro de lã – mensagem de arcaísmo, e o apogeu político hamurábico. Temos duas Babilónias: a amorita e a cassita. A amorita já falamos em cima. A cassita marca-se pelos kudurros, uma pedra que marca a fronteira.


Daniela Vicente

Título: Arte da Babilónia

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 56

779 

Comentários - Arte da Babilónia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios