Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > Veleiro Dingue

Veleiro Dingue

Categoria: Barcos
Visitas: 24
Comentários: 8
Veleiro Dingue

O Dingue é o primeiro veleiro com definidas regras a ser construído no Brasil. O objetivo deste veleiro é ser de fácil construção e navegação. Ele foi projetado para participar tanto de passeios familiares como de competições e regatas. Ele foi idealizado por Miguel Pomar, um engenheiro naval brasileiro, em 1978. A intenção inicial de Miguel era constuir um barco em que pudesse levar sua família a passeios náuticos e ainda poder deslocar este barco facilmente, tendo um tamanho prático para facilitar essa locomoção. Diante desse contexto surgiu o veleiro Dingue, conquistando muitos adeptos, tanto iniciantes na arte de velejar, quanto os mais experientes e competitivos.

Já em prática, o novo modelo foi bem recebido e no ano seguinte de sua inauguração, já foi realizado o primeiro campeonato de Dingue. De 1993 até 1997, esse modelo de veleiro deixou de ser fabricado no Brasil, retornando em 1998 e conquistando ainda mais adeptos não só no Brasil como também em Portugal.

Segundo os mais experientes em passeios e competições náuticas, o veleiro Dingue é um barco de manuseio simples, alta estabilidade e bom desempenho. É um barco confortável e seu espaço físico garante segurança aos velejadores, especialmente aqueles que estão iniciando na atividade. O interessante desse veleiro é que ele é composto por placas de isopor em seu interior, não o deixando submergir mesmo em caso de perfuração do casco. É construído com fibra de vidro e resina. O espaço interno é composto por dois compartimentos distintos. Um deles permite manter lanches e bebidas geladas, afinal o veleiro foi projetado também para passeios familiares e o outro mantém a bagagem intacta durante a navegação.

Seu deslocamento é facilmente feito, pois pode ser transportado inclusive no reboque ou no teto de carros. Este veleiro mede um pouco mais de quatro metros de comprimento e seu casco pesa oitenta e cinco quilos. É um dos campeões na escolha de navegação nas escolas de vela. Existem alguns acessórios que podem ser acrescentos ao veleiro, dando mais qualidade à atividade náutica. A velejada pode ser melhor sucedida com o auxílio de uma biruta que dá com precisão a direção do vento. Outro acessório que pode ser útil é uma vela de baixar e içar, pois com ela pode-se economizar tempo na montagem do veleiro. Um reboque ou uma carreta apropriada para transportar o veleiro é fundamental para o seu deslocamento.

Conforme o uso, algumas manutenções estéticas podem ser feitas como trocar o suporte do leme, retirar os riscos do casco, lavar o veleiro e colocar numerais nas velas. Antes de cada velejada é importante observar se está tudo de acordo com o veleiro, assim como avaliar os perigos do local e do clima em que se pretende velejar. Pensar na segurança pessoal também é fundamental. Um colete salva-vidas de boa qualidade deve ser providenciado, roupas adequadas à temperatura para evitar hiportemia, boné e filtro solar para climas mais quentes. Estes são alguns passos importantes a serem observados antes da entrada no mar. Isso garantirá um passeio ou uma competição seguros.

Para competições o veleiro Dingue abriga dois velejadores e nos momentos de lazer pode levar até quatro pessoas. É um veleiro mais barato que os demais, por isso tantos adeptos. Já foram construídos e vendidos mais de três mil desses barcos. É recomendado antes da compra do veleiro que se faça a sua montagem a fim de examinar todas as peças e o estado do veleiro e sua conservação. Testá-lo na água também é uma boa dica antes da compra.


Rosana Fernandes

Título: Veleiro Dingue

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 24

807 

Imagem por: _cck_

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 8 )    recentes

  • SophiaSophia

    23-04-2014 às 16:09:23

    A Rua Direita achou bem interessante esse veleiro Dingue. Parece ser um passeio bem especial, principalmente, com familiares, amigos e ao lado da pessoa que se ama! Muito bom seu texto, adorei!

    ¬ Responder
  • oraniorani

    30-04-2012 às 20:54:18

    COMPRO UM VELEIRO HOLD

    ¬ Responder
  • Wanderley FernandesWanderley Fernandes

    19-06-2011 às 23:00:55

    Bom noite.

    Há três meses, mudei-me para perto da Represa de Guarapiranga, na capital paulista.
    Meus três filhos (9, 11 e 12 anos) estão matriculados no curso de vela (OPTIMIST).
    Em conversa com o Ricardo Munhoz ( do Clube Tempo), como minha mulher já velejou com um veleiro 420, sugeriu-me a aquisição de um dingue para "a família velejar", pois é um excelente veleiro e atende nossas necessidades.
    Todavia, como não disponho de numerário para adquirir um veleiro novo, entro em contato para obter informações sobre a venda de dingue usado, revisado e de procedência da própria fábrica ou indicações de parceiros que atuam neste comércio aqui em São Paulo.

    Aguardo retorno.

    Obrigado

    Wanderley Fernandes

    (11) 5666-9809 (11) 9205-7310 (CEL)

    ¬ Responder
  • Eduardo ManoelEduardo Manoel

    13-05-2011 às 17:10:57

    Ótima Matéria Rosana.
    Estou procurando um para mim, é um veleiro único.

    Eduardo Manoel

    ¬ Responder
  • Francisco LopesFrancisco Lopes

    05-04-2011 às 02:17:14

    Tenho um veleiro Dingue completo para vender com carreta rodoviária. Encontra-se em Ubatuba na Praia do Lázaro. Documentação do veleiro e da carreta perfeitamente em ordem. Preço R$ 7.000,00.
    Tel. 011-7354-6387

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRonaldo

    07-05-2013 às 13:45:25

    Olá Francisco,

    Já vendeu o barco?

    ¬ Responder
  • antonio marcos

    06-03-2013 às 16:36:56

    me interesso pelo dingue me manda fotos e quanto da pra fazer no minomo,pois tenho 5 mil a vista

    ¬ Responder
  • Antônio MarceloAntônio Marcelo

    17-01-2011 às 17:55:11

    Rosana parabens pelo seu artigo, vc poderia me ajudar a encontrar um dingue a venda ?

    att;

    antônio marcelo

    ¬ Responder

Comentários - Veleiro Dingue

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: _cck_

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios