Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > Barco à vela

Barco à vela

Categoria: Barcos
Visitas: 2
Comentários: 1
Barco à vela

Falemos de um barco muito conhecido, muito histórico e que tende a evoluir com o passar das décadas, o barco à vela. Ele “diz a história” apareceu no Mar Mediterrâneo, usado pelos gregos e depois pelos romanos, com velas ainda nada desenvolvidas, aproveitavam os ventos com esta nova forma de barco para poderem aproveitar a sua deixa para talvez seus afazeres. A vela conhecida como latina, e muito popular pela sua forma triangular, muito manobrável, foi assim utilizada como fins pesqueiros na idade média pelos genoveses em comércio com Bizâncio, passando depois pelos Vikings, estes aperfeiçoaram o sistema da vela e da quilha, usando não só a forma da vela triangular como também quadrada para “combater” assim as adversidades conforme o mar lhes propunha. Por fim, seguiu-se o aproveitamento pelos ibéricos, que em caravelas alvejaram muitas das suas descobertas. Já com o apogeu no início do século XIX, quando os grandes “CLIPPERS” , estes eram os reis dos mares, foram então depois superados como meio de transporte pelo barco a vapor, mas sobreviveram como barco delazer e exporte. Existem alguns tipos de veleiros, como por exemplo no quadro dos veleiros latinos temos o Chalupa (embarcação de pequeno porte), o Cúter (veleiro de pequeno porte com um só mastro), o Ketch (veleiro com dois mastros) e o Yaw (embarcação de pequeno porte). Já no tipo de veleiros redondos temos a Barca (tipo de embarcação de transporte marítimo e fluvial), o Brigue (tipo de embarcação à vela, com dois/três mastros) e o Galera (tipo de veleiro de três ou mais mastros e de vela redonda). Existem também outros tipos de veleiros, dos quais o Lugre (é um veleiro com três ou mais mastros), o Clipper (é um tipo de veleiro mercante de grande porte muito veloz), Patacho ( é um barco à vela, de dois mastros tendo, a vela de proa redonda), Escuna (é um tipo de veleiro caracterizado por usar velas de popa a proa em dois ou mais mastros), Palhabote (veleiro de dois mastros) Iate (embarcação à vela ou motor) e o Bergantim ( é uma embarcação do tipo da galé, de um a dois mastros e velas redondas ) Para quem não sabe, um veleiro é uma embarcação propelida por um velame, com um conjunto de velas com próprios recortes, estes calculados ao pormenor, sendo elas apoiadas por um ou mais mastros controlados por vários cabos, e a todo este sistema se dá o nome de armadoria.

André Belacorça

Título: Barco à vela

Autor: André Belacorça (todos os textos)

Visitas: 2

807 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 06:25:48

    Nunca esqueceremos dos barcos à vela.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Barco à vela

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios