Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Romantismo em Portugal

Romantismo em Portugal

Categoria: Arte
Visitas: 12
Romantismo em Portugal

Portugal recebeu o Romantismo pelos poemas Camões e D. Branca, de Almeida Garret. O escritor nasceu no porto, a 4 de Fevereiro de 1799. Com o golpe absolutista por parte de D. Miguel em Vila Franca de Xira, Almeida Garret viu-se obrigado a exilar para a Inglaterra, onde encontrou a sua inspiração: o romantismo. Morreu com 55 anos, em Lisboa.

Na arquitectura do Romantismo destaca-se a figura D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha (de origem austríaca), o segundo marido da rainha portuguesa D. Maria II, cognominada a Educadora (1826-1853).

D. Maria da Glória Joana Carlota Leopoldina da Cruz Francisca Xavier de Paula Isidora Micaela Rafaela Gonzaga nasceu a 4 de Abril de 1819, no Rio de Janeiro, filha do rei D. Pedro IV e de D. Leopoldina de Áustria. Aos sete anos, o seu pai abdica do trono em seu favor com a condição de esta casar com o seu tio D. Miguel, o que não chegou a acontecer.

Subiu ao trono a 2 de Maio de 1826, mas só começou a governar em 1834, com quinze anos. Em 1815, casou pela primeira vez com o príncipe Augusto Luchtenberg, que morreu dois meses depois. Só voltaria a casar em 1836 com D. Fernando. Deste matrimónio surgiram onze filhos (Pedro, Luís, João, Maria Ana, Maria Antónia, Fernando, Augusto, Maria, Leopoldo, Maria e Eugénio). D. Maria morreu, em Lisboa, em 15 de Novembro de 1853. O seu marido, D. Fernando faleceu muito tempo depois, a 15 de Dezembro de 1885, em Portugal. Ficou conhecido por «Rei-Artista».

Na arquitectura destaca-se o Palácio da Pena, o Palácio de Monserrate e a Quinta da Regaleira em Sintra, Praça de Touros do Campo Pequeno e a Estação do Rossio, em Lisboa.

Na escultura, como já tina acontecido na Europa, teve pouco destaque em Portugal. Destacam-se os nomes de Simões de Almeida, António Soares dos Reis e António Teixeira Lopes.

Na pintura, os artistas usam temas como a Natureza para transmitir os seus estados de espírito. Destacamos Domingos António Sequeira, Tomás da Anunciação, Luís Pereira Menezes e Francisco Metrass.

O Romantismo mostrou-se uma cultura de burguês, ao contrário do Classicismo, que era uma cultura de elites. Tudo começou com a Revolução Industrial, que passou o poder monetário para os burgueses. O equilíbrio deu lugar à desordem.


Daniela Vicente

Título: Romantismo em Portugal

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 12

763 

Comentários - Romantismo em Portugal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios