Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Materiais Construção > Revestimento de gesso liso

Revestimento de gesso liso

Visitas: 43
Comentários: 12
Revestimento de gesso liso

Este tipo de revestimento seja para acabamento de paredes ou tetos traz agilidade e economia para a sua construção. De aplicação fácil e rápida em paredes e tetos, o gesso liso proporciona ao construtor uma serie de vantagens, desde que ele seja bem planejado e executado.

A escolha do gesso liso como revestimento nos empreendimentos de construção, tem sido impulsionada pela busca por otimização de custos na obra.

Para que este tipo de revestimento tenha um bom desempenho e durabilidade prolongada, alguns cuidados precisam ser observados tanto no processo de escolha quanto na sua execução.

A resistência da massa de gesso varia de acordo com a temperatura e o tempo de calcinação a qual a gipsita foi exposta, sua finura, a quantidade de água usada de amassamento e os aditivos também presentes na sua composição.

Os revestimentos de gesso liso de pega mais rápida, possuem elevada finura e alta resistência.

Um fator que pode alterar a pega é a falta ou excesso de água de amassamento em relação aos demais valores adicionados. A taxa ideal de água recomendada na hidratação é de 18,6 %.

O gesso é altamente solúvel e é justamente por este motivo que ele deve ser aplicado em áreas internas livres de qualquer umidade.

Antes de começar o processo de execução do revestimento é preciso que o substrato (bloco de concreto ou reboco) esteja completamente seco, por isso é recomendado um período de 30 dias entre a finalização do substrato e o inicio da execução do gesso.

Após o período de 30 dias o prumo das paredes deve ser verificado, esta correção e de outras eventuais falhas e vazios deveram ser feitos com argamassa. Estas falhas e imperfeições podem interferir no processo de aplicação e comprometer o resultado final que era esperado.

A aplicação do gesso em lajes, por suas superfícies, é necessário uma ponte de aderência, recomenda-se o uso de chapisco rolado, isto serve para garantir a fixação do aglomerado.

Independente do tipo de preparação da superfície onde o revestimento de gesso liso será utilizado, o processo de aplicação é o mesmo. Devendo ser iniciado pelo teto e se estendendo pelas paredes, primeiro pela parte superior e depois a inferior, faça a aplicação das partes superiores com o auxilio de um andaime para ter maior mobilidade e segurança.

Há duas opções de revestimento, o sarrafeado e o desempenado.

No sarrafeamento as faixas mestras e as taliscas proporcionam uma superfície mais rigorosa e plana.

As patologias mais comuns são trincas e fissuras, normalmente ocasionadas por espessura superior a 5 mm, movimentações na estrutura de alvenaria e pela junção das lajes com a alvenaria, pois estas também estão sujeitas as tensões estruturais.


Fabiane Martello

Título: Revestimento de gesso liso

Autor: Fabiane Martello (todos os textos)

Visitas: 43

797 

Imagem por: Tara Severns

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 12 )    recentes

  • SophiaSophia

    12-05-2014 às 04:18:55

    É uma boa opção de revestimento, o gesso liso proporciona maior absorção e tem baixo custo.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Raquel Velasquez

    23-08-2013 às 01:59:38

    Tinha a intenção de colocar gesso nos quartos em uma casa que estou construindo.No entanto meu pedreiro sem minha autorização para ganhar o reboco acabou chapiscando tudo. O que eu faço agora? Termino o reboco e passo uma camada de gesso? Nao gostaria de gastar com massa corrida e agüentar a sujeira. Ele me cobrou pelo chapisco 3,00 o m², já o reboco vai sair 13,00 m² e o gesso 13,00 o m². Obrigada

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãomaria

    29-10-2013 às 13:05:54

    ainda bem que pedreiro chapiscou tudo, ele fez muito bem na sua contrução, só assim o reboco vai grudar melhor e trazer bons beneficos para suas paredes

    ¬ Responder
  • asleyrodrigues lima

    27-07-2013 às 15:10:45

    presto serviço na cmo em goiania se precisa

    ¬ Responder
  • JUNIOR SILVA

    07-07-2013 às 19:27:49

    ___

    ** APLICAÇÃO DE GESSO - GRAFIOATO - TEXTURA - PINTURA **
    ___

    * TEL: (11) 4752-0495
    * CEL: (13) 8167-0279 (TIM)

    Falar com JUNIOR.

    ¬ Responder
  • Monica

    08-04-2013 às 23:32:52

    Olá, estou construindo dois quartos em minha casa(sobrado)e meu pedreiro sujeriu aplicar gesso ao invés do reboco. Só q minha casa na parte de baixo tem várias tricas, estou com medo de acontecer o mesmo na parte de cima. O q devo fazer?
    Desde já agradeço...

    ¬ Responder
  • Erique Melo

    12-03-2013 às 23:52:56

    Estou construindo um pequeno prédio de 3 andares residencial e gostaria de uma média de preço por m2 de revestimento interno com gesso sarrafeado ou desempenado. Obrigado e no aguardo.

    ¬ Responder
  • Livio

    23-10-2012 às 18:48:02

    Fiz uma lage com EPS de 5.20x3.10 = 16.12 m² e revesti com gesso liso diretamente sobre o EPS.
    Apareceram diveras trincas , mais ou menos parecidas com as divisões do casco da tartaruga.
    Isso pode acontecer ou será um defeito estrutural da lage.
    Foram detectadas as fissuras, pois só são visiveis por baixo, não notadas na parte superior da lage, apasar de ter sido feito um contrapiso para correção de declividade, depois da aplicação do gesso

    Att
    Livio Martins

    ¬ Responder
  • Luiz Cláudio

    25-10-2012 às 20:56:59

    Estrutural não foi, se não teria trincas na parte superior, o que pode ter ocorrido foi a falta de aplicação de um produto chamado bianco, muito gesseiro custumam diluí-lo em muita água pra poder render, sendo que para tijolos, blocos e concreto a diluição é 1L de bianco para 1,5L de água e no caso de lajes de isopor 1L de bianco para 1L de água, muitos gesseiros usam água ou uma diluição fora do recomendado pelo fabricante, infelizmente !

    ¬ Responder
  • Eliane Maria Vasconcelos BezerraAdemar Eismann

    24-03-2012 às 23:59:13

    Gostaria de saber se posso aplicar gesso numa parede onde tem azulejos, e se for possivel como devo fazer para a colocação.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoLuiz Cláudio

    29-11-2012 às 22:10:07

    Não, o gesso não pega em azulejos, o mais recomendado é arrancar os azulejos, argamassa e em seguida picotar sua parede, passar bianco e assim passar o gesso.

    ¬ Responder
  • valdecirvaldecir

    01-02-2011 às 21:43:10

    Boa noite , estou iniciando com revestimento de gesso . gostaria ter mais informaçoes e tecnicas para esse processo de trabalho com gesso , aguardo retorno

    ¬ Responder

Comentários - Revestimento de gesso liso

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: Tara Severns

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios