Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Os primórdios da arte

Os primórdios da arte

Categoria: Arte
Visitas: 50
Os primórdios da arte

No Paleolítico Superior, a escrita era falada e utilizada como uma forma de reter informações para que estas não caíssem no esquecimento. No entanto, “falar” abrangia a comunicação através de grunhidos e da arte rupestre e não de letras e frases.

Embora o som seja importante para comunicar – grunhidos, música -, a arte rupestre é sem dúvida a maneira de comunicar mais marcante deste período, pois teve um desenvolvimento fantástico, que ainda hoje é visível em muitas cavernas espalhadas pela Europa – Lascaux, Chauvet, Altamira, Cosquer, entre outras.

Em relação ao som, há provas que podem levar à conclusão de que o Paleolítico Superior recorria a este método: a existência de tubos de ossos que hoje são usados como flautas, a descoberta do crânio de um mamute que poderá ter sido utilizado como tambor e, por fim, a presença de representações feitas pelos artistas de supostos indivíduos a tocar instrumentos.

Respectivamente à arte rupestre, esta era desenhada em cavernas e grutas com sangue, saliva, argila ou/e excrementos de morcego. Consta-se que a arte rupestre atingiu o apogeu no Magdalenense.

O Homo Sapiens Sapiens dominava técnicas sofisticadas para elaborar as ferramentas essenciais para capturar os seus alimentos. Grande parte destes alimentos era adquirida através da pesca e da caça, o que exigia técnicas e materiais específicos. Estas técnicas passavam de geração em geração através de um processo de demonstração, que funcionava como mais um elemento de aprendizagem. Portanto, o domínio destas técnicas exigia uma capacidade de memória de execução que se mantinha a longo prazo e era comum a todas as comunidades. A pesca e a caça eram temas utilizados pelos artistas na pintura. Logo, podemos deduzir que a arte rupestre era utilizada como suporte de memória, pois estes desenhavam as actividades – pesca, caça – ilustrando as técnicas e as ferramentas com que matavam o animal.

A arte era usada para comunicar com outras pessoas, sobretudo, dentro de um grupo de artistas ou de uma comunidade. Estes tinham como preferência desenhar animais, como o cavalo e o bisonte, mas também desenhavam cenas do quotidiano e gráficos. No entanto, os animais não eram desenhados aleatoriamente, pois um determinado animal estava destinado a ser desenhado num certo lugar, levando-nos a concluir que estamos perante sinais que são partilhados. Os gráficos representavam símbolos para os habitantes deste período. Actualmente, a representação incompleta dos animais, como por exemplo, a crina do cavalo, ainda é incompreensível.

O homem pré-histórico é, incrivelmente, observador e capta a realidade com grande precisão passando para as paredes e tectos da gruta esse realismo. Mais do que observador, é também inteligente, pois consegue aproveitar a morfologia das rochas para desenhar o movimento dos animais ou as características do seu corpo. Ao preservar este seu património, o homem pré-histórico, consciente ou inconscientemente, está a comunicar, pois está a passar para os povos seguintes informações do que aconteceu naquele período.
Existem indícios de que algumas cavernas decoradas foram visitadas várias vezes ao longo de milhares de anos. Os indivíduos que operavam nestas cavernas aparentam respeitar os padrões já existentes, de forma a não invadir os seus limites. É possível que estes visitantes tenham mantido na memória os significados das representações.

Algumas descrições foram também aparentemente retocadas, dado que se distinguem traços sobrepostos ou reunidos em algumas figuras. Em alguns casos estas alterações poderão ter sido executadas num curto espaço de tempo, no entanto, outras terão sido feitas milénios após a sua primeira realização. Pode também acontecer, apesar de mais raramente, que o novo grupo de visitantes destrua as pinturas dos seus antecessores.


Daniela Vicente

Título: Os primórdios da arte

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 50

723 

Comentários - Os primórdios da arte

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento\"Rua
A pneumonia é uma infecção bacteriana ou viral dos pulmões. Os sintomas podem incluir febre, calafrios, falta de ar, tosse que produz fleuma e dor no peito. Geralmente, a pneumonia pode ser tratada com sucesso em casa com antibióticos, mas alguns casos podem exigir hospitalização e podem resultar em morte. Vacinas estão disponíveis contra alguns dos agentes infecciosos mais comuns que causam pneumonia.

Causas de pneumonia
A pneumonia é uma infecção das bolsas de ar nos pulmões, sendo causada por bactérias, vírus ou, raramente, fungos. A maioria dos casos de pneumonia são causados por bactérias, mais comumente Streptococcus (doença pneumocócica), mas a pneumonia viral é mais comum em crianças.
 
Qualquer pessoa pode desenvolver pneumonia, mas alguns grupos estão em maior risco. Estes incluem:
- Bebês e crianças pequenas, particularmente aqueles nascidos prematuramente
- Pessoas que tiveram uma infecção viral recente, como um resfriado ou gripe
- Fumantes
- Pessoas com condições pulmonares crônicas, como asma, bronquite ou bronquiectasias
- Pessoas com sistema imunológico enfraquecido
- Pessoas que bebem álcool em excesso
- Pacientes hospitalizados
- Pessoas que tiveram problemas de deglutição ou tosse após um acidente vascular cerebral ou outra lesão cerebral
- Pessoas com 65 anos ou mais.
A pneumonia pode desenvolver-se quando uma pessoa respira as pequenas gotículas que contêm pneumonia, mas também pode ocorrer quando bactérias ou vírus que estão normalmente presentes na boca, nariz e garganta, entram nos pulmões.

sinais e sintomas de pneumonia
A pneumonia viral tende a desenvolver-se lentamente ao longo de vários dias, enquanto que, geralmente, a pneumonia bacteriana desenvolve-se rapidamente, muitas vezes ao longo de um dia.
A maioria das pessoas que desenvolvem pneumonia, inicialmente, têm uma infecção viral, como um resfriado ou gripe, que produz sintomas como dor de cabeça, dores musculares e febre. Se uma pneumonia se desenvolver, geralmente, os sintomas incluem:
- Febre alta
- Calafrios
- Falta de ar
Aumento da frequência respiratória
- Uma tosse que piora e que pode produzir escarro descolorido ou sangrento (fleuma)
- Dores no peito causadas pela inflamação da membrana que reveste os pulmões.

Em bebês e crianças, os sintomas podem ser menos específicos e podem não mostrar sinais claros de uma infecção no peito. Comumente eles terão uma febre alta, podendo parecer muito indispostos e tornarem-se letárgicos, mas eles também podem produzir uma respiração barulhenta e apresentar dificuldade para se alimentarem.
 
Também é possível que a pele, lábios e unhas se possam tornar-se azulados. Este é um sinal de que os pulmões são incapazes de fornecer oxigênio suficiente para o corpo. Se isso ocorrer, é vital procurar assistência médica imediatamente.

Diagnóstico para pneumonia
Se houver suspeita de pneumonia, é importante procurar atendimento médico com prontidão para que um diagnóstico preciso e um tratamento adequado possam ser implementados.

O médico poderá obter um histórico médico e realizar um exame físico. Durante o exame, o médico ouvirá o tórax com um estetoscópio. Respiração grosseira, sons crepitantes, sibilos e sons respiratórios reduzidos numa determinada parte dos pulmões podem indicar pneumonia.
Geralmente, para confirmar o diagnóstico, realiza-se uma radiografia de tórax. O raio-X mostrará a área do pulmão afetada pela pneumonia. Também podem ser efectuadas análises ao sangue e uma amostra do escarro pode ser enviada para um laboratório para realização de testes.

Tratamento de pneumonia
A maioria dos casos de pneumonia podem ser tratados em casa. Entretanto, bebês, crianças e pessoas com pneumonia grave podem precisar de ser internados num hospital para tratamento.
Geralmente, a pneumonia é tratada com antibióticos, mesmo que exista suspeita de pneumonia viral, já que também pode haver um grau de infecção bacteriana. O tipo de antibiótico utilizado e a forma como será administrado serão determinados pela gravidade e causa da pneumonia.
Se a pneumonia puder ser tratada em casa, geralmente, o tratamento inclui:
- Antibióticos, administrados por via oral sob a forma de comprimidos ou líquidos
- Medicamentos para alívio da dor
- Paracetamol para reduzir a febre
- Descansar

Se for necessário tratamento hospitalar, gerlamente, o tratamento inclui:
- Antibióticos administrados por via intravenosa
- Terapia de oxigênio, para garantir que o corpo receba o oxigênio de que precisa
- Fluidos intravenosos, para corrigir a desidratação ou se a pessoa estiver muito indisposta para comer ou beber
- Fisioterapia, para ajudar a limpar o escarro dos pulmões.

Pesquisar mais textos:

José Antunes

Título:Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento

Autor:José Antunes(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios