Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Comentários: 1
Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

O livro: “Conversas de Escritores” escrito por José Rodrigues dos Santos é uma delícia. Temos várias entrevistas a vários Grandes Escritores contemporâneos, nomeadamente a Ian McEvan, Luís Spúlveda, Paulo coelho, Miguel Sousa Tavares, Isabel Allende, José Saramago,Dan Brown entre outros. Apesar de serem escritores tão diferentes, têm particularidades em comum. Na minha opinião, aquilo que os diferencia uns dos outros é ao mesmo tempo aquilo que os une. Parece confuso? Eu explico melhor. Cada um destes escritores tem o seu género literário, e o seu estilo próprio. No entanto, ao longo das várias entrevistas podemos descobrir pontos em que qualquer escritor do mundo se revê. Falo da grande paixão pela escrita, pelo simples prazer de escrever que é comum a todos eles.

Ao longo do livro também podemos ter uma ideia dos hábitos e rituais que cada escritor usa para se inspirar e para trabalhar bem as palavras. Alguns Escrevem melhor se mantiverem todos os dias a mesma rotina. Há quem escreva com o ar fresco da manhã, há quem escreva mais à tardinha, e até há quem escreva pela noite fora como é o caso de Miguel sousa Tavares, e como é o meu caso também. Não é por acaso que me chamam. Rainha das Insónias.

Apesar de, por vezes, me obrigar a criar horários específicos para escrever, prefiro escrever ao entardecer ou pela noite fora. À noite a minha mente está muito mais límpida e com um raciocínio muito mais sólido do que de manhã ou ao longo do dia. Porque gosto de escrever sem ter interrupções barulhentas de pessoas a falar, carros a passar ou a buzinar, o telemóvel a tocar, e essas coisas terminadas em ar, que chegam a me desconcentrar por completo naquilo que estou a tentar fazer. Prefiro o silêncio da noite ou o chilrear dos pássaros na árvore mais próxima. Isso sim, isso é que me inspira.

O livro “Conversas de Escritores” tem sido uma inspiração constante para mim, pois já o li tantas vezes e nunca me fartei . Aprendo sempre qualquer coisa. Enquanto o leio, sinto que é quase como se fosse uma entrevista feita por mim própria a esses mesmos escritores. É uma busca para as respostas que preciso para escrever o melhor possível. É como se fosse um manual de instruções que me guia sempre, quer tenha alguma dúvida literária, quer não. Este livro faz-me entender melhor quem eu sou, e onde me encaixo neste mundo.

Recomendo vivamente que o leiam. Principalmente porque aprendemos sempre com as relações humanas. Temos sempre muito a aprender uns com os outros nesse entrosamento de vidas e culturas tão diferentes. No meu entender ficamos mais ricos.


Jovita Capitão

Título: Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 0

617 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Destro Zola

    10-12-2012 às 09:38:10

    Sou um jovem escritor, Angolano e vivo em Luanda. Ainda não tive a oportunidade de ler este livro que, pelo facto de muitos terem tido comentado, acho ele belo. E, espero lé -lo um dia... José Rodrigues dos Santos é um dos escritores contemporáneos lusófono, talvez, mais lido.

    ¬ Responder

Comentários - Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios