Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Comentários: 1
Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

O livro: “Conversas de Escritores” escrito por José Rodrigues dos Santos é uma delícia. Temos várias entrevistas a vários Grandes Escritores contemporâneos, nomeadamente a Ian McEvan, Luís Spúlveda, Paulo coelho, Miguel Sousa Tavares, Isabel Allende, José Saramago,Dan Brown entre outros. Apesar de serem escritores tão diferentes, têm particularidades em comum. Na minha opinião, aquilo que os diferencia uns dos outros é ao mesmo tempo aquilo que os une. Parece confuso? Eu explico melhor. Cada um destes escritores tem o seu género literário, e o seu estilo próprio. No entanto, ao longo das várias entrevistas podemos descobrir pontos em que qualquer escritor do mundo se revê. Falo da grande paixão pela escrita, pelo simples prazer de escrever que é comum a todos eles.

Ao longo do livro também podemos ter uma ideia dos hábitos e rituais que cada escritor usa para se inspirar e para trabalhar bem as palavras. Alguns Escrevem melhor se mantiverem todos os dias a mesma rotina. Há quem escreva com o ar fresco da manhã, há quem escreva mais à tardinha, e até há quem escreva pela noite fora como é o caso de Miguel sousa Tavares, e como é o meu caso também. Não é por acaso que me chamam. Rainha das Insónias.

Apesar de, por vezes, me obrigar a criar horários específicos para escrever, prefiro escrever ao entardecer ou pela noite fora. À noite a minha mente está muito mais límpida e com um raciocínio muito mais sólido do que de manhã ou ao longo do dia. Porque gosto de escrever sem ter interrupções barulhentas de pessoas a falar, carros a passar ou a buzinar, o telemóvel a tocar, e essas coisas terminadas em ar, que chegam a me desconcentrar por completo naquilo que estou a tentar fazer. Prefiro o silêncio da noite ou o chilrear dos pássaros na árvore mais próxima. Isso sim, isso é que me inspira.

O livro “Conversas de Escritores” tem sido uma inspiração constante para mim, pois já o li tantas vezes e nunca me fartei . Aprendo sempre qualquer coisa. Enquanto o leio, sinto que é quase como se fosse uma entrevista feita por mim própria a esses mesmos escritores. É uma busca para as respostas que preciso para escrever o melhor possível. É como se fosse um manual de instruções que me guia sempre, quer tenha alguma dúvida literária, quer não. Este livro faz-me entender melhor quem eu sou, e onde me encaixo neste mundo.

Recomendo vivamente que o leiam. Principalmente porque aprendemos sempre com as relações humanas. Temos sempre muito a aprender uns com os outros nesse entrosamento de vidas e culturas tão diferentes. No meu entender ficamos mais ricos.


Jovita Capitão

Título: Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 0

617 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Destro Zola

    10-12-2012 às 09:38:10

    Sou um jovem escritor, Angolano e vivo em Luanda. Ainda não tive a oportunidade de ler este livro que, pelo facto de muitos terem tido comentado, acho ele belo. E, espero lé -lo um dia... José Rodrigues dos Santos é um dos escritores contemporáneos lusófono, talvez, mais lido.

    ¬ Responder

Comentários - Crítica ao livro: “Conversas de Escritores”.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios