Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A Inquisição Em Portugal

A Inquisição Em Portugal

Categoria: Outros
A Inquisição Em Portugal

No século XVI, encontramos a Europa dividida em dois blocos opostos: uma Europa conservadora, do lado de Roma, e uma Europa contestatária, contra Roma.

Em Portugal, a Inquisição ganha forma no reinado de D. João III, quando o governo se apercebe que os cristãos-novos continuavam a ser judeus, ou seja, estavam a cometer um crime apostasia, punido com pena de morte, assim como o confisco dos seus bens.

Foi no início do reinado de D. Manuel, que se deu a expulsão e conversão dos judeus aos Cristianismo. Aqueles que não quiseram aceitar a nova religião tiveram que sair do reino até ao final de Outubro de 1497, um ano depois de ter sido assinado, em Muge, a ordem de expulsão dos judeus e dos mouros (5 de Dezembro de 1496). Esta lei foi feita por D. Manuel para casar com D. Isabel, filha dos Reis Católicos (o que acabou por acontecer em Valência nos primeiros dias de Outubro).

O primeiro baptismo colectivo dos judeus ocorreu a 26 de Março. Vemos, assim, surgir os cristãos-novos. Ficaram proibidos de casar entre si, de possuírem livros em hebraico e de continuarem com as suas práticas judaicas. Só em Setembro, os judeus mais resistentes se converteram, juntando-se em Lisboa para receber o baptismo.

Em 1531, D. João III inicia o processo de organização da Inquisição pedindo licença ao Papa. A bula da Inquisição foi emitida, cinco anos depois, em 1536.

A censura intelectual caía sobre os livros que eram produzidos e vendidos em território nacional e sobre os livros que vinham do estrangeiro repletos de ideias da Europa contestatári, repudiadas pelo Portugal desta altura.

A Inquisição tinha um duplo estatuto: o tribunal eclesiástico, que funcionava com poderes confiados pelo Papa, com o objectivo de perseguir a heresia e os hereges; e o tribunal da coroa, onde o inquisidor-geral era nomeado pelo Papa sob índice do rei, e os membros do Conselho Geral designados por este inquisidor Geral.

Este duplo estatuto da Inquisição permitia o controlo do clero, colocando os inquisidores num plano superior, e o controlo e disciplina da população, impossibilitando esta de cometer qualquer heresia.

Para concluir, o maior número de condenados à morte recaiu sobre os cristãos-novos.


Daniela Vicente

Título: A Inquisição Em Portugal

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 0

628 

Comentários - A Inquisição Em Portugal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios