Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A Reserva Geral Do Museu Nacional De Arqueologia

A Reserva Geral Do Museu Nacional De Arqueologia

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 2
A Reserva Geral Do Museu Nacional De Arqueologia

Aceder à reserva geral do MNA é quase como entrar no céu dos arqueólogos! Mosaicos, estátuas, aras, estelas funerárias, marcos miliários, frisos e outros elementos arquitetónicos, guerreiros galaicos, inscrições em Escrita do Sudoeste, berrões… E, ao longo dos dois níveis, criados graças a uma imponente estrutura metálica (que tem ar de ser bastante recente, apesar de já datar dos anos 80), encontramos estações emblemáticas da história da Arqueologia portuguesa, como Troia de Setúbal, Concheiros de Muge, Alcalar, Escoral…

Depois dessa primeira impressão de deslumbramento, e quando a reserva deixa de ser um “céu” para se tornar num dos habituais lugares de trabalho, começa-se a ter noção da exiguidade do espaço e da falta de alguns meios apropriados à movimentação de alguns dos artefactos ali guardados. No entanto, o pessoal da secção de Inventário de Coleções, ao longo dos vários anos, aprendeu a fazer “milagres” e até parece fácil trabalhar na reserva geral, e aceder e arrumar as centenas de estações arqueológicas, ali contidas – desde que se possua a necessária robustez física para isso! Porém, ao chegarmos ao 2º piso da estrutura metálica, percebemos que esse é um local mais apropriado a funcionários de baixa e muito baixa estatura! Mais perto do teto, o arranque dos arcos que o sustentam dificulta a mobilidade, junto às paredes laterais.

Nas prateleiras, dentro de contentores que armazenam os artefactos de inúmeros sítios arqueológicos, viajamos no tempo, não só ao longo da história humana (quer ao nível tecnológico – desde os machados de pedra lascada até às lucernas romanas –, quer biológico – havendo restos humanos de crianças e adultos), mas também ao longo de várias “técnicas” de acondicionamento dos objetos – podemos encontrar pequenas “antigualhas” (como se costumavam designar os artefactos antigos, principalmente no inícios do século XX) guardadas em caixas de fórforos (algumas, tal como vieram do campo, ainda), remontando ao tempo dos primeiros diretores do Museu, passando por contentores de papelão e/ou cartão, usados nos anos 80, até às caixas feitas num plástico branco, sem ácidos na sua composição e que imitam o cartão. Este novo material plástico tem a vantagem de não estar sujeito a uma degradação cujos produtos resultantes possam pôr em risco a correta conservação das peças armazenadas.

Apesar do pó de alguns vestígios, da presença de uma ou outra osga (úteis para controlar a população de insetos) e do calor que se sente nas tardes de verão (ou em qualquer dia que o sol brilhe mais intensamente), até é um sítio agradável para se trabalhar, sem muito ruído e com boa iluminação.

Não tendo condições perfeitas para a realização de fotografias (há um estúdio fotográfico no MNA para esse efeito), permito, contudo, que se consigam imagens com qualidade suficiente para inventariação e identificação. Assim, durante a minha colaboração com a secção de Inventário, ainda realizei algumas fotografias a peças que me coube classificar.

Ao fim de alguns anos de trabalho no Museu, confesso que ainda sinto um certo fascínio, quer pela reserva geral, quer pela sala seca – onde se guardam os objetos metálicos que, devido à sua natureza, requerem condições especiais de conservação. São verdadeiros mananciais de conhecimento, tais como bibliotecas, mas com livros de leitura muito peculiar.




Paulo c. Alves

Título: A Reserva Geral Do Museu Nacional De Arqueologia

Autor: Paulo c. Alves (todos os textos)

Visitas: 2

603 

Comentários - A Reserva Geral Do Museu Nacional De Arqueologia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Receptores digitais

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: TV HIFI
Receptores digitais\"Rua
Os receptores digitais são instrumentos que têm a função de receber sinal por via de canais digitais.

De acordo com a sua função, estes canais poderão ser satélite ou por cabo. Actualmente, já existem bastantes serviços de televisão por cabo que funcionam apenas com estes receptores, uma vez que é através deles que se consegue ter acesso não só aos canais de serviço, mas também a pacotes codificados.

O serviço de recepção de canais por satélite é um sistema independente para o qual é necessário ter um disco receptor satélite de modo a poder ter canais digitais fora dos serviços prestados pelos operadores de televisão digital.

Este instrumento permite que os próprios ecrãs sem tecnologia digital passem a usufruir desta através destes receptores. No entanto, a melhor qualidade só é garantida com um ecrã já com esta tecnologia.

Os receptores digitais permitem também aceder a uma multiplicidade de serviços, desde que devidamente configurados. Por exemplo, com estes receptores, é possível aceder a menus específicos de pausa de emissão para depois ser continuada, de serviços on-demand ou acesso a portais específicos, entre outros.

Esta pequena caixinha permite ao seu utilizador usufruir da televisão a um novo nível, de modo a que possa ter todas as comodidades no conforto do lar. 

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Receptores digitais

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    04-06-2014 às 06:53:28

    Gostei dos receptores digitais. Bom texto abordando isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios