Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Como trabalhar com um chefe complicado

Como trabalhar com um chefe complicado

Categoria: Empresariais
Visitas: 2
Comentários: 1
Como trabalhar com um chefe complicado

O mundo do trabalho é bastante exigente tanto para chefes como para funcionários.

As relações interpessoais por vezes são difíceis em especial se o chefe for complicado ou tiver mau feitio. Torna-se neste caso necessário saber de algumas regras que podem domar um chefe difícil. Há especialistas de relações profissionais que ajudam a encontrar a melhor forma para problemas laborais. Assim são possíveis os funcionários confrontarem-se com vários tipos de chefes no seu trabalho. Os mais usuais são: o controlador, o nervoso, o safado, o enrolado, o amansador de feras. Todos eles têm características diferentes, sendo necessária uma certa agilidade em lidar com eles.

É muito complicado trabalhar sem motivação, tendo um chefe mal -humorado, difícil ou um banana. No entanto sempre existe um jeito de levar numa boa convivência com um superior insuportável. Convêm que nenhum nervoso ou controlador jogue na lama o sucesso de um funcionário competente.

A grande maioria dos trabalhadores já passou por este problema e teve, eventualmente de controlar a situação. Aliás estima-se que 75% dos pedidos de demissão são devidos exactamente por dificuldades de convivência com o chefe. Mas, gostar ou não do superior, relacionar-se bem com ele é fundamental para a ascensão da carreira.

O melhor a fazer com chefes problemáticos é contra atacar, concentrar nas atitudes e nunca levar para o lado pessoal.

Dividir a culpa, achando que se tem parte da responsabilidade predispõem a favor do funcionário. Se o chefe for nervoso, tem logicamente incapacidade para manter a calma e cria tumulto. Neste caso é inseguro e pode estar sob pressão. O melhor é sair de perto nestes momentos e ajudá-lo a dividir tarefas. Provavelmente o seu problema é o peso das responsabilidades.

Se ele não consegue dar instruções claras de trabalho, deve dar-se o benefício da dúvida, descobrir suas qualidades e sugeri-lhe cooperação. Ele vai encarar isso como uma ajuda que chega em boa hora.

Se ele passa dos limites e assedia, o melhor é recorrer-se à justiça. E, para os que controlam tudo, deve dar-se os detalhes do andamento do trabalho antes que ele se chateie, ou em vez de dar informações diárias, deve dar-se uma vez por semana.

No caso de um reconhecimento que ele errou, o ideal é usar-se argumentos do porquê de haver um problema, talvez ele respeite os argumentos e passe a respeitar melhor.

Para mal entendidos é sempre bom resolver a situação e nunca deixá-la mal, pois seria usada contra o funcionário.

Quando se quer apresentar uma ideia convêm esperar-se que ele esteja livre. E, andar sempre de cabeça erguida mesmo que todos tenham medo dele.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Como trabalhar com um chefe complicado

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 2

808 

Imagem por: World Economic Forum

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    10-07-2014 às 20:29:59

    Tem que ter muita paciência e suportar com calma essa situação. Pode-se também olhar por outro lado. Como, por exemplo, o chefe complicado ser um instrumento para moldar nosso caráter!

    ¬ Responder

Comentários - Como trabalhar com um chefe complicado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios