Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Eventos > O ritual do casamento japonês

O ritual do casamento japonês

Categoria: Eventos
Visitas: 8
Comentários: 3
O ritual do casamento japonês

O tradicional casamento japonês caracteriza-se por um ritual sereno e simultaneamente colorido que, antes de se realizar na sua plenitude, requer a observação de uma série de etapas e preceitos específicos – apesar de muitos casais japoneses optarem por seguir rituais mais simplificados (ou mesmo ignorarem certas fases) e envergar trajes tipicamente ocidentais.

Ainda assim, e de acordo com a tradição tipicamente japonesa, tudo começa com visitas nocturnas discretas do noivo à casa da noiva e, após os pais desta tomarem conhecimento das mesmas, o noivo é convidado a compartilhar bolos de arroz, um sinal de aceitação e bênção por parte dos pais da noiva. Normalmente, o casamento só se celebra após o nascimento de uma criança ou após a morte dos pais do noivo (esta tradição está a cair em forte desuso, por motivos evidentes).

Outra tradição importante é a do Yui-no, que consiste na reunião das famílias de ambos os noivos, partilhando-se alimentos e trocando-se oferendas, entre as quais se encontra o saké (simboliza o carinho e a obediência). O acordo é selado num dia de sorte, seleccionado no almanaque japonês. Por sua vez, os noivos também trocam presentes entre si, sendo que o noivo é geralmente contemplado com uma saia, símbolo de fidelidade.

Antigamente, ainda era costume arranjarem-se casamentos motivados por interesses financeiros e, apesar dos actuais casamentos japoneses se celebrarem por amor, o Mi-ai ainda se realiza esporadicamente, que consiste na entrevista mútua dos pais da noiva e, posteriormente, na apresentação do noivo à noiva.

Os casamentos são tradicionalmente marcados na Primavera e no Outono, devido às condições climatéricas mais favoráveis e em dias especiais, indicados pelo almanaque japonês. Dezenas de casais contraem matrimónio nestes dias, em simultâneo.

A cerimónia propriamente dita pode seguir preceitos religiosos diversos (budista, xintoísta e mesmo católico) e, sendo budista, terá lugar num templo próprio para o efeito. O xintoísmo prevê a realização da cerimónia num templo ou em casa. Neste último caso, o casal enverga quimonos de seda (branco para ela e negro para ele), bem como as convidadas: as mais jovens usam cores fortes e garridas e as mais idosas optam por cores mais escuras e sóbrias. A noiva é toda ela pintada de branco e, juntamente com o quimono, os chinelos próprios e as meias brancas, usa uma peruca enfeitada com ouro, flores e pérolas (simbolizando boa sorte). Enquanto se trocam os votos entre os noivos, as duas famílias permanecem a olhar-se de frente e, numa fase posterior, todos se dirigem ao templo, a fim de fazerem uma oferta aos deuses. Segue-se o ritual do saké, findo o qual os noivos já estão oficialmente casados. Finalmente, a recepção do casamento consiste na festa e, aqui, o ambiente é já mais descontraído. Predominam as cores vermelho e branco na decoração (e também na comida) e, após muitas horas em que a noiva teve de mudar de fato pelo menos quatro vezes, dá-se por finda a festa, que culmina com o regresso dos noivos, agora vestidos com trajes de noivado ocidentais e cobertos com um chapelinho de sol (que indica que agora os dois são já amantes) e finaliza-se com um discurso por parte dos noivos, agradecendo a presença dos convidados. De seguida, os felizes recém-casados partem em lua-de-mel.


Isabel Rodrigues

Título: O ritual do casamento japonês

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 8

797 

Imagem por: cloneofsnake

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Carla HortaCarla Horta

    15-09-2012 às 23:22:48

    Texto muito bem escrito. Excelente informação. A sociedade tem de estar cada vez mais aberta ao conhecimento de outras culturas e costumes. Muito interessante. Quando nos deparamos cada vez mais com o multi-culturismo, este texto pode vir a ajudar em muitos entendimentos da cultura japonesa.

    ¬ Responder
  • Eduardo TchivindaEduardo Tchivinda

    04-06-2010 às 22:45:28

    Tipo assim algumas coisas estão fixe mais outras não vão lá muito fixe por causa do mundo moderno que estamos acho que devemos modernizar as coisas.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTati

    02-09-2009 às 10:05:14

    Olá isabel,

    Legal o seu texto.
    É sempre bom conhecer outros costumes , engraçado como estes as vezes são tão diferentes dos nossos não?

    ¬ Responder

Comentários - O ritual do casamento japonês

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: cloneofsnake

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios