Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Bancos revelam posicionamento

Bancos revelam posicionamento

Categoria: Empresariais
Comentários: 1
Bancos revelam posicionamento

O crédito determina em muito o ritmo cardíaco de cada entidade bancária. O modo como estas empresas lidam e posicionam o crédito no mercado, materializado nos respectivos cartões (por sua vez caracterizados pelas formas de acesso ao mesmo), assume uma imagem-espelho que reflecte a sua sanidade económica. Nesta inclui-se a hierarquia ou posição concorrencial, o tipo de relação que estabelece com os clientes e a imagem que pretende passar.

Básica e linearmente, pode analisar-se quatro situações em relação aos Cartões de Crédito (CC) apresentados (em similar correlação no que toca aos valores mencionados): a) oferta de CC ao cliente com uma taxa de juro baixa; b) o mesmo que o anterior mas com uma taxa de juro alta; c) neste ponto, o cliente paga o CC obtendo uma taxa de juro baixa; d) ou, na situação de c), o consumidor adquire a aplicação de uma taxa de juro alta.

No primeiro caso, o reflexo notado é a necessidade de tornar o CC acessível ao maior número possível de (potenciais) clientes, justificado pela oferta do mesmo. A taxa de juro baixa associada ao uso do cartão demonstra uma tentaiva de combater a concorrência e de ganhar margem de mercado. Há precisão de entrada de capital, “mascarada” pela atenção dada ao cliente, pois é para ele vantajoso adquirir um cartão deste calibre. O lucro é menor per conta mas a longo prazo, compensa o investimento para o Banco.

No caso seguinte, não obstante a manutenção dos votos de angariação de novos clientes e de maior fidelização aos existentes, a empresa procura valorizar o seu produto. O aumento da taxa de juro revela o preço que se paga pelo acesso a determinado cartão. Convém que este esteja o mais adaptado possível ao cliente em causa ou que lhe ofereça vantagens personalizadas de modo a captar, efectivamente, o cliente, reduzindo o risco de que este “fuja” para a concorrência. Outra leitura de posicionamento mostra que a entidade pode estar numa fase de falta de solidez no mercado ou de confiança no cliente, necessitando, por isso mesmo, de recuperar de modo compensatório a oferta apresentada.

Há um ponto comum a ambos estes dois casos. É notória a posição de combate à concorrência e de procura por um lugar (ou – mais no caso b) - de manter o existente) no mercado, com uma margem de confiança no utente variável (à primeira vista, alta em a) e baixa em b)). Há que usar a sabedoria popular que lembra que “quem não confia, não é de confiança” e compensar essa instabilidade com acções que cativem ou representem garantias através por exemplo de vantagens paralelas ao CC e personalizadas ao cliente.

O terceiro caso denota um bom índice de confiança no cliente e uma boa rentabilidade dos produtos (basicamente no lucro a longo prazo), transpirando uma imagem de um posicionamento saudável no mercado com pretensões ao crescimento sustentado. Há um preço a pagar pelo bem que se pretende obter e esse preço inclui a vantagem de usufruir de uma taxa baixa. Esse valor dado ao produto, distingue-o dos pares, insinuando uma estratificação ao nível do próprio cliente que a ele acede. A taxa aplicada é o anzol que atrai o alimento deste mecanismo, sólido, pois o seu lucro será obtido efectivamente a médio/longo prazo.

O último caso é o típico lugar de monopólio ou afirmação posição histórica, em que a solidez dos anos e da experiência atribuem à posição ocupada um cariz confortável, ao ponto de delinear um status implícito aos utilizadores deste CC. Há um preço que é pago pelo produto e pelo usufruto do mesmo. O juro elevado a ser taxado é o título honorário da classe a que se pretende ascender. O uso deste cartão é quase um privilégio para quem o possui, pois não está ao alcande de qualquer bolsa. Este é o típico Gold ou Platinium, com um sabor elitista para o cliente, uma fonte de lucro contínuo e rápido para o banco, que ao mesmo tempo manifesta uma postura de reafirmação da sua posição no mercado.

Se se conseguir reunir estes quatro tipos numa mesma entidade, temos uma empresa que procura abarcar o mercado no seu todo, com diversos níveis de vida e apostando na revitalização. No entanto, e tal como qualquer outro produto, há que analisar bem os segmentos de mercado no qual se inscreve ou pretende entrar e o público-alvo a que se destina ou o já existente, a fim de conceber o que melhor se adequa aos objectivos comerciais da entidade bancária versus (potenciais) clientes.



Carla Santos

Título: Bancos revelam posicionamento

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 0

666 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Vicente SilvaVicente

    11-07-2014 às 00:53:41

    Adorei o texto sobre bancos revelam posicionamento. Tiraram muitas dúvidas.

    ¬ Responder

Comentários - Bancos revelam posicionamento

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios