Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Bancos revelam posicionamento

Bancos revelam posicionamento

Categoria: Empresariais
Comentários: 1
Bancos revelam posicionamento

O crédito determina em muito o ritmo cardíaco de cada entidade bancária. O modo como estas empresas lidam e posicionam o crédito no mercado, materializado nos respectivos cartões (por sua vez caracterizados pelas formas de acesso ao mesmo), assume uma imagem-espelho que reflecte a sua sanidade económica. Nesta inclui-se a hierarquia ou posição concorrencial, o tipo de relação que estabelece com os clientes e a imagem que pretende passar.

Básica e linearmente, pode analisar-se quatro situações em relação aos Cartões de Crédito (CC) apresentados (em similar correlação no que toca aos valores mencionados): a) oferta de CC ao cliente com uma taxa de juro baixa; b) o mesmo que o anterior mas com uma taxa de juro alta; c) neste ponto, o cliente paga o CC obtendo uma taxa de juro baixa; d) ou, na situação de c), o consumidor adquire a aplicação de uma taxa de juro alta.

No primeiro caso, o reflexo notado é a necessidade de tornar o CC acessível ao maior número possível de (potenciais) clientes, justificado pela oferta do mesmo. A taxa de juro baixa associada ao uso do cartão demonstra uma tentaiva de combater a concorrência e de ganhar margem de mercado. Há precisão de entrada de capital, “mascarada” pela atenção dada ao cliente, pois é para ele vantajoso adquirir um cartão deste calibre. O lucro é menor per conta mas a longo prazo, compensa o investimento para o Banco.

No caso seguinte, não obstante a manutenção dos votos de angariação de novos clientes e de maior fidelização aos existentes, a empresa procura valorizar o seu produto. O aumento da taxa de juro revela o preço que se paga pelo acesso a determinado cartão. Convém que este esteja o mais adaptado possível ao cliente em causa ou que lhe ofereça vantagens personalizadas de modo a captar, efectivamente, o cliente, reduzindo o risco de que este “fuja” para a concorrência. Outra leitura de posicionamento mostra que a entidade pode estar numa fase de falta de solidez no mercado ou de confiança no cliente, necessitando, por isso mesmo, de recuperar de modo compensatório a oferta apresentada.

Há um ponto comum a ambos estes dois casos. É notória a posição de combate à concorrência e de procura por um lugar (ou – mais no caso b) - de manter o existente) no mercado, com uma margem de confiança no utente variável (à primeira vista, alta em a) e baixa em b)). Há que usar a sabedoria popular que lembra que “quem não confia, não é de confiança” e compensar essa instabilidade com acções que cativem ou representem garantias através por exemplo de vantagens paralelas ao CC e personalizadas ao cliente.

O terceiro caso denota um bom índice de confiança no cliente e uma boa rentabilidade dos produtos (basicamente no lucro a longo prazo), transpirando uma imagem de um posicionamento saudável no mercado com pretensões ao crescimento sustentado. Há um preço a pagar pelo bem que se pretende obter e esse preço inclui a vantagem de usufruir de uma taxa baixa. Esse valor dado ao produto, distingue-o dos pares, insinuando uma estratificação ao nível do próprio cliente que a ele acede. A taxa aplicada é o anzol que atrai o alimento deste mecanismo, sólido, pois o seu lucro será obtido efectivamente a médio/longo prazo.

O último caso é o típico lugar de monopólio ou afirmação posição histórica, em que a solidez dos anos e da experiência atribuem à posição ocupada um cariz confortável, ao ponto de delinear um status implícito aos utilizadores deste CC. Há um preço que é pago pelo produto e pelo usufruto do mesmo. O juro elevado a ser taxado é o título honorário da classe a que se pretende ascender. O uso deste cartão é quase um privilégio para quem o possui, pois não está ao alcande de qualquer bolsa. Este é o típico Gold ou Platinium, com um sabor elitista para o cliente, uma fonte de lucro contínuo e rápido para o banco, que ao mesmo tempo manifesta uma postura de reafirmação da sua posição no mercado.

Se se conseguir reunir estes quatro tipos numa mesma entidade, temos uma empresa que procura abarcar o mercado no seu todo, com diversos níveis de vida e apostando na revitalização. No entanto, e tal como qualquer outro produto, há que analisar bem os segmentos de mercado no qual se inscreve ou pretende entrar e o público-alvo a que se destina ou o já existente, a fim de conceber o que melhor se adequa aos objectivos comerciais da entidade bancária versus (potenciais) clientes.



Carla Santos

Título: Bancos revelam posicionamento

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 0

666 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Vicente SilvaVicente

    11-07-2014 às 00:53:41

    Adorei o texto sobre bancos revelam posicionamento. Tiraram muitas dúvidas.

    ¬ Responder

Comentários - Bancos revelam posicionamento

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios