Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Rap em Portugal

Rap em Portugal

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Música
Comentários: 4
Rap em Portugal

Em Portugal, o Rap é um estilo musical que divide opiniões. Uns consideram-no indispensável, outros criticam-no e ligam-no apenas a situações de droga, roubo, entre outras.

No entanto, o que será realmente o Rap no nosso país?

Para nos informarmos pedimos a colaboração do rapper Kamões.

Kamões é um exímio letrista e cantor de 30 anos, da zona de Carcavelos, que aceitou ajudar-nos na nossa tarefa de definir o Rap nacional, respondendo a uma pequena entrevista.

1.Primeiro que nada, qual a tua opinião do rap/ hip-hop português?
O Rap/Hiphop Português está no bom caminho, tem vindo a evoluir bastante mas infelizmente existem muitas pessoas que criam dramas a partir do nada dentro do meio e há muita inveja infelizmente, tirando isso acho que tem tudo para evoluir ainda mais, existem muitos talentos de norte a sul de Portugal.

2.Achas que há uma diferença substancial entre Norte e Margem Sul?
Nota-se uma difernça em termos de flow , diria que são estilos distintos e pelas experiencias que ja vivi notei que existe muito mais união no movimento do norte.

3.Consideras que a lírica e os temas variam também?
Em parte variam.

4.Em que medida?
Por exemplo cá em baixo ouve-se mais o chamado Rap de rua, gangster rap, etc. No norte são letras mais conscientes , não quero dizer que seja assim por norma, porque há de tudo um pouco em todo o lado.

5.Muitas pessoas consideram que o Rap da Margem Sul incentiva mais a violência e os submundos, enquanto que o do Norte prefere os pilares de educação e prevenção de questões como as drogas. Concordas?
É assim, como disse na pergunta anterior , há de tudo um pouco por todo o lado, mas em certa parte concordo.

6.Mudando de assunto, achas que o Rap pode voltar a funcionar como música de intrevenção, como já foi no passado?
O Rap ainda é musica de intervenção.

7.E consideras que tem visibilidade suficiente para mudar o atual estado do país?
Acho que ainda não tem a visibilidade para tal, mas é capaz de ter poder para tal.
8.Caso ganhasse essa visibilidade, que rapper achas que faria um som que mudasse o País?
(momento para pensar) Dealema, não é um rapper mas sim uma banda. Eles têm mesmo muita consciência, e a visão deles é uma visão construtiva. Até a própria mensagem é construtiva.

9.Falando em ti, qual das tuas músicas achas que te define como pessoa?
O som Regressão e o som Confidências. Está ali muito sentimento, são os dois que me retratam mais enquanto pessoa.

10.Para terminar, o que pretendes fazer no teu futuro musical?
Para começar tenho um concerto dia 6 de julho, nas Festas de Carcavelos. Depois vou continuar a fazer música por enquanto. Muitas coisas hão de vir espero eu. De momento estou a gravar o meu 3º álbum, mas antes disso vai sair o EP da minha banda (3ºDireito). Espero que no futuro haja saúde, felicidade e muita música.

Ficámos assim mais esclarecidos acerca do Rap português, pela boca de um grande rapper.
Obrigada pela leitura, esperamos que tenham gostado!


Patrícia Carvalho

Título: Rap em Portugal

Autor: Patrícia Carvalho (todos os textos)

Visitas: 0

721 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-05-2014 às 19:44:41

    No Brasil ocorre a mesma situação, o rap é visto como algo perigoso e somente por grupos violentos, drogados. Muita gente já aceitou o rap, mas ainda ele sofre as pressões da sociedade.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoNuno

    19-07-2012 às 22:19:53

    em relação a pergunta 6 ate a 8 pergunta acho que rapper/MC com um álbum de pura intervenção dos últimos tempos é a do Chullage-Rapressão vol1 pesquisa e diz-me se tenho ao não razão os Dealema tem um grande album alias fui ao concerto de apresentação no Hardclub mas não considero musica de intervenção...

    ¬ Responder
  • Patrícia CarvalhoPatrícia Carvalho

    18-08-2012 às 00:30:47

    Provavelmente, mas a pergunta não era quem estava a fazer neste momento, mas quem teria capacidade de fazer algo em grande ;)

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoJose

    02-07-2012 às 11:13:56

    Isto sim é um Rapper, Continua assim e força..
    Portugal esta no bom caminho para um Rap muito bom

    ¬ Responder

Comentários - Rap em Portugal

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios