Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Como fazer um relatório

Como fazer um relatório

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Empresariais
Visitas: 758
Comentários: 25
Como fazer um relatório

Relatório é um documento formal, específico para informar resultados de atividades em execução ou concluídas, que podem ser de experimentos, pesquisas, ações ou projetos.

No caso de atividades académicas, pode ser feito referindo pesquisas originais ou baseando-se na literatura que tenha utilizado como base para a composição do mesmo. A sua finalidade é demonstrar o desenvolvimento dos trabalhos para órgãos fiscais ou financiadores do evento. O mérito será avaliado por conselhos ou comissões dos órgãos ligados às atividades desenvolvidas.

Complexidade e abrangência do assunto determinam o grau de dificuldade para redigi-lo, e uma alternativa é dividir o assunto em tópicos, fazendo relatórios parciais.

Há três tipos de relatórios que precisam ser delineados. O relatório de síntese é pouco complexo, sendo uma conclusão de sub-relatórios. O de formação requer mais detalhes, para justificar atividades executadas por ocasião de um estágio ou um curso. O relatório crítico, não apenas descreve a atividade realizada, mas também opina sobre ela.

No que diz respeito à redação, o relatório obedece às normas gramaticais da língua em que será escrito, e segue um padrão de forma internacional com modelo de tópicos, pouco flexível.

A página que abre o relatório precisa conter título, destinatário, autor, data e local de realização do evento. Na página seguinte deve constar o sumário, que funciona como guia do leitor, informando as divisões do relatório e páginas correspondentes.

A introdução explica o assunto tratado e as circunstâncias de execução. O conteúdo propriamente, faz-se com observações e críticas sobre o trabalho realizado, e a conclusão deve esclarecer a situação do trabalho, fazendo um balanço geral do seu andamento.

O discurso do relatório segue as orientações da boa redação, devendo ser claro, conciso, objetivo, exato e pertinente. A construção das orações deve ser direta, utilizando vocabulário simples, mas não pobre. Frases rebuscadas e palavras não-usuais, em vez de enriquecer o texto, irá torná-lo apenas cansativo e incompreensível. Opte pelo estilo formal e impessoal.

O detalhamento dos aspetos que são considerados importantes, é indispensável, mas não justifica textos longos e confusos. O objetivo é esclarecer o sentido geral e a ideia central do relatório. Por isso, guie-se por duas questões fundamentais, para o direcionamento correto do seu relatório. Primeiro: o leitor será capaz de compreender a atividade realizada e como foi executada? Segundo: o leitor dispõe de ferramentas suficientes para recriar a atividade a partir desta leitura? Se a resposta, para ambas, for positiva, você está de posse de um relatório irrevocável.


Hediene

Título: Como fazer um relatório

Autor: Hediene Hediene (todos os textos)

Visitas: 758

809 

Imagem por: dotbenjamin

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 25 )    recentes

  • SophiaSophia

    16-04-2014 às 18:38:08

    Fantástico o seu texto. Tem ajudado muitas pessoas, com certeza. Obrigada por compartilhar conosco.

    A equipa da Rua Direita

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaola Schulz

    03-05-2013 às 16:44:34

    nossa valeu ,muito obigada me ajudo muito na minha pesquisa da escola *_*

    ¬ Responder
  • Viviane

    06-12-2012 às 12:26:49

    Continuo em duvida... Ñ me ajudou muito ñ! Preciso d um bom ex:

    ¬ Responder
  • marlene

    21-11-2012 às 20:33:55

    preciso de um modelo passo a passo de como fazer um relatório de uma formação que fiz de secretário escolar durante um ano. obrigada

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoJusanea

    07-11-2012 às 16:10:25

    Melhor se tivesse um exemplo!

    ¬ Responder
  • FRED

    05-11-2012 às 18:29:25

    Precisa mostrar um exemplo. Ficou devendo.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSTANLEY

    28-10-2012 às 16:02:40

    um exemplo não faria mal nem um,pois não serve só para ser copiado,tambem serve para clarear melhor a orientação dada.e enfim ,ficou a desejar.NÃO AJUDOU EM NADA!!!

    ¬ Responder
  • Angela

    16-09-2012 às 21:48:42

    preciso de exemplos nas normas da ABNT de relatorios for favor

    ¬ Responder
  • francisca da schagas

    19-08-2012 às 15:23:01

    estou mandado minha mansagem
    eu como irma e mae de leite avo da menina tava em terzina e mandou mim avisar aqui em buriti a minha para pegar a minha subrinha em parnaiba para mim cuidar da manina mais eu nao sabia on de ficava a casa on de a minenia ta
    mi falou que amenina estava sagrando muito pelo o ouvido e talvez ate tenha bicha no ouvido dela isso faz muito tempo que a menina ta doente ea mae dela nao se emporta as vezes eu mandava ela er consutar a menina e ela nao ia e a irma dameninsa que esta doentefalou pra mim que ela a menina doenta esta cuidanco de menini para ganhar 50,00 reais por maes ela ela arrumou a conssutar para o final do mes de setembro ese caso a veriadora consequir a consutar para a menina entao por issi eu como tia da menina eu ia busca amenina com a airma dela menor por que a irma dela ia mim amostra acasa onde ta mais o pai da criança dessi que se a menna mi amostra a casa dessi que ei da um pisa nela que el ei ver o começo mais nao ei ver o fim ele e usuario de droga e e a mae e tao servegonha que dar para ele e de 50,00reais para ele comprar de drogar do deneiro do bolsa familia eu tenho provar que a propia filha disseer na minha casa tem dia que ela so come arroz branco e a maioria das vezes nem comenada.E eu queria justiçar quero mais e do conselho tutelar de terezina e as maninas nao tao indo para escolar so uma por favor ajude essa criançar que estar entre a vida e morte em parnaiba a mae dela e FRANCELENE PEREIRA DA SLVA e quem esta mandando a carta e a irma dela FRANCISDALVA PEREIRA DA SILVA eu mora no burite dos lopes em piaui

    ¬ Responder
  • camila

    17-07-2012 às 12:35:42

    cade o exemplo?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRafael

    10-06-2012 às 14:51:20

    Cadê o exemplo? Escreveu tanto e não me disse nada.

    ¬ Responder
  • brunobruno

    30-05-2012 às 16:03:59

    obrigado ajudou muito, esse povo quer tudo mastigado...

    ¬ Responder
  • gleuciane santosgleuciane santos

    13-05-2012 às 15:12:21

    obrigada pelo exemplo

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoAline

    25-04-2012 às 13:01:20

    Foi de excelente ajuda o texto.

    ¬ Responder
  • Suzane bandeiraSuzane bandeira

    29-01-2012 às 17:51:10

    Ajudou muito. Obrigada

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãofabricio

    12-12-2011 às 15:39:33

    Gente, o artigo é como fazer um relatório e não como copiar. Está muito bem esclarecido sim e imagino que muita gente faltou na aula de interpretação de textos.
    Auxiliou no relatório que eu estava fazendo com absoluta certeza.

    ¬ Responder
  • Claudete Pauladurcelene

    06-07-2011 às 00:55:30

    Vc pelo menos sabe como fazer, essas pessoas que criticam deveriam saber mais e não precisar de acessar para descobrir... um abraço.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoruben

    15-05-2011 às 21:29:44

    ´nao critiquem... já é bom uma pessoa saber isto :) ajudou mas um exemplo nao fazia mal mas tem a sua qualidade :)

    ¬ Responder
  • kalinekaline

    21-04-2011 às 05:06:17

    ajudou.e vai continuar ajudando,muito obrigado, e o exemplo e uma boa ideia.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãolurdes

    05-03-2011 às 17:05:32

    Ajudou. Obrigada

    ¬ Responder
  • Global BusinessArianne

    22-02-2011 às 20:48:57

    nossa é msm isso tdo mundo sabe!deveria te colocado pelo menos um exemplo!ajudou en nda

    ¬ Responder
  • RafaelaRafaela

    17-02-2011 às 08:53:35

    Obrigada pela ajuda me ajudou imenso

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRuan

    02-02-2011 às 19:50:17

    como vc escreve tantas bobagens mas se esqueçe dos exemplos em???

    ¬ Responder
  • hectorhector

    17-01-2011 às 12:07:26

    digo o mesmo não ajudou em nada oque escreveu ai todos sabemos,cadê o exemplo?? =s

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãokendra

    20-11-2010 às 16:05:29

    não ajudou em nada. podia ao menos ter colocado um exemplo não?

    ¬ Responder

Comentários - Como fazer um relatório

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O altíssimo preço da Vida

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
O altíssimo preço da Vida\"Rua
Altíssimo preço da Vida
Numa certa manhã de sol, a menina olhos clara chamada Clarisse acorda e antes que os seus familiares acordassem, ela sai para ir ao mercado até que seguindo pela calçada um rapaz desembalando uma droga em meio a um plástico logo a sua frente senta-se logo a sua frente tendo o efeito da cocaína sendo ali realizado e ajoelhado aos seus pés clama pela ajuda dela, mas um de seus melhores amigos pelo qual esconde a sete chaves um sentimento bom à vista alvejada pelo moço, olha para os dois lados da rua para atravessar, empurrá-la e chutar o rapaz que somente queria alimentar-se e uma blusa de frio.


- Por que fez isso? Ele não iria me fazer nada.
- E o que ele queria com você?
- Não sei. Você não o deixou falar!
- Com essas coisas você sabe que não pode brincar! Sabe lá que esse rapaz poderia fazer com você.
- Está certo. Só que olha lá! Ele está passando mal [...] Não vamos continuar sendo insensíveis e cegos igual ao mundo inteiro! Pelo menos vamos ali comprar um pão para ele comer, tira essa camiseta e dá a ele!
- Quem não garante que ali na esquina ele não troque o pão e a camiseta ali na esquina com um vendedor [...].
- Não pode pensar assim toda vez [...]. As pessoas são diferentes umas das outras pelo pensamento olha pra gente agora! E quem garante que ele vai comer aqui mesmo o pão e por a camiseta ou ali na esquina mesmo!
- Ok. Faça o quiser! Depois não diga que eu não avisei. – Começou a andar em direção à sua casa.
- Vai pra onde?
- Pra onde você acha? A minha mãe está me esperando para tomar café.
- Vai com Deus.


- Amém. – Saiu em direção à sua casa.
Ela estendeu o braço para o moço levantar.
- Me acompanharia até o supermercado?
- Sim. Se não for nenhum incômodo!
- Sem drama! – Respondeu ela.
- Obrigado por ter me ajudado! Aquele menino é alguma coisa sua?
- Só um amigo e nada mais.
- Entendi. Prefere comer o quê?
- Qualquer coisa! Não importa o que seja.
- Ok.
- Só você vive essa vida nas drogas da sua família?
- A minha história o que ela tem de grande, complexa e um pouco engraçado é bem capaz de que não entenda, mas, respondendo a sua pergunta. Sou o único da família!
- Por que engraçado?
- Por conta do vício perdi um diamante raro [...].
- É poeta?
- Não! Quem me dera ser poeta. – Sorriu.
- Quando disse no diamante raro, em quem estava se referindo?
- Minha mãe [...]. Uma divina com o fornecedor foi bastante para que ela morresse!
- Nossa! Que triste. Isso explicaria o porquê de estar morando na rua?
- Sim.


- Nunca pensou em esclarecer esse desentendido?
- Não adiantaria, pois não me aceitaria da forma de como sou.
- Será que não?
- Queria pedir a eles perdão pelo meu jeito mesmo que isso não traga a minha família de volta!
- Por que você não tenta?
- Não tenho mais coragem de olhá-los no fundo dos olhos [...].
- Por que não?
- Por conta desse vício maldito!
- E se propor a eles de que irá se tratar [...]. Vocês podem promover uma campanha em todo canto para a arrecadação da verba para o tratamento!
- Como e por onde eu começo?
- Aí meu Deus! – Espantada ao olhar o relógio.
- O que foi?
- Preciso ir! O meu pai vai acordar para tomar café e ir trabalhar. Encontra-me aqui mais tarde?
- Que horas?
- Ao anoitecer.
- Tudo bem.
- Tchau. – Deu um beijo na bochecha do rapaz entrou correndo no mercado. Comprou o pão e foi correndo para casa.
- Que demora menina! – Falou a mãe.
- A fila para pegar o pão estava muito grande.
- Ok. Vai acordar o seu pai! – Desligando a boca do fogão que esquentava o café.
- Tá.


Depois do café da manhã ela arrumou a sua cama, arrumou a mesa do café, disse à sua mãe que iria à casa de sua colega da faculdade para terminar um trabalho quando na verdade ela ia tomar conhecimento do altíssimo preço que às vezes é cobrado por ser bonzinho, ela é pego por trás e pelos braços, o rapaz empurrou ela para dentro de um depósito de lixo e lá ela viveu o pior momento de sua vida. Ela foi abusada por doze rapazes das quais ela não viu o rosto até que o tal viciado chegou e a salvou.
- Nossa! Obrigado. Se não houvesse chegado não sei o que seria de mim.
- Que isso faria de novo se fosse preciso.
- Eu tenho um amigo que é locutor de rádio que pode te ajudar a pedir perdão à sua família!
- Ah é! E em qual rádio ele trabalha?
- É aqui perto!
- Mas tem aquelas rádios de transmissão nacional e municipal.
- Entendi. Aí eu já não sei, mas nós podemos perguntar!
- Boa!
Eles foram até a central da rádio que ficava a duas quadras dali. Ela conversou com o seu amigo que permitiu que o moço fizesse a mensagem e que fosse transmitida pela rádio. No entanto, quando sua irmã ouviu a mensagem do outro lado, as lágrimas rolaram e ela acabou deixando cair no chão uma travessa de vidro que estava secando cair no chão e o irmão dela pergunta.
- O que foi? Está tudo bem aí?
- O nosso irmão está no rádio!
- O que foi? – Saltou da cama o rapaz impressionado. – Ele disse aonde e como está? – Perguntou.
- Zona sul de São Paulo.
- Mas deixou o endereço?
- Não.


- Que rádio é?
- Metropolitana.
- Pega o número telefônico no site!
- Isso que estou fazendo agora.
Depois de pegar o número na internet a menina pegou e discou no telefone, mas somente caía na caixa postal.
- E aí?
- Caiu já na caixa postal novamente!
- O que acha de nós irmos pra lá de novo?
- Uma boa, mas você tem dinheiro?
- Sim. Só falta saber qual é o preço da passagem na rodoviária!
- Vou dar uma pesquisada aqui!
- O que você quebrou?
- A travessa de vidro. O que vamos dizer ao papai?
- Que nós vamos fazer uma visita a um amigo seu.
- Tá. Ok!
Ao fim da tarde ela chegou a na cidade de São Paulo e foram logo a radio. Disseram que o rapaz pelo qual foi cedido o espaço na programação é irmão deles. Com isso o radialista ligou para a sua amiga dele e combinou um local para fazer o encontro surpresa da família toda reunida no dia seguinte.
No amanhecer do dia seguindo o rapaz, morador de rua foi acordado por sua nova amiga e ela pediu que ele a acompanhasse sem que soubesse de nada. Quando chegou a uma praça ele logo reconheceu os seus irmãos de costas para ele que não conseguiu a partir de então segurar as lágrimas e eles enfim, se perdoaram e disseram um ao outro que nada e ninguém viriam a separá-los novamente.
O amigo radialista da garota percebeu de que estava com umas marcas estranhas e perguntou descontraído.
- O que te aconteceu?
- Passei por um episódio triste ontem.
- O que aconteceu?


- Quase fui estuprada ontem [...] Só não fui graças a este meu amigo.
- Já foi à delegacia fazer o boletim de ocorrência? Contou aos seus pais?
- Ainda não.
- Está esperando o quê? Quer que eu ajude você estando contigo quando contar?
- Estou com medo! Sim.
- Não é pra menos!
Deixaram-nos lá no momento angelical e familiar e ela foi lá com o radialista contar e não foi pra menos, sua família deu parte na delegacia além de promover uma campanha contra esses absurdos na vida de uma mulher.

Pesquisar mais textos:

Kaique Barros

Título:O altíssimo preço da Vida

Autor:Kaique Barros(todos os textos)

Imagem por: dotbenjamin

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios