Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alojamento > Faça um “eco-safari” no Quénia

Faça um “eco-safari” no Quénia

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Alojamento
Comentários: 2
Faça um “eco-safari” no Quénia

Quase toda a gente tem a aspiração de fazer um safari na África, especialmente no Quénia. A uma hora de avião de Nairobi, os Masai, detentores de uma herdade de 1000 quilómetros quadrados, concretizam este anseio no âmbito de um projeto que, simultaneamente, cria empregos e rendimentos, protege a terra, melhora a educação e a alimentação, e preserva a própria tribo. Campi ya Kanzi (ou Acampamento do Tesouro Escondido, em kiswahili, a língua local) é o nome deste sonho de um casal italiano, tornado realidade num campo que une os parques naturais de Amboseli e Tsavo e é ponto de passagem de girafas, leões, elefantes e perto de 400 espécies de aves.

Dez por cento do preço dos quartos é entregue ao Fundo Masai para a Preservação da Vida Selvagem. Em acréscimo, as cabanas foram construídas com materiais locais e nem uma só árvore foi sacrificada, os telhados são de colmo e a eletricidade é fornecida por painéis solares. A água das chuvas é captada através de um inovador sistema que permite o seu armazenamento em tanques de PVC com mais de um milhão de litros de capacidade! Com recurso a filtros especiais que vão da Europa, essa água é reutilizada. O uso de sabonetes ecológicos especialmente importados assegura a pureza química do mais escasso líquido naquelas paragens.

O carvão que se utiliza na cozinha provém da casca de café (um subproduto do cultivo do café), e criam-se galinhas e vacas para se ter ovos e leite biológicos.

Os funcionários, todos eles Masai, são treinados para garantir a minimização da produção de lixo, sendo a totalidade dos resíduos orgânicos transformada em adubo. O que não se pode reciclar é incinerado num mecanismo especial construído sob orientação da ONU.

Desenvolveu-se a noção de “eco-luxo”, numa demonstração clara de que não se trata de conceitos antagónicos. De facto, há água quente corrente, lençóis italianos, copos de cristal e flores frescas diariamente. As refeições são preparadas com legumes biológicos cultivados in loco e cozinhadas com carvão ecológico. Durante o dia, os guias masai levam os hóspedes a colher plantas medicinais e a seguir o trilho dos animais selvagens. Na prática, conjugam-se umas férias inesquecíveis com a preservação da fauna e do património cultural dos Masai. Uma das facetas mais marcantes prende-se com a forma como este povo vê os visitantes: benfeitores, ao invés de simples turistas. Na verdade, e pela participação ativa dos forasteiros nos objetivos acima descritos, enceta-se uma relação profunda com a comunidade masai, que despoleta nos estrangeiros a sensação de estarem na casa de amigos.

E como os amigos também se divertem em conjunto, o “programa das festas” contempla jogos tradicionais, viagens à cultura masai e a descoberta de algo novo todos os dias. Campi ya Kanzi constiuti, igualmente, o exemplo vivo das políticas do Kenya Wildlife Service, que visam o envolvimento dos nativos na conservação da vida selvagem, em detrimento da invenção de leis e proibições. Os habitantes passam, deste modo, a encarar os antigos inimigos (como os leões, que legitimamente queriam abater por lhes dizimarem o gado) como extensões das suas atividades de subsistência (os leões são bons para o turismo, logo representam lucro).

Embora Campi ya Kanzi consubstancie um apartamento do ritmo frenético da sociedade moderna, é possível estabelecer comunicação com esta por telefone via satélite. África já não é propriamente o fim do mundo…


Maria Bijóias

Título: Faça um “eco-safari” no Quénia

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

626 

Imagem por: gbaku

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    21-04-2014 às 17:13:13

    A Rua Direita achou bem interessante esse eco-safari no Quenia. Realmente, a África expandiu-se muito de uns anos para cá. Hoje é um ótimo lugar turístico, possui, sem dúvida, uma beleza estonteante.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSofia Nunes

    13-09-2012 às 17:32:45

    Sou uma dessas pessoas que refere na primeira frase do seu texto: também eu aspiro fazer um safari no Quénia! É um sonho de criança, que vem em parte pelo meu amor pelos animais selvagens (particularmente os felinos) e em parte pelo desejo da busca da aventura. Uma vez que repudio qualquer exploração animal, agrada-me a ideia de, em certos alojamentos, uma percentagem do valor que pagamos seja destinada à preservação da vida animal.

    ¬ Responder

Comentários - Faça um “eco-safari” no Quénia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: gbaku

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios