Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Alimentação – Fonte de Nutrição e Prazer

Alimentação – Fonte de Nutrição e Prazer

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Alimentação
Comentários: 21
Alimentação – Fonte de Nutrição e Prazer

Alimentação é algo de que muito se tem falado ao longo dos séculos, de que todos os seres vivos desfrutam e de que de uma maneira geral todos dependemos.Muitas pessoas comem todas as manhãs antes de fazerem qualquer outra coisa, ao passo que muitas outras fazem uma porção de coisas e depois comem, no entanto sabemos que a alimentação tem uma importância significativa nas nossas vidas, e devemos começar o nosso dia com algo que suporte o conjunto de tarefas que temos a realizar.

Naturalmente não podemos deixar de afirmar que é a alimentação, o canal pelo qual o organismo se nutre, e devemos saber que uma alimentação deficiente acarretará uma porção de insuficiências orgânicas, e uma diminuição progressiva da nossa atividade cerebral.À parte da saúde, nada melhor do que obtermos prazer no facto de nos alimentarmos. É comum ouvirmos dizer que determinada criança não gosta de sopa, ou não tolera saladas, ou ainda que odeia legumes cozidos.

Não menos comum é ouvirmos pessoas adultas referirem uma série de alimentos que não gostam, alguns dos quais nem nunca provaram, porque mesmo andes de sentirem o seu paladar, já sabem que não gostam, isto porque o aspeto não lhes agrada à vista.

Tudo na nossa vida depende da habituação. Comemos coisas que nos agradam imenso, independentemente de nos fazerem bem ou não, e detestamos outras coisas, que são igualmente boas, ou não, para oi nosso organismo, unicamente porque o nosso cérebro qualificou estes alimentos segundo padrões existentes nos nossos antepassados, não porque os gostos se herdam, mas porque os hábitos vão passando de geração em geração, mediante aquilo que é colocado nas mesas das famílias.

Hoje temos um papel muito importante na saúde das gerações vindouras, ministrando-lhe ainda na idade da inconsciência paladares e aspetos a que vão habituar-se gradualmente, retirando-lhes preconceitos desnecessários no futuro.

Se agirmos desta forma, futuramente, aqueles que hoje são ainda meninos, terão prazer numa alimentação saudável, ao invés de se sentirem desanimados quando lhe colocam à frente uma boa salada.Quanto a nós, adultos, precisamos ainda educar os nossos paladares, com a ajuda da consciência de que necessitamos uma vida mais saudável.

Podemos ajudar este processo, utilizando manobras na confeção dos pratos, porque não há nada que diga que temos que comer cada alimento de uma única forma, existem 1000 maneiras de cozinhar cada alimento, e a natureza é rica em variedades de alimentos.Usemos imaginação e sejamos saudáveis sem deixar no entanto de ser felizes!


Ana Sebastião

Título: Alimentação – Fonte de Nutrição e Prazer

Autor: Ana Sebastião (todos os textos)

Visitas: 0

789 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 21 )    recentes

  • SophiaSophia

    21-04-2014 às 16:36:39

    A junção de todos os nutrientes necessários ao organismo é fantástico. Mas, nem sempre isso é possível. Pelo menos, deve-se comer de forma saudável para não causar problemas no corpo, na mente.

    ¬ Responder
  • C CardeiraC Cardeira

    16-09-2012 às 03:31:12

    Olá, Ana!
    Ao ler o teu texto lembrei-me da célebre frase "os olhos também comem". Apresentando os alimentos saudáveis de uma forama agradável à vista, a tarefa fica mais simples. Ou, não divulgando todos os ingredientes e apresentando um prato atrativo, muitos comem o que dizem não gostar e choram por mais. uma alimentação saudável é cada vez um dos cuidados com que todos nos devemos precupar. Parabéns, pelo texto! Boa continuação.

    ¬ Responder
  • Isabel CostaIsabel Costa

    14-09-2012 às 15:51:40

    Olá Ana. Gostei do texto mas resta-me uma dúvida. Existe algum processo pelo qual nos consigamos habitual a coisas de que não gostamos?

    ¬ Responder
  • José Carlos Calado dos SantosJosé Carlos Calado dos Santos

    14-09-2012 às 17:24:43

    Não é fácil, porém, a forma mais fácil de o fazermos é cozinhá-las de formas diferentes, por exemplo, os salteados em vez dos fritos, as ervas aromáticas em substituição de parte do sal. É de absoluta necessidade fazermos uma alimentação variada com alimentos de todos os grupos da grande roda dos alimentos, e se forçarmos um pouco naqueles que gostamos menos, o nosso paladar vai-se habituando. Podemos começar por mascarar a presença destes alimentos aliando-os a outros.

    ¬ Responder
  • Ana SebastiãoAna Sebastião

    17-09-2012 às 12:05:42

    Boa dica José carlos. Esse é de facto o caminho a seguir.

    ¬ Responder
  • Filomena Vitorino

    14-09-2012 às 15:14:34

    Parabens! Votos de que tudo corra bem!

    ¬ Responder
  • Manuel PatrícioManuel Patrício

    14-09-2012 às 09:14:49

    Força amiga!!! Sei perfeitamente como te tens esforçado para te habituares a uma alimentação saudável, e também sei o como isso resultou contigo nuns bons Kg a menos. Continua no bom caminho e continua a escrever sobre o assunto porque é nos exemplos reais que nos podemos basear para mudar alguma coisa.

    ¬ Responder
  • Rogério RibeiroRogério Ribeiro

    13-09-2012 às 09:14:04

    Gostei. Adoro comer!!!

    ¬ Responder
  • Manuel PatrícioManuel Patrício

    12-09-2012 às 18:25:14

    É bem verdade. Os hábitos fazem aquilo que somos, e limitam ou ampliam os nossos consumos. Dependerá de nós balizar os hábitos da proxima geração.

    ¬ Responder
  • Marta Monteiro

    07-09-2012 às 12:21:20

    Bom texto e exposição da temática! É importante reflectirmos na forma como podemos mudar ainda muito em relação à maneira como comemos afectando assim também a alimentação da geração vindoura. Muitos parabéns!

    ¬ Responder
  • António Manuel Chumbinho

    06-09-2012 às 23:11:49

    Os meus parabéns pelo tema. Pois é devera um assunto que está a gamhar um certo "peso".

    ¬ Responder
  • Ana SebastiãoAna Sebastião

    04-09-2012 às 18:22:24

    Muito obriogada a todos pelos vossos comentários e pelos votos simpáticos.

    ¬ Responder
  • Gabriela Martinho

    04-09-2012 às 14:51:52

    O gosto também se educa. Boa reflexão sobre alimentação como fonte de nutrição e prazer.

    ¬ Responder
  • Liliana CostaLiliana

    04-09-2012 às 13:53:24

    Texto muito bom! Parabéns!

    ¬ Responder
  • Carlos Ferreira

    04-09-2012 às 00:29:17

    Parabéns pelo tema, tão importante como o saber comer.

    ¬ Responder
  • Filomena Vitorino

    03-09-2012 às 15:01:03

    Gosto muito de ler coisas sobre alimentação, trabalhei na área 12 anos, achei este texto muito interessante.

    ¬ Responder
  • Ana SebastiãoAna Sebastião

    03-09-2012 às 15:03:36

    Fico muito contente. Obrigada pela força.

    ¬ Responder
  • Eunice RibeiroEunice Ribeiro

    03-09-2012 às 14:11:16

    Mensagem valiosa!

    ¬ Responder
  • Helder FilipeHelder Filipe

    03-09-2012 às 11:21:15

    Muito bom o teu texto ! Parabens !

    ¬ Responder
  • Ana SebastiãoAna Sebastião

    03-09-2012 às 12:01:19

    Muito obrigada.

    ¬ Responder
  • Osmar

    03-09-2012 às 13:27:25

    Te tornartes uma nutricionista, pena que nao posso degustar suas habilidades culinarias

    formidavel

    ¬ Responder

Comentários - Alimentação – Fonte de Nutrição e Prazer

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O segredo de Van Gogh (Campo de Trigo com corvos)

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
O segredo de Van Gogh (Campo de Trigo com corvos)\"Rua
‘Campo de trigo com corvos’ destaca-se como uma das mais poderosas e mais ferozmente debatidas pinturas de Vincent Van Gogh. As várias interpretações deste trabalho em particular são provavelmente mais variadas do que qualquer outro na obra de Van Gogh. Alguns o veem como a "nota de suicídio" de Van Gogh transformada em uma tela, enquanto outros mergulham para além de uma visão geral superficial do assunto e favorecem uma abordagem mais positiva. Alguns críticos mais extremos vão ainda um pouco mais longe - além da tela e das pinceladas - a fim de traduzir as imagens em uma linguagem inteiramente nova do subliminar.

Uma análise artística é, por sua própria natureza, um esforço subjetivo. Ainda assim, as interpretações mais razoáveis são melhor realizadas a partir de uma base fatual.

Ao contrário do mito popular, ‘Campo de trigo com corvos’ não é a última obra de Van Gogh. A pintura é, sem dúvida, turbulenta e, certamente, transmite uma sensação de solidão nos campos - uma imagem poderosa de Van Gogh como artista derrotado e solitário em seus últimos anos. Além disso, ambos os filmes populares ‘Lust for Life’ e ‘Vincent and Theo’ reescrevem a história e retratam esta pintura como sendo a última de Van Gogh - com mais interesse pelo efeito dramático do que pela precisão histórica.

A datação precisa de ‘Campo de trigo com corvos’ é difícil devido à sua semelhança com outras obras que Van Gogh estava pintando e escrevendo, dentro do mesmo período temporal.

Do ponto de vista simbólico vale a pena rever os elementos básicos da pintura e depois explorar cada um a partir de vários e diferentes fins interpretativos do espectro.

Os caminhos presentes no quadro são basicamente compostos de três conjuntos: dois em cada canto de primeiro plano e uma terceira no enrolamento em direção ao horizonte médio. Os caminhos desafiam a lógica em que eles parecem se originar, pois vêm do nada e levam a lugar nenhum. Alguns interpretaram isso como uma confusão em curso na vida de Van Gogh acerca da direção dúbia que a sua própria vida havia tomado. O caminho do meio manteve-se o mais fértil para a interpretação simbólica. O caminho leva a algum lugar? Será que com sucesso se atravessará o campo de trigo e se chegará a novos horizontes? Ou será que, de fato, termina em um beco sem saída inevitável? Van Gogh deixa ao apreciador da sua pintura essa decisão.

Desde os seus primeiros anos como artista Van Gogh, gostava de cenas envolvendo céu tempestuoso. Van Gogh tinha mesmo um grande respeito pelas forças da natureza e inclui céus turbulentos em uma série de suas obras, porque o assunto é tão poderoso e tão cheio de potencial artístico que causa impacto em uma tela vazia. Além disso, Van Gogh escreveu uma vez sobre as possibilidades libertadoras das tempestades: "O piloto, por vezes, consegue avançar porque tem de vencer a tempestade e não ser forçosamente destruído por ela”. Claro que, como o passar dos anos, o seu estado mental tornou-se mais debilitado e suas perceções em relação à natureza podem ter ‘escurecido’. No entanto, pode-se argumentar que Van Gogh entendeu as tempestades como uma parte vital e positiva da natureza.

Provavelmente, a imagem mais poderosa dentro do campo de trigo com corvos é a dos próprios corvos. Mais uma vez, muita interpretação simbólica surgiu a partir da representação do bando de corvos. Grande parte da especulação depende se os corvos estão voando em direção ao pintor (e, portanto, o espectador) ou para longe dele. Se o espectador escolhe perceber que os corvos estão voando em direção ao primeiro plano, entenderá essa aproximação com um mau presságio, como um pressentimento obscuro. Se entender que os corvos se afastam, uma sensação de alívio pode ser experienciada. Tudo depende da perspetiva e da carga emocional que o apreciador colocar na pintura e na sua interpretação no momento.

A verdade é que não há nenhuma resposta certa sobre qual a direção, se houver alguma, que os corvos estão seguindo. Este ponto permanece sem solução e, consequentemente, a sua subjetividade aumenta e a sua análise torna-se discutível.

Em segundo lugar, e talvez de maior importância para o entendimento da pintura, a interpretação dos corvos como arautos da morte é uma construção completamente artificial. Van Gogh, em seus próprios escritos, nunca parece aceitar isso mesmo, pelo contrário.

As várias interpretações de ‘Campo de trigo com corvos’ vão desde o mais simples ao mais absurdo. Uma interpretação simbólica pode ser muitas vezes interessante, às vezes reveladora de perseguição. Mas uma sobre-interpretação de uma obra de arte coloca o espectador em risco de perder o que é verdadeiramente essencial. As obras de Vincent van Gogh proporcionam ao espectador uma gama incrivelmente complexa e bonita de assuntos para explorar e para admirar. Seus desenhos são o produto de um relator de habilidade indescritível e suas pinturas são sempre brilhantes, muitas vezes sublime. Os espectadores que passam o tempo à procura de significados em profundidade dentro do campo de trigo com corvos podem se dececionar. Para alguns, o desejo insaciável de entender a mitologia de Van Gogh envia-os numa busca de meras miragens.

Ao invés de buscar respostas dentro de ‘Campo de trigo com corvos’, o apreciador irá sentir seu tempo bem passado se simplesmente admirar o conjunto desta pintura extraordinária: a cor, a vitalidade e a harmonia turbulenta de cada pincelada. Os segredos intangíveis, se os houver, continuarão envoltos no seu próprio reino inefável - como os corvos.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O segredo de Van Gogh (Campo de Trigo com corvos)

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 02:30:44

    As obras de Van Gogh são bem inspirativas. Amei saber dessa história.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • 15-04-2014 às 23:54:00

    É verdade que 3 dos mais caros top 10 quadros do mundo são de Van Gogh?

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios