Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O pensamento mítico

O pensamento mítico

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 347
O pensamento mítico

O pensamento mítico veio antes da filosofia e da ciência, quando os homens viviam a base de uma cultura de contos e lendas, baseadas, principalmente, nas revelações dos deuses pagãos que eles cultuavam, e também através de respeitados homens de fé e cultura. Desde os tempos imemoriais os homens acreditam nesses contos e lendas, fazendo-os instrumento de fé e de ciência, em verdade, até os dias de hoje, quando a nossa ciência, como a história, a antropologia, a arqueologia, a biologia, a química, entre muitos outros, comprovam a veracidade do fundo dessas lendas, mostrando que elas tinham razão quanto ao fundo da mensagem, mas nem tanto quanto ao superficial da história, pois esses mitos eram sempre contados de forma extremamente simbólica.

Por exemplo, os antigos gregos, além de seus deuses pagãos, também acreditam em diversas entidades místicas, como a medusa, os titãs, os ciclopes, os heróis lendários e os semideuses, filhos de deuses com homens (no caso, mulheres), como Hércules.

Alguns céticos hoje em dia acreditam que essas entidades realmente nunca existiram, são apenas contos e lendas com base na cultura local. A ciência moderna nunca encontrou vestígios de tais criaturas, como o dragão, criatura odiada e cultuada em diversos países por todo o planeta, na Ásia, na Europa, e também nas Américas. Segundo eles, a causa dessas lendas foi uma civilização que ainda não dispunha de uma ciência avançada, e criava essas lendas para tentar explicar aquilo que ainda não entendiam. Por exemplo, se eles encontrassem uma grande pedra solta em um local bem alto, eles poderiam criar a lenda de que foi um gigante que a moveu até lá. Ou se houvesse um assassino em série que estivesse matando pessoas sem deixar pistas sobre sua identidade, assim como acontece hoje em dia, eles poderiam criar a lenda de que se trata de um monstro, sempre aumentando a forma conforme a imaginação e o medo se aguçam. Já como os povos antigos estavam acostumados a lendas e contos sobre monstros e semideuses, eles se popularizavam com tamanha facilidade, que faziam crédulos não só na sua aldeia, ou tribo onde surgiu, como também em uma cidade, um estado ou mesmo todo um país.

Eu gosto de retratar o pensamento mítico como sendo uma bengala para as mentes ainda não muito desenvolvidas de nossos antepassados. Eles não dispunham de ciência, e muito pouco de filosofia, essas lendas serviram como que de uma preparação cultural dos povos para o surgimento da filosofia como a conhecemos e da ciência positivista, baseada na observação dos fatos e na conclusão dos mesmos pelos métodos dedutivo e indutivo.

É da natureza humana ser demasiadamente curioso e querer sempre saber de tudo, saber de onde viemos, saber para onde vamos, saber por que estamos aqui, enfim, saber o que somos. E por isso, quando não dispomos de uma filosofia e uma ciência que nos deem os conhecimentos que ambicionamos, criamos os mitos, que são uma forma de exprimir ou a verdade oculta, ou a expressão cultural de um determinado povo. Por isso, o pensamento mítico para mim, foi o molde de todo o conhecimento que temos, pois ele foi como o nosso “andajá” para as grandes descobertas.


Diego César

Título: O pensamento mítico

Autor: Diego César (todos os textos)

Visitas: 347

811 

Comentários - O pensamento mítico

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Raio Mata Três Pessoas No Brasil

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Segurança
Raio Mata Três Pessoas No Brasil\"Rua
No dia 07 de novembro de 2014, três pessoas acabaram morrendo em decorrência de raios após as vítimas serem socorridas, mesmo depois de bastante tempo tentando reanimá-las.

Os três homens deram entrada no hospital com parada cardiorrespiratória e com muitas queimaduras. Esse incidente aconteceu na zona leste de São Paulo, as vitimas trabalhavam com ferro velho.

O Brasil é o país onde os raios estão mais presentes no mundo. São mais de 50 milhões de raios por ano. Esses raios atingem mais pessoas na zona rural, porém nas áreas urbanas ocorrem também só que com menos frequência.

Há pessoas que falam que raios não ocorrem duas vezes no mesmo lugar, mas isso é improvável, eles ocorrem sim! Tanto que nos últimos séculos, as tempestades aumentaram 90% por causa do aquecimento do planeta devido ao asfalto, que é uma das formas de poluição.

Alguns cuidados, nesses momentos, são importantes como: não ficar em área aberta, não usar o telefone e se vir uma tempestade, então permaneça no carro.

Os raios ocorrem no Brasil porque é um país tropical e de muito calor, por isso está em primeiro lugar em queda de raios. Nesse mesmo ano de 2014, um rapaz morreu usando o computador. Ele recebeu a eletricidade no momento em que o raio caiu na antena.

O estado de São Paulo lidera em quedas de raios. Um raio dura em média 1 segundo, e a queda de raios acontece por uma descarga elétrica que produz nuvens de chuva. Os relâmpagos ocorrem entre as nuvens e os raios pelo solo.

Algumas regiões tem tendência de cair mais raios, a descarga é visível a olho nu e é um fenômeno que produz um clarão. As mortes mais frequente são nas áreas urbanas, por isso não é seguro se proteger em baixo de árvores.

Pesquisar mais textos:

Gislene Santos Sousa

Título:Raio Mata Três Pessoas No Brasil

Autor:Gislene Santos Sousa(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios