Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A Lei Da Sobrevivência

A Lei Da Sobrevivência

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 4
A Lei Da Sobrevivência

Imagine uma savana. O leão ergue-se imponente à espreita da presa. Ao longe uma linda e soculenta gazela. Aproxima-se devagar. O leão prepara-se para almoçar. E a gazela cada vez mais perto nem vê o prerigo que a espreita. E continua a aproximar-se do rei da selva. De repente, apercebe-se que está em perigo e põe-se à escuta. Mas sem querer avança ainda mais para onde não deve, tal é o pânico. De repente, o leão salta. A gazela assusta-se e corre. O leão corre também. Inicia-se uma perseguição sem fim.

No reino animal, é assim. É a luta pela sobrevivência. Porém, esta mesma luta não é diferente da vida real dos seres humanos. E nos tempos que correm essa sede de sobrevivência é ainda mais comum. Num tempo em que se fala tanto de crise, de poucos recursos económicos, em que os bons empregos são escassos, em que o dinheiro, os bens materiais, a comida, começa a faltar. É uma luta diária pela nossa sobrevivência. E pela lei da natureza os fortes ganham sempre aos mais fracos. Claro que existem exceções. Mas, de modo geral, são os mais fortes que vencem. Ganham os que têm Saúde, os que têm Dinheiro, os que têm Poder.

O leão é chamado de o rei da selva porque é o animal mais forte. É o que impõe respeito. Os animais mais fracos respeitam o seu território, não por reverência, apreço ou admiração, mas por terem medo de serem o próximo almoço. Da mesma forma, existem pessoas na nossa sociedade que são mais fortes. São mais fortes porque têm dinheiro. São mais fortes porque têm poder. O povo, que somos nós, não temos nada. Só temos impostos, dívidas, escassez de trabalho, de abrigo e de comida. Não temos Poder, porque não temos dinheiro. E devemos o respeito a quem o tem, não no sentido de sermos nós o almoço, mas sim para não ficarmos sem almoço.Esta é a lei da vida. A lei da sobrevivência.Temos sempre algo ou alguém acima de nós. E agora? Se a vida é mesmo assim, será que podemos fazer algo para mudar isso?

Voltemos ao quadro. O leão corre, corre, corre pois, tem fome, mas parece que o almoço está sempre a fugir. A gazela bem se esforça a lutar contra as investidas do leão correndo também o mais que pode. Qual será o desfecho? Já sabe qual é o fim desta história? Pela lei da sobrevivência vence o mais forte. Assim sendo, o leão parece finalmente apanhar a presa, mas cai desamparado. A gazela saltou no mesmo momento em que o leão a accançou conseguindo distanciar-se. Mas o leão não se dá por vencido e continua a correr. A gazela já vai longe. Mas o leão não desiste. Corre mais uns metros até deixar de ver a presa. Corre até se cansar. E a gazela para finalmente alguns metros mais à frente diante de um rio, onde pode finalmente beber água fresca, descansar e recuperar forças. Ao contrário do leão, que fica cansado, cheio de sede e sem almoço.

Esta história serve para mostrar que podemos sempre dar a volta à situação em que nos encontramos. Assim como a gazela podemos dar o salto decisivo das nossas vidas e correr para alcançar a sobrevivência. A nossa força não vem de fora mas sim de dentro. Se contarmos com a nossa inteligência, determinação e força interior vamos conseguir ser bem-sucedidos assim como a gazela.

Afinal de contas quem é que é o mais forte? O leão ou a gazela?

A resposta está dentro de cada um de nós.


Jovita Capitão

Título: A Lei Da Sobrevivência

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 4

808 

Comentários - A Lei Da Sobrevivência

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios