Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Existem espíritos?

Existem espíritos?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Existem espíritos?

Essa é uma pergunta cada vez mais frequente na nossa civilização, em que o número de ateus está crescendo assustadoramente, em especial nos últimos anos. Esse número cada vez maior de ateus, se deve ao fato de que a ciência desenvolve-se e cresce proporcionalmente assustadoramente.

Esse crescimento do pensamento científico gera cada vez mais ateus por que a ciência ainda não provou a metafísica, embora já esteja nos primeiros passos pela física subatômica, por exemplo. Mas os ateus, se baseando na ciência comum, não acreditam nos espíritos, consequentemente, também nem acreditam na vida após a morte.

Uma das ideias que os ateus se baseiam para chegarem a essa conclusão é fazendo a seguinte pergunta: - Já foi provado a existência dos espíritos? E eu rebato simplesmente com a ideia de que só por que uma coisa ainda não foi provada pela ciência comum, não faz com que ela seja falsa. Já como a causa ainda não foi nem reconhecida como verdadeira nem falsa pela ciência comum, eles deveriam pelo menos considerar como sendo "possível".

Mas voltando a questão de existir ou não os espíritos, pense primeiramente se é racional pensar que bilhões de pessoas no mundo teriam tido alucinações ao dizerem que viram um espírito; se é racional pensar que, já como quase 3% da população brasileira é espírita, e ainda existem uma boa porcentagem de umbandistas, condombledistas e etc., são todos vítimas de alucinações.

Outra ideia que me baseio para provar a existência dos espíritos é o chamado Experiência de Quase-Morte (conhecido como EQM). Nesses eventos, pessoas que sofreram acidentes, ou estavam no fim de suas forças orgânicas, logo após voltarem à normalidade, relataram que durante esse período de libertação, foram recebidos por "seres de luz", ou muitas vezes, pelos próprios familiares que já partiram. Como explicar tal fato, que é na verdade tão frequente?

Como explicar também as aparições? Os sonhos que temos? Os pressentimentos que estavam certos?

Mas em minha opinião, o caso que mais faz que se acredite na existência dos espíritos, são os casos de obsessão, quando um espírito começa a perturbar e obsidiar alguém. Alguns dirão que se trata de esquizofrenia. E então como explicar os casos de casas mal assombradas? Teria toda uma família perdido a sanidade? E quando se trata de casos que continuam mesmo após a venda da casa para outra pessoa? Já existem até profissionais nessa área, são os parapsicólogos, que estudam esses fenômenos, e ajudam as pessoas suas vítimas.

É preciso bom senso para não considerar que tanta gente ficou louca da noite para o dia. Só por que você nunca viu (o que é muito difícil), não quer dizer que o que as outras pessoas veem não seja real. É preciso largar o orgulho e admitir que existam, sim, coisas superiores a nós, e coisas que nós ainda não entendemos.


Diego César

Título: Existem espíritos?

Autor: Diego César (todos os textos)

Visitas: 0

609 

Comentários - Existem espíritos?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios